Versão beta do Linux Mint 20 já está disponível para download

Confira o post completo no blog: https://diolinux.com.br/2020/06/beta-linux-mint-20-disponivel.html


O Linux Mint 20 está próximo do seu lançamento, e conta com diversas novidades, entre elas, a mudança para a nova versão LTS do Ubuntu.

2 Curtidas

Linux mint não tem relevância nenhuma

WTF?
Essa não entendi.

Com KDE.

7 Curtidas

Muito bom, gostei!

1 Curtida

Porque você acha isso? agora eu fiquei curioso

1 Curtida

Não ocorrem muitos bugs com o KDE? Eu gosto do Cinnamon do Mint e do KDE, mas quando o instalei no 19 aconteciam muitos bugs.

Um dos fatos que podem ter ocorrido foi a forma em que instalou. Por ex, se vc usar “apenas” kde-plasma-desktop, faltará muita coisa nas dependências e terá muitos problemas.
Porém, se usar o kde-full, encherá o sistema de programas “desnecessários”, tendo incomodo.

1 Curtida

Vi muitos bugs e crashes no KDE Neon, no primeiro ano de vida (2016), e também no Kubuntu 16.04, logo que foi lançado.

Mas o Kubuntu 16.04 era meu sistema “principal”, e não quis abrir mão dele, pois eu usava Kubuntu desde 2009, e era o único que eu tinha aprendido a lidar (mais ou menos, como iniciante). Voltar atrás, não era possível (desaprender?), então o jeito foi investir, aprender mais, e solucionar. ─ Se bem que muitas correções também foram corrigidas com o tempo.

Só em 2017, consegui lidar melhor com o KDE Neon, e se tornou mais uma distro “principal”, no dia-a-dia.

Até o início de 2017, o Mint 18 beta KDE foi minha tábua de salvação. Faltou pouco para se tornar minha distro “principal”, durante uns 6 meses.

Em 2016, eu também tinha o Debian stable (4 distros em dualboot, após remover o Windows), muito mais testado e corrigido, como é tradição do Debian. Mas o KDE dava impressão de “defasado”, e a verdade é que eu não gostava. Faltava um recurso novo, faltava outro recurso novo… Acabei transformando em Debian testing, e usei por mais de 3 anos.

O KDE é assim ─ evolui o tempo todo, sem parar ─ e é claro que toda evolução é sujeita a bugs.

Mas estou tão acostumado com os recursos do KDE (desde o Kurumin, em 2007), que nunca consegui me adaptar a nenhum outro DE. ─ Mas até meados de 2015, usava como um zumbi, sem prestar muita atenção. Foi em 2015 que instalei um segundo Kubuntu 14.04, e configurei absolutamente igual ao primeiro (pois nem lembrava como tinha feito, tudo aos poucos), e anotei. ─ Depois, substituí pelo Mint Cinnamon, e tentei obter os mesmos recursos a que estava acostumado no KDE. Claro que não consegui, mas aprendi muito sobre as diferenças entre o KDE e os outros.

Atualmente, me viciei em distros “rolling”, com KDE de ponta ─ ou pelo menos, com um KDE bem “recente”, pois é chato você usar uma distro com KDE novo, reinicia, carrega outra distro, e começa a sentir falta de várias novidades. ─ Mas fiz muitas experiências, quebrei a cara várias vezes, e acabei me sentido cada vez mais seguro com ele:

  • Fiz 3 testes demorados com o Kubuntu 16.04 antes do lançamento
  • Depois de instalado, descobri como remover o PIM, Akonadi, desabilitar quase todo o Baloo ─ e continuei fazendo essa experiência com várias outras distros não-buntu, não-debian, a partir de 2017
  • Testei o Mint 17.3 KDE e em seguida instalei o KDE 18 beta KDE, que funcionou muito bem, desde o primeiro momento
  • Instalei outras versões não-LTS do Kubuntu (dualboot), encontrei alguns problemas, consegui solucionar, pesquisando nos foruns. ─ Depois, passei a instalar versões ainda em desenvolvimento do Kubuntu, e quando eram lançadas, passava para o desenvolvimento seguinte, como se fosse “rolling release”. ─ Àquela altura, já nem encontrava tantos problemas.
  • Instalei o Devuan 2 beta e substituí o (Xfce?) por KDE. Houve 2 ou 3 desastres, mas funcionou por mais de 1 ano. ─ Eu só achava chato, porque usava KDE antigo (“estável”), igual ao Debian stable
  • Tentei instalar o KDE no antiX e no MX Linux. Mesmo caso do Debian stable, KDE “estável” (velho, pro meu gosto). ─ Tive dificuldade em remover as DEs originais, e acabei desistindo.
  • Experimentei instalar o KDE no Mint 19 e no LMDE3 beta. ─ Aprendi bastante sobre o KDE, embora pensasse que já sabia…
  • Por fim, instalei o Arch “na unha” ─ e depois o KDE ─ e em seguida o Void, também “vazio” de tudo, e depois o KDE

É claro que ninguém é obrigado a passar por tudo isso.

Um DE deveria vir “pronto para usar” ─ quando já vem testado e corrigido por cada distro, para instalar junto com ela ─ mas a verdade é que, pessoalmente, não gosto do Debian stable, super testado, super-corrigido, super-estável… e com KDE defasado.

O extremo oposto, na minha opinião, é o Gnome (e o Unity) ─ feitos para a simplicidade da multidão de consumidores de smartphone. ─ Estou simplificando, claro, relevem o exagero.

Ontem, usei o Mint 20 beta Xfce por 8+ horas, em 2 sessões Live, e depois de instalado, até instalar o KDE. ─ Consigo lidar bem com Xfce, LXDE, MATE, Cinnamon, mas a verdade é que me sinto com os braços amarrados. Falta quase tudo que estou habituado a usar. Sei que essas 4 DEs oferecem maiores ou menores possibilidades de configuração, mas não tanto (nem tão fácil) quanto o KDE.

Problemas são inevitáveis. Na minha opinião, pouquíssimos, se considerarmos a quantidade de recursos oferecidos.

1 Curtida

Atualmente uso o Kubuntu 20.04 mas às vezes parece que fico cansado dele e da interface KDE não sei porquê, acho que o Ark tem muitos problemas e há lugares onde a interface não é tão coesa. Ainda por cima aquele icone chato dos programas que são Wine e isso, aquele X com uma coisa vermelha…

Acho o Cinnamon e as interfaces GTK mais coesas

bug não ta funcionado o fone de oubido no mint

Hehe, Vai ficar travado no 5.18 que é o LTS, adiciona o repositório do Neon que já vai ter atualização pro 5.19 (isso se tiver versão pro focal né, acho que não tem ainda, talvez em testes)

Isso que me incomoda no Mint, e principalmente pra quem gosta de jogar o fato de ficar travado em versões anteriores é muito chato. Ou você tem que muitas vezes procurar alternativas, ou instalar PPAs.

O openSUSE Tumbleweed, o Arch, o KDE Neon e o PCLinuxOS já me garantem o KDE mais recente. ─ A qualquer hora que der vontade, é só reiniciar e escolher no Grub.

O quadro ainda é de Abril ─ está superado. ─ Quem sabe, atualizo neste Domingo.

Como fez para instalar?

Uso o Mint 19.3, para a mudança para o 20 é só aplicar via Terminal o comando sudo apt dist-upgrade? É isso? Esse comando ainda sai quebrando tudo ou já está melhor? Venho de alguns anos de uso do Arch onde o modelo rolling release era um espetáculo, mas após muitos problemas, saí. Lembro desse comando nos meus tempos de Ubuntu e, puuuutz… saía detonando todo o sistema, só servia pra eu formatar o computador e instalar do zero mesmo.

uma dica de repositório para o ubuntu e o repositório da ufpr esta bem rápido

1 Curtida

O KDE plasma?

Não.
Quando sair a versão oficial vai ser via gestor de atualizações.