Por que o Linux não se tornou tão popular nos Desktops?

linux
#1

E aí clã! Tudo blz?

Artigo novo no blog para vocês:https://www.diolinux.com.br/2019/04/popularidade-linux-por-linus-torvalds.html

5 Likes
#3

Se houvessem muitos notebooks/PCs que viessem com uma distro linux instalada realmente iria aumentar a popularidade das distros linux.

São poucas as opções que vem com linux, e quando vem, normalmente é com o Ubuntu, o que não é ruim, pelo contrário, é uma ótima escolha.
Ou vem com uma distro linux antiga e/ou difícil, e essas distros antigas acabam afastando os usuários do mundo linux.

Acho que outro motivo é a falta de marketing, propagandas/anúncios.
Se isso ocorresse, as pessoas iriam perder aquele velho pensamento de que “linux é difícil”, “não tem jogo”, “é preciso saber programar para usar”, “só hacker e/ou programador usa”, “tem que usar o terminal pra fazer tudo”, etc, etc, etc.

2 Likes
#4

Com certeza, a falta de marketing tem influência. Como que o usuário doméstico vai ter curiosidade em usar determinada distribuição, se nunca ouviu falar dela!?

Os princípais propagadores da área (“Téquimundo” da vida, por exemplo), estão mais procupados em fazer clickbait… Do que trazer uma informação séria. Infelizmente, ninguém - desses portais - vai falar sobre Linux, se não tiver o “faz me rir”.

Outra questão que presenciei, quando comprei meu notebook… é alguns modelos com Windows MAIS BARATOS que os com Linux (lobby da MS?). Algumas fabricantes - não sei se é só no Brasil - quando vendem computadores com Linux, me aparecem com os Satux, Linpus da vida… quando não usam um Ubuntu muito antigo (mesmo tendo uma LTS recente… usam a mais antiga).

Quando a Canonical diz que é função da Comunidade, essa questão do marketing… Está apenas se eximindo da responsabilidade em propagar o Ubuntu (isso serve para as outras desenvolvedoras).

Algo intrínseco que o “Tosvaldo” menciona é sobre o “saber formatar/instalar” o Linux. As distribuições precisam tornar seus instaladores, mais fáceis ainda. Obviamente, acho o instalador do Deepin o mais agradável de operar… Ubuntu é tranquilo, mas precisa simplificar e recauchutar o visual. O Fedora parece ser simples… mas para o leigo é confuso. Obs.: Me refiro ao particionamento avançado - pro usuário saber o que está fazendo e usando, invés de clicar “formatar o disco todo”.

2 Likes
#5

Questão de pcs/notebooks vindo com Linux ajudar na divulgação não funciona. Uns 10 anos atrás surgiu o projeto Computador para Todos do governo e só serviu pra queimar o Linux.

2 Likes
#6

Mas nesse caso só o Insigne que prestava e não era essas coisas, o FeniX e outros prometiam fundos e mundo na primeira inicialização e só conseguiam ser mais lentos e pesados que o Windows Vista ou extremamente desatualizada como a Positivo e seu fabuloso Mandriva em pleno 2018, a maioria enfiava uma distro Linux só pra participar do programa, os Chromebooks são um ótimo exemplo de como deveria ser feito:

Um sistema atual que é o que é sem promessas vazias e sem violentar o hardware

3 Likes
#7

Realmente: Megaware, Qbex, Bitway, dentre outras só colocaram Linux para participar do programa. Elas mesmas recomendavam a remoção do Linux para a colocação do Windows pirata.

Trabalhei na FeniX por 14 meses, eles tinham uma boa parcela de usuário interessados em aprender a usar. Lembro que Megaware e Bitway criaram suas próprias ReFiSeFuQuis para não ter que pagar o suporte da FeniX. Porém, eles achavam que 100% dos usuários migravam pro Windows. Quando os usuários ligavam pedindo suporte, quebraram a cara, pois não sabiam como ajudar.

3 Likes
#8

Eu acho que o grande culpado mesmo é falta de interesse das pessoas em aprender algo novo, é mais digerir um alimento mascado do que você ter que aprender a cozinhar para comer ele. Lógico que marketing faz efeito e isso falta para Linux se tornar popular. Não acredito que o excesso de distros seja um problema, pelo contrário, ter várias distros abre um leque para que possamos escolher aquela que mais nos agrada

3 Likes
#9

Acredito eu que falta uma distro que tenha vontade e ao mesmo tempo dinheiro para investir em computadores de varejo com sistemas operacionais de kernel linux pré instalado.
Apesar de ser crime, hoje em dia vemos muito a famosa “venda casada”, onde o comprador não pode levar a máquina pra casa sem o Windows por default. Acho isso um absurdo, mas acontece!
Outro motivo pelo qual não vejo o crescimento de sistemas linux no mercado é a falta de marketing e falta de técnicos em informática não falarem bem ou não indicarem o sistema do pinguim.
De qualquer maneira só vejo o sistema crescendo por conta de pessoas muitas vezes curiosas e/ou que estão em procura de algo novo/diferente por estar cansado ou não do sistema da microsoft.

3 Likes
#10

@Daigo O FeniX veio instalado em meu primeiro computador (da NOVA Computadores) - lá em 2007. Mesmo com 256MB de RAM :joy: :joy: :joy:, o sistema rodava muito bem.

Na loja, o vendedor disse que era para instalar o Windows (demonizou o Linux). O Office 2003 demorava 10-12 minutos para abrir :stuck_out_tongue_winking_eye:… No FeniX, o BrOffice funcionava de boa.

A única coisa que me decpcionou no FeniX foi o CD de instalação… Não tinha a opção de particionamento. Todo o HD era formatado.

2 Likes
#11

O grande problemas destes computadores que vinham com linux por default, é que sempre eles vinham com distribuições defasadas, sem qualquer procedência ou documentação, além de muitas serem cheias de bugs. Meu primeiro desktop foi um Semp Toshiba, e veio com uma distro linux de procedência muito duvidosa e o sistema era cheio de bugs… Não fiquei nem uma semana com ele e já formatei na época para Windows 7.
Se os computadores comprados viessem com sistemas completos e populares seria muito mais facil de um usuário ficar e gostar.

2 Likes
#12

@BoneCrusher o CDC proíbe à venda de LICENÇA junto com computador. De certa forma… a Apple tbm estaria errada :rofl: - mas quem pagaria 30mil em um iMac, para usá-lo com Ubuntu :sweat_smile:, por exemplo.

A lei de certa forma é burra. Mas é justa com o consumidor… pois não existe lanche grátis (o valor da licença SEMPRE estará embutido); e o mesmo, terá poder de decisão por qual sistema utilizar - sem precisar gastar para isso.

Não tenho dúvidas que a Microsoft faz lobby com as fabricantes… Pq a licença do Windows é cara (falo em quantidade) para o fabricante; diante disso, eles certamente iriam preferir o Linux. Mas realmente, uns 10 anos atrás o Linux era assustador diante do “véião” Windows XP… Hoje, isso está mudando!

Infelizmente, está na cultura do brasileiro demonizar o Linux… e o fabricante não quer perder vendas por causa do Linux (somado com aquele lobby que mencionei antes). É importante que se crie uma consciência para desmistificar isso… É importante o papel que o Diolinux, SempreUPdate e outros sites, vem fazendo.

2 Likes
#13

Desculpa, mas o chaveiro, a cabeleireira, minha mãe, não querem aprender Linux… querem usar o computador… simples assim. Portanto é fato que um computador com o sistema embarcado tem que vir liso e atualizado. Esse seria um dos braços que faria Linux Desktop ser mais popular.

1 Like
#14

Isso acontece por uma brecha, tecnicamente você só compra o Windows se aceitar os termos se não aceitar você pode pegar a diferença o problema é o first run “aceite os termos” a positivo faz isso direto na review dos produtos dela

1 Like
#15

Pois é esse programa foi praticamente pro ralo no quesito incentivar o software livre

#16

@alexwender concordo com você.
Mas um usuário básico sinceramente não ta se importando com o que vem instalado, ele só que saber se vai funcionar, se ele vai conseguir usar para as tarefas básicas como acessar a internet ou não. Por isso se vir com um sistema linux polido, agradável e que funcione, dificilmente este sujeito vai querer pagar pra alguém formatar a máquina pra ele. Ainda mais se o vendedor fazer uma propaganda positiva do sistema falando apenas que “não pega virus”. rs

Porém se for um cara de nicho, muito provavelmente não importa qual sistema venha, pois provavelmente ele vai optar por instalar o Windows. Porque ele não vai querer saber como instalar o AutoCAD no linux via wine por exemplo. Pra ele é gambiarra além do trabalho que ele vai ter sabendo que pode não funcionar ou funcionar com desempenho inferior ao que ele espera. OBS: esse mesmo cara que trabalha com o AutoCAD não vai também procurar “alternativas”, porque a empresa onde ele trabalha já esta condicionada a usar aquele software e ele já esta treinado naquele programa. Muito difícil ele querer ter uma curva de aprendizado para usar outra coisa.

Esses fatores quase ninguém comenta, mas é também um dos motivos pelo qual o Linux não cresce tanto em desktops. Basicamente não existe marketing, não existe uma empresa que esteja interessada em embarcar seus sistemas em desktops de varejo, não existe uma empresa que represente os sistemas linux (apesar da Canonical fazer isso, ela não é tão ativa na área de desktops com marketing ou com outros métodos porque o foco é servidores e internet das coisas).

2 Likes
#17

Vir já instalado nos PCs ajudaria muito, mas esse é só o primeiro passo de muitos. Há 10 anos atrás havia alguns PCs que vinham com Linux, mas o suporte a hardware era muito pobre (especialmente quem comprava computador popular, que vinha com uma placa de vídeo SiS ou VIA), você ligava o notebook e o vídeo ou o WiFi não funcionava, felizmente hoje em dia não há mais bombas como SiS ou VIA, quando usei o Linux no meu notebook SAMSUNG ele reconheceu tudo de boa, diferente do Windows que gastei uma tarde caçando drivers na internet.

Algumas coisas que, ao meu ver, ajudariam o Linux a se popularizar:

  1. Na primeira vez que o sistema é ligado, o usuário é energeticamente convidado a ver um tour ou apresentação do mundo Linux para que as pessoas saibam que Linux não é Windows (nessa mesma tela ele poderia receber a opção de instalar codecs e drivers proprietários se estes já não estivessem sido instalados). Parece uma coisa óbvia, mas as pessoas não sabem das implicações disso, como o fato de que aquele programa baixado do Baixaki ou Superdownloads não será instalado simplesmente no Linux, salvo se a distribuição já tiver o Wine bem configurado, a pessoa precisa saber que ela tem a sua disposição uma Loja de Aplicativos e que certos programas são diferentes do que ela conhece, como por exemplo que ela pode tirar o WinRAR da mente quando ela estiver usando Linux.

  2. Um suíte de escritório (que não seja proprietária e preferencialmente nem seja um navegador travestido de aplicativo) com bom suporte aos formatos proprietários do Microsoft Office (detesto ter que trabalhar com docx e xlsx, mas infelizmente são padrão de mercado). Só temos o LibreOffice e o Calligra Suite. Como o Calligra Suite não tem lá muita relevância, com exceção do Krita, me focarei no LibreOffice. Sei que a equipe de desenvolvedores do LibreOffice é pequena e que cada um tem sua área de atuação, mas era para usarem cada centavo arrecadado para contratar alguém para trabalhar no suporte aos arquivos do M$Office, eu fico triste em ver que as pessoas (pelo menos no meu círculo social) estarem migrando em massa para o WPS Office. Outra coisa, o visual, já era para o LibreOffice ter atualizado-o há muitos anos, na verdade não tenho nada contra o visual antigo (embora o tema de ícones padrão só foi ficar bom agora, pelo menos no Windows e Kubuntu), muita gente prefere o visual “Ribbon” que todos as outras suítes de escritório já seguem.

  3. Eu poderia citar os jogos, mas o Linux já está melhorando nisso a passos largos. E francamente, o MacOSX também não é uma plataforma muito boa para jogos, mas ficaríamos muito felizes se o Linux tivesse metade do mercado de desktop que o sistema da Apple tem.

2 Likes
#18

Isso cara concordo contigo o 1 passo ta virando realidade em passos lentos, infelizmente os poucos sistemas que trazem o você precisa instalar um .snap ou flatpak o que quebra a idéia de tela de boas vindas (como o Ubuntu MATE), os que não precisa trazem muita informação em pouco espaço (como o Duzeru) e as que não sofrem dos dois problemas citados tem problemas estruturais (como o Deepin)

#19

Mas de qualquer forma um usuário terá que aprender a usar o S.O, se o Linux fosse o padrão, quem seria o S.O dificil é o Windows, já enganei muitas pessoas só mudando os ícones e colocando um wallpaper, e dizendo que é o “novo Windows” para quem só navega na Internet e joga alguns jogos (principalmente da Steam) nem sentiria falta do Windows, alguns só usam Windows por não saber que existe outro sistema operacional (detalhe a maioria nem sabe o que é um sistema operacional)

2 Likes
#20

Acho q falta, realmente, máquinas vendidas com distros Linux. Mas qual usar nesse caso? Teria q ser algo bem fácil e simples.

1 Like
#21

Meu voto seria o Kubuntu, base Ubuntu (tem as vantagens de se encontrar informações muito fácil na internet), interface gráfica completa e default já se parece com a interface do Windows (ou talvez seja o encontrário, mas isso não importa)

1 Like