Gostaria de sugestões sobre particionamento BTRFS

Uma dúvida noob de quem quer experimentar o BTRFS

Esse modelo de divisões de partições para um HD está ok ou é desnecessário, já que o BTRFS trabalha com subvolumes?

E esse tamanho de EFI é exagerado ou ta bom?

1 Curtida

Cade a Swap cara?
Você vai fazer swapfile em Btrfs?
Você esta sabendo que o Btrfs em versão recente do kernel tem um suporte(Com limitação) ao swapfile.
Se você vai criar Swapfile no Btrfs leia primeiro a documentação de como fazer isso de forma segura para não ter problema com as limitações.
Atualmente eu faço Swap fora do Btrfs ate eles retirar as limitações.

Ansioso para que o Btrfs chegue na versão final com todos os recursos planejado.

não estou usando nenhuma swap, não vejo necessidade pq tenho memória de sobra para o que faço e uso ssd, não compensa usar isso pq vai desgastar a toa o disco

  1. Se vc quer deixar fácil para instalar outro sistema operacional, é interessante o /home em partição separada. Porém se isso não está no seu radar, poderia deixar o /home como subvolume tranquilamente e usar apenas uma partição btrfs (não teria a limitação do sistema raiz ficar limitado ao espaço da partição)
  2. Se vc não planeja fazer dual boot, está até grande demais. O grub ocupa 5MB por S.O… O windows ocupa uns 20 MB. O Pop usa uns 250MB. O que me preocupa é que sua partição sda3 foi detectada como ext4, quando o correto para uma partição efi é ser formatada como vfat (fat32).
1 Curtida

também tenho muita ram e não uso swap, acho que está boa no geral a configuração, mais o EFI está exagerado, metade disso já está bom demais.

1 Curtida

se ele pretende experimentar o BTRFS, nada impede que em outra distro ele faça algo como:

UUID=...   /home    btrfs    subvol=home    0 0

Talvez nem todos os instaladores suportem selecionar subvolumes, mas se ele instalar tudo numa partição raiz, posteriormente ele pode selecionar o subvolume como partição home e descartar a pasta do usuário gerada na instalação ou movê-la para o subvolume.

É uma pena que nem todos os instaladores suportem subvolumes, distros poderiam compartilar a mesma partição separadas por subvolumes.

1 Curtida

Eu fiz com o próprio assistente do instalador.

Será que é por isso que tá demorando 39 segundos pra iniciar e faz verificação de arquivos em todo boot?

Parece interessante isso, dessa forma o uso da unidade de armazenamento fica muito mais eficiente.
.
Pq será que já não oferecem isso de maneira simplificada na hora da instalação dos sistemas?

Primeiramente crie a partição EFI com 300MB de tamanho e antes das outras (sda1), dps crie uma para swap. Recomendo 4gb (4096MB), em seguida crie a / do tamanho q achar mais adequado (aconselho 40GB pra cima) e o resto pra /home. Em dispositivo no qual instalar o carregador de inicialização coloque a partição efi.

Acredito que seja pelo BTRFS não ser o sistema de arquivos mais popular por ai nem o mais descomplicado.

Adicionar funcionalidade em um programa é uma decisão complexa que consome recursos limitados…

Eu olho para trás como uma pessoa que já usou Linux tem mais de 12 anos e fico aliviado que a comunidade hoje saiba tomar essas decisões com mais maturidade que a ~8 anos atrás.

Uma coisa ser popular não quer dizer que seja boa, só quer dizer que é mais usada ou conhecida.
O ExtFS existe desde 1992 e ate hoje é popular.
Já saiu depois dele ReiserFS, Btrfs, Zfs, uma porrada e com mais recursos mesmo assim ele não morreu.
Olha só o que disse o desenvolvedor do Ext3/4:

Em 2008, o principal desenvolvedor dos sistemas de arquivos ext3 e ext4, Theodore Ts'o, disse que apesar do ext4 ter melhorado seus recursos, ele não é um grande avanço, pois usa tecnologia antiga e é considerado um paliativo. Ts'o disse que o Btrfs é a melhor direção porque "oferece melhorias na escalabilidade, confiabilidade e facilidade de gerenciamento".

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Btrfs

Note que ele disse “facilidade de gerenciamento” isso contra diz de que o Btrfs é complicado.

Um exemplo é o .docx que ainda disputa com o .odf
Outro é o FlashPlayer ele só morreu porque a desenvolvedora e proprietária mato ele via código, se não ele estaria vivo ate hoje.

Eu entendo o porque o BTRFS é tão atrativo, principalmente com seus recursos como SnapShots e várias facilidades de Gerenciamento, e acho ok para ser utilizado em Desktop pessoal, mais em empresas, fico com um pé atrás, eu já literalmente perdi o servidor de e-mail da empresa 2 vezes por causa de falta de energia em BTRFS, quando um erro no disco ocorre (não estou falando de erro físico), muitas vezes a recuperação é simplesmente impossível, o que torna o uso muito frustrante, as ferramentas disponíveis como o btrfsck ainda parecem muito cruas, elas até encontram os problemas, mais muitas vezes não são capazes de corrigir, e quando vc força essa correção pode até perder o sistema de arquivos, como foi meu caso 2 vezes.

Ex:

root 338 inode 7861227 errors 1000
root 338 inode 7904568 errors 1000
root 338 inode 7955174 errors 400
found 46242054144 bytes used err is 1
total csum bytes: 43112400
total tree bytes: 2074640384
parent transid verify failed on 14265458688 wanted 464230 found 464221
parent transid verify failed on 14265458688 wanted 464230 found 464221
parent transid verify failed on 14265458688 wanted 464230 found 464223
1 Curtida

Em que época esse pau aconteceu? era que ano?

A última vez foi em Novembro passado, ficamos 2 horas sem energia, o sistema todo caiu e quando voltou, o servidor já era, acredite tentamos de tudo, mais não conseguimos nem acessar o sistema de arquivos, essa maquina em questão não é grande coisa (nem precisava ser para e-mails), o que nos salvou mesmo foi o RAID 1 nela, apesar de termos backup externo de tudo, é um saco ficar reinstalando.

1 Curtida

Raid0 não tem redundância, você troco o nome dos Raids.

já corrigi.

Quando um desenvolvedor de um FS ou qualquer coisa que reside no kernel space diz que outro FS facilita o gerenciamento ele realmente não está se referindo a pessoas que fazem tudo menos administrar sistemas.

Também perdi uma partição tentando corrigir, usei o btrfsck nas tentativas. Boa colocação a sua…

As ferramentas do Btrfs carecem de aprimoramentos…

Arquivos apagados acidentalmente são de recuperação complexa ainda, e precária, a chance de dar m* maior é grande.

Eu uso aqui um esquema bem simples:

Disco /dev/sda: 465,76 GiB, 500106780160 bytes, 976771055 setores
Modelo de disco: ST3500413AS     
Unidades: setor de 1 * 512 = 512 bytes
Tamanho de setor (lógico/físico): 512 bytes / 512 bytes
Tamanho E/S (mínimo/ótimo): 512 bytes / 512 bytes
Tipo de rótulo do disco: gpt
Identificador do disco: 87D3CCD5-31EB-E743-843F-636F2BF7ACE0

Dispositivo  Início       Fim   Setores Tamanho Tipo
/dev/sda1      2048   1050623   1048576    512M Sistema EFI
/dev/sda2   1050624 976771021 975720398  465,3G Linux sistema de arquivos

Nem uso swap e minha partição do sistema é BTRFS.

Sinceramente temos mais de 30 máquinas com BTRFS em uma rede que já caiu mais de 50 vezes só em 2018 e nunca tivemos esse problema.

De resto, é por isso que não incentivo pessoas curiosas a saírem usando BTRFS, não é o tipo de sistema de arquivos que você pode colocar no ar e esquecer para qualquer uso por ai, quem dirá fazer como em FS mais simples, usar btrfsck em cima de todo e qualquer problema.

PS: você literalmente usou o método mais perigoso de recuperação, existem milhares de coisas que deveriam ser feitas antes, e especificamente para um quadro de transações incompletas como foi o seu, definitivamente não deveria ter usado.