Open Suse Vantagens para migrar

Ola amigos,
gostaria que os usuários de Opensuse me diga quais serias os benefícios desta distro, uso o fedora desde 2016 e gostaria muito de experimentar o OpenSuse, minha duvida é, e possível ja instalar o mesmo com interface XFCE segundo o wayland esta ok no mesmo
?? e se e possível usar o dnf nele ou tem que usar o próprio dele mesmo

3 curtidas

@ewertonurias @frc_kde @ryu_ketsueki

  • Possuir uma versão RR (Tumbleweed);
  • Documentação de sobra;
  • YaST (is love, YaST is life);
  • Extrema estabilidade;
  • Pacotes bem recentes e testados (mais frescos do que o Manjaro, mas não chega a ser bleeding edge como o Arch em si);
  • Comunidade ativa;
  • BTRFS por padrão a um tempo;
  • Instalador bastante completo e detalhado;
  • zypper ser mais rápido que o DNF;
  • Patterns.

→ Desvantagens:

  • Patterns, pois aumentam o tamanho das atualizações, mas é possível contornar isso colocando-os como “taboo” pelo YaST ou pelo zypper, a sua escolha;

  • zypper é mais rápido que o DNF, mas o bichinho ainda é lento;
  • Necessidade de instalar codecs através o packman, o que torna as atualizações (sudo zypper dup) constantes e bem gordinhas;
  • “Pouca” documentação em português;
  • Comunidade do r/openSUSE tende a ser não tão amigável (apesar da do fórum oficial ser bastante receptível).

Sim, tanto no Leap 15.3 quanto no Tumbleweed.

Possível é, mas não é uma experiência agradável, como relatado no post do @ryu_ketsueki.

7 curtidas

Iria marcar o @JG22 mas ele chegou antes kkk
Nao sou mais usuario openSUSE, so que em meses que eu usei a distro eu so tive problema com comunidade e alguns jogos que pareciam nao rodar bem no leap.
Da uma olhada no topico : Dúvidas sobre OpenSUSE - #18 por frc_kde
acho que algumas duvidas suas ja foram respondidas antes.

4 curtidas

Há duas versões de openSUSE, Leap (Estável) e Tumbleweed (Rolling Release)

Snapshots

Snapshots são instantâneos do sistema de arquivos.
Instantâneos de arquivos permitem manter uma cópia do estado de um sistema de arquivos em um determinado ponto do tempo. Em outras palavras, caso ocorra um problema no sistema operacional, é possível selecionar um instantâneo anterior ao problema, e o sistema operacional voltará a funcionar, como se nada tivesse acontecido.

Este recurso é exclusivo do sistema de arquivos BTRFS (padrão do openSUSE).

Referência: Reference | openSUSE Leap 15.3

Patterns

Patterns (padrões) incluem uma lista de pacotes de software a serem instalados.
A lista de pacotes de software contém pacotes que são:

  • obrigatório (deve ter)
  • recomendado (deveria ter)
  • sugerido (pode ter)

Em outras palavras, Patterns se encarregam de marcarem dependências obrigatórias, recomendadas e sugeridas para serem instalados juntamente com os pacotes a serem instalados. Isso garante que os pacotes mais importantes necessários para uma certa finalidade estejam sempre disponíveis em seu sistema.

Referência: Installing or removing software | Start-Up | openSUSE Leap 15.3

Extrema estabilidade

Tanto o openSUSE Leap como Tumbleweed são distribuições muito estáveis, e acredito que isto acontece graças aos Patterns.

Leap
Como o Leap é a versão Estável, atualizações de sistemas estão mais ligadas à segurança e correções de bugs, porém, caso você opte por adicionar o repositório Packman para codecs de áudio e vídeo, é comum receber pequenas atualizações de codecs deste repositório diariamente.

Tumbleweed
Tumbleweed é a versão Rolling-Release Bleeding-Edge, significa que os pacotes estão sempre em suas últimas versões.
Geralmente, distribuições Rolling-Release são popularmente conhecidas como “menos estáveis”, porém, com openSUSE é um pouco diferente, justamente por conta dos Patterns, que garantem que todas as dependências no sistema sempre se mantenham satisfeitas.

Documentação é a sua amiga

Não conheço muito bem a “comunidade” porque raramente recorri à ela, visto que a documentação sempre sanou minhas principais dúvidas.

Caso você tenha dúvidas durante o uso do openSUSE, poste suas dúvidas aqui no Fórum, usuários como @JG22 @frc_kde @ryu_ketsueki e outros que também usam poderão ajudar quando possível.

Centro de Controle do YaST

No openSUSE, dá pra fazer praticamente tudo com interface gráfica:

Saída de terminal do Zypper bem detalhado

Recomendo que dê uma olhada neste tópico: A elegância e facilidade do Zypper

Sim, tanto no Leap quanto no Tumbleweed.

Graças aos Patterns, é possível instalar e remover interfaces gráficas sempre quando quiser, basta marcar o Pattern da interface gráfica desejada e o Pattern se encarregará de continuar mantendo a integridade do sistema.

Bem, eu sou usuário NVIDIA, uso Tumbleweed KDE Plasma com driver proprietário, e minha experiência NVIDIA com Wayland ocorreu razoavelmente bem desde algumas semanas após o lançamento do nvidia-driver 470.

Recomendo a leitura deste tópico: Um mês com DNF no openSUSE Tumbleweed

6 curtidas

Vou evitar de repetir o que os outros falaram sobre o openSUSE mas vou adicionar um pouco da minha experiência com essa distro.

Eu vinha do Manjaro KDE quando fui testar o openSUSE e nem foi pelos motivos “corretos”, por assim dizer. Eu queria testar o Trinity Desktop Environment por curiosidade mesmo, já que eu tive bem pouco contato com o KDE 3.5 e com exceção do Q4OS, que era base Debian, eu não tinha outra forma de testar essa DE. Tentei pelo Manjaro de duas formas. A primeira foi baixando do AUR, que necessitou compilar localmente. Só que sempre dava erro de compilação. Depois tentei adicionando repositórios dedicados para o Arch. Não instalava por não estarem assinados mas depois que contornei isso e instalei os pacotes do TDE, nada funcionava. O Q4OS não era nada amigável e por se tratar de uma distro baseada em Debian (Não o Ubuntu mas o Debian puro), complicou bastante para eu testar.

Mas foi aí que eu tinha visto no site do TDE que eles também ofereciam repositórios para o openSUSE Tumbleweed. O openSUSE era uma distro que eu já estava com vontade de estudar e aprender um pouco sobre, assim como o Fedora. Então resolvi instalar o Tumbleweed em uma máquina virtual e instalei o TDE por lá. A primeira coisa que eu percebi é como adicionar repositórios era super fácil e rápido, quase como se fossem os PPAs do Ubuntu. A segunda é que o Tumbleweed é uma distro Rolling Release assim como o Manjaro, tendo um período de testes pelo OpenQA que torna a distro extremamente estável, aliado de usar Patterns, que são a forma do sistema de manter controle sobre as atualizações. Pacotes e bibliotecas antigos são removidos automaticamente, novos são instalados e automaticamente configurados para funcionarem em harmonia entre sí.

Aí aconteceu algo engraçado. Odiei o TDE, mas amei o Tumbleweed. Comparado ao Manjaro, que tive que reinstalar diversas vezes por problemas que até hoje me escapam o entendimento, com o openSUSE foram apenas por erros da minha parte. A primeira vez foi por não saber como gerenciar os snapshots criados pelo BtrFS. A segunda foi por sair instalando tudo quanto é repositório dos usuários que tinha do Build Service, como se fosse um AUR. Isso deixou o sistema extremamente instável. A outra foi por achar que desativando o btrfs-clean iria melhorar a performance do sistema, já que esse processo tomava um núcleo inteiro de processamento na época. Rapidinho deixou o sistema instável.

Hoje, estando mais educado na parte de como o BtrFS funciona e ter aprendido a lição sobre não usar qualquer repositório do Build Service, percebi que o openSUSE é extremamente estável. No Manjaro, eu tinha que alterar o sistema de Estável para Testes caso eu quisesse usar algum pacote mais novo ou arriscar erros de compilação com o AUR. Agora no openSUSE, o Build Service tem muita coisa. Se tiver algo que não esteja nos repositórios embarcados, é só olhar no Build service para ver se nos repositórios adicionais ou dos usuários, existe o que eu quero. E todos esses funcionam por prioridade, então eu posso selecionar o que vem de cada repositório, reverter para o anterior ou simplesmente remover. Dessa forma, eu posso usar o KDE Plasma na versão mais recente, por exemplo, com o sistema em sí estando extremamente estável, quase como um KDE Neon só que com openSUSE ao invéz do Ubuntu. Agora para responder suas perguntas:

O openSUSE usa várias das tecnologias do RedHat, como os pacotes RPM. Isso vem desde 1996, se não me engano, quando o S.u.S.E. ainda era só uma tradução para o alemão do Slackware mas depois foi incorporando tecnologias de outros projetos até se tornar independente para o fim dos anos 90. Ainda existem legados ou projetos que foram forkeados desde então. Pessoalmente, ainda prefiro o Zypper no lugar do DNF por ter uma resolução de problemas com dependências superior a todas as distros que conheço. Mas o forte do openSUSE está nos Patterns e no YaST. Se não quer usar nenhum dos dois, o Fedora continua sendo uma melhor opção.

O XFCE é uma das três opções de ambientes de desktop logo no instalador, com as outras duas sendo KDE Plasma e GNOME, embora também exista o IceWM como reserva. Sobre o Wayland, isso vai depender muito do ambiente de desktop em sí. O Plasma está melhorando bastante nessa parte e a futura versão 5.23 terá bastante avanço, se pá até superior ao Gnome mas não me cite nessa parte. Agora se o XFCE tem suporte a Wayland no openSUSE, isso eu não sei dizer ao certo. Vai ter que testar você mesmo. Não recomendo usar LiveCD ou máquina virtual porque esses dois não vão ser fiéis a como seria se estivesse em uma máquina real.

Olha, até que dá para usar o DNF mas eu diria para deixar o DNF amadurecer um pouco no openSUSE porque, pelo que pude testar, ainda tem muito que o Zypper ainda faz melhor que o DNF e outros que o DNF ainda não consegue fazer, como atualizar o Kernel. Qualquer coisa é só olhar com mais detalhes no meu mês com DNF no openSUSE Tumbleweed

8 curtidas

Sou usuário do Tumbleweed e penso que quase tudo já foi dito… Os snapshots do Tumbleweed tornam o openSUSE a rolling release mais confiável que já usei. O snapper (primo do Timeshift) te dá a segurança de voltar atrás (use o BTRFS como sistema de arquivos). Os patterns trazem muita estabilidade (e facilidade de instalação), especialmente ao usar mais de uma desktop.

Usei o Fedora por um tempo, mas até a “estabilidade” das políticas da Red Had e do Gnome (padrão do Fedora) me levaram ao OpenSUSE.

Há “desvantagens”: não tem live CD, vai perder em alguns benchmarks.

5 curtidas

Ola amigos, numa boa não esperava que tantas pessoas iriam me tirar literalmente TODAS as duvidas de maneira tão excelente, muito obrigado mesmo…

Eu já tinha baixado ontem o iso do Leap 15.3 e fiz a instalação mas depois de ver que o TW se comporta exatamente como o fedora mas de maneira estável, pelo próprio leap mudei para TW com pouquíssimos passos no terminal, consegui atualizar o sistema e tudo sem problema algum pelo terminal, e sim e tudo bem mais rápido que o DNF, porem fui experimentar o yast e na boa que ferramenta fantástica, instalei tudo que faltava por la de maneira muito rápida e pratica, meu XFCE ja esta com o visual idêntico que eu usava no fedora, e pelo visto irei me dar muito bem com essa distro, alias sempre usei o BTRFS no fedora, mas aqui na o SUSE tudo e em um nível muito superior

muito obrigado a todos e ainda estou relendo tudo que foi escrito incrivel a comunidade nesse forum

7 curtidas

Bom dia. Fiquei curioso sobre o OpenSuse Tumbleweed. A duvida é instalar com Ext4 ou Btrfs. Não conheço muito o Btrfs, mas pelo que li ele é mais para “Ssd” é isso ou posso instalar de boa sem o Ssd. Peço desculpa ao autor do tópico por colocar uma duvida aqui.

3 curtidas

Para openSUSE instale btrfs,ele tem muitos recursos extras ,por exemplo um “backup” automatico.

Uso e sempre usei ele no hd,Mais pelo que eu vi em uma review do Dio ele as vezes consome um pouco mais de cpu.

1 curtida

embora não use mais HD mecânico uma das razoes na época do fedora eu ter migrado para o btrfs é o fato de que ele era muito mais rápido que o ext4 o consumo a mais de ram que ele usa e irrisório, não vejo razão para algum ainda hoje usar ext4 :slight_smile:

2 curtidas

Obrigado amigos por responderem tão rapidamente. Vou instalar ele com Btrfs. Obrigado mais uma vez. :grinning:

3 curtidas

Amigos surgiu mais uma duvida. É melhor instalar com /home separada, e com btrfs ou xfs??

1 curtida

Home separada em XFS

4 curtidas

Obrigado Rodrigo. Vou fazer isso.

1 curtida

Então… Alguns me chamam de louco, mas uso em Ext4 aqui o Tumbleweed (tanto o / no SSD, quanto o /home no hdd). O Btrfs tem a gigantesca vantagem de snapshots automáticos, porém na minha máquina, o comportamento dele é peculiar, dando engasgadas por nada. Estou bem tranquilo com o Ext4 hoje, ainda mais com o Kernel 5.14 trazendo algumas melhorias sutis a esse filesystem :slight_smile:

2 curtidas

Isso acontecia, acho que qgroups ativo por padrão não é mais o default do OpenSUSE. qgroups afeta bastante a performance de partições BTRFS que estejam fazendo uso de snapshots, principalmente durante o rebalanceamento e deleção de subvolumes.

Instalei em minhas 2 maquinas com Btrfs e está tudo bem nelas. O meu Desktop é de 2019 e o Note de 2015 mas estão funcionando bem com Btrfs.

1 curtida

primeira coisa estranha que vi acontecer no opensuse foi o vlc não rodar um simples video kkkkk vi que se instalar a versão flatpak resolve então to fazendo isso

Tem que instalar os codecs de vídeos.

Faz o seguinte instala o “opi”

sudo zypper in opi

Em seguida:

sudo opi codecs

3 curtidas

Você precisa baixar os codecs para que alguns vídeos funcionem.

  1. sudo zypper addrepo -cfp 90 'https://ftp.gwdg.de/pub/linux/misc/packman/suse/openSUSE_Tumbleweed/' packman

  2. sudo zypper refresh (ou sudo zypper ref)

  3. sudo zypper dist-upgrade --from packman --allow-vendor-change

  4. sudo zypper install --from packman ffmpeg gstreamer-plugins-{good,bad,ugly,libav} libavcodec-full vlc-codecs

Obs: não atualize o Tumbleweed com sudo zypper up, mas sim sudo zypper dup

7 curtidas