Top 7 distros Linux para usuários iniciantes

eu acho que não seja por agradar e sim pelas pessoas não conhecerem outras opções

Então… o fato, é que desde que a Microsoft mudou a interface “Windows 3.11 for Workgroups” p/ o “Windows 95” a maioria das pessoas se habituou a esse workflow…
Aí somando isso à vista grossa da Micro$oft sobre a pirataria desenfreada por parte dos usuários domésticos, isso virou meio que um padrão e é assim até hoje…

Mesmo que a Apple resolvesse lançar uma versão do MacOs pra PC’s e disponibilizasse o link gratuitamente na página deles, pode ter certeza que mesmo assim não superaria os usuários de Windows no Mundo… e falando em Mac, (que seria a outra opção de interface), mesmo sendo acessíveis em países de primeiro mundo, a maioria ainda usa Windows… eu mesmo vejo mais Macs em filmes do que amigos ou conhecidos que tenham… mesmo os mais afortunados rs (se pegar pra assistir os 5 filmes de “Premonição”, em algum momento vai aparecer um Mac, mas devem fazer propaganda porque os efeitos devem ter sido criados em algum Mac rs)

O Linux está aí com diversas opções… mas tirando a barra lateral do Ubuntu misto com Android… as demais distros usam o workflow do Windows (Mint, Zorin, Kubuntu, Neon e etc) ou tentam a todo custo imitar o Mac (Elementary OS, Deepin e etc)

No caso do kde é o oposto o windows é quem cópia o kde então na verdade não existe interface windows like e sim kde like

3 Curtidas

Sim verdade, e isso é bem problemático, as pessoas usam KDE, GNOME, Windows 10… do jeito errado por causa do Win95… triste isso

A metáfora é a mesma, não existem diferenças, eu acho que MacOS realmente não pegaria, mas imagine que ao invés de MacOS, a Apple renomeasse para AppleOS… eu acho que bateria assim, sem dúvidas, quem tomar conhecimento vai ao menos pedir pro “formateiro” instalar

Tem o fator preço, os Macs custam o valor de um carro popular…

O Deepin tá mais pra ChromeOS, os outros copiam o KDE… mas vc tirou fora o alien do grupo, o Debian, o Fedora e outros usam GNOME

A interface do Windows 95 nasceu de um grande esforço de pesquisa e desenvolvimento, que durou mais de 2 anos. O Windows 95 introduz no ambiente Microsoft algumas metáforas que já estavam sendo exploradas em outros ambientes, como o System do Macintosh e o Workplace Shell do OS/2 da IBM.

As versões anteriores do Windows (e do OS/2 também) tinham uma interface que estava mais associada com alguns players da indústria, principalmente players que apostavam no Unix (HP, IBM, Digital etc), assim, os widgets Motif (no X Window System), Windows (GDI) e OS/2 (Presentation Manager) eram cosmeticamente diferentes, mas funcionalmente e logicamente semelhantes.

O Windows 95 preserva muito do que preconizava o IBM Common User Access, mas é disruptivo na metáfora do ambiente de trabalho e dos controles e manipulação das janelas. A introdução de assistentes e outras inovações meio que já foram perdidas ou superadas. O Windows 95 surge quando o o conceito de plug and play ainda era uma novidade, instalações de softwares eram demoradas e o espaço em disco era exíguo.

Dito tudo isso, eu não acho que a maioria dos usuários se identificaria com o Windows 95, além disso, eu nem acho que a maioria dos usuários utiliza o computador adequadamente. Se assim fosse, o mercado de suporte técnico não existiria (ou mal existiria) e veríamos uma maior diversificação e fragmentação no mercado de sistemas operacionais, porque o público estaria mais disposto a isso.

Na minha visão, o fator determinante é o ambiente de trabalho ou de estudos. Pela minha experiência profissional, eu também considero que é absolutamente falsa a ideia de que o usuário sabe usar determinados programas, porque simplesmente deve possui-los no computador doméstico. Balela. Cansei de ensinar pessoas a quebrarem páginas no Word ou realizarem operações simples no Excel. Mesmo a ideia de um slide mestre para uniformizar apresentações parece ser simplesmente muito difícil para a maioria das pessoas.

Eu faço parte do time que aposta em Linux no ambiente de trabalho e de ensino e que não trata o usuário como conhecedor prévio. Também valorizo o ensino conceitual. Se eu contrato alguém para trabalhar com planilhas, quero alguém que entenda o que é uma planilha, uma célula, uma fórmula, uma transposição etc, não uma pessoa que supostamente tem noções de Excel.

Em muitos contextos, eu também desprezo completamente o que o usuário supostamente já sabe. É mais fácil, mais barato e mais seguro. Eu prefiro desenhar uma solução, treinar e ponto. A maioria de nós, ao precisar de atendimento para questões bancárias ou de cartões de crédito, tem as solicitações sendo realizadas em emuladores de terminais 3270. A interface é, no máximo, dos anos 1980. E ninguém cruza os braços. As pessoas são treinadas, rapidamente adoram a rapidez e a disponibilidade dos sistemas que rodam nos mainframes, e o trabalho simplesmente flui, como tem de ser. Já nos escritórios, com Office e afins, é sempre um pandemônio.

2 Curtidas

Faltou um gigante ai ein… :eyes:
Justamente aquele que se diferencia e leva pedrada por isso.

Verdade :grinning:… Eu quis dizer no sentido de barra inferior, menu iniciar e etc

Vixxi… qual foi ? Fique à vontade p/ complementar o comentário :grinning:
É que eu não quis estender muito a lista, além do Debian e Fedora que o Natanael.755 já citou

Concordo Plenamente !!

Em relação à experiência com MacOs… usei por cerca de 1 ano e pelo menos no meu uso, eu me sentia um peixe fora d’água… não trabalho com edição e nem nada do tipo, então no meu caso, usar um sistema p/ navegar na internet e outras banalidades, me fez acabar com o Hackintosh que tinha e instalado Linux no lugar… talvez p/ milhares de outros usuários atenda/atendesse

Posso até estar equivocado, mas acredito que um dos maiores erros de Steve Jobs foi de ter insistido em manter o sistema exclusivo a “computadores de grife”
Com a adoção da plataforma de processadores Intel pela Apple em 2006, poderia ter sido criado um Mac/Os nativo p/ Intel PC’s e assim expandindo a divulgação do software p/ todos… (tem gente que conheço que nunca nem chegou a ver um Mac/Os)

Mas… pelo visto isso nunca acontecerá visto que Apple futuramente será tudo ARM

Quando a Apple permitiu a fabricação de clones, a empresa quase foi à falência. Sobre ser um sistema “de grife”, na verdade, a arquitetura sofisticada era a do Lisa, que rapidamente foi abandonada em favor do Macintosh. Como a postura do Jobs era realmente de encarecer o produto ainda mais, ele acaba sendo chutado e funda a NeXT, que desenvolve uma série de workstations Unix cujo sistema operacional, ironicamente, acabou repaginado como Mac OS X depois, além de ter tido versões para Intel e outras arquiteturas antes da compra pela Apple.

1 Curtida

Achas a instalação complicadinha? Eu diria que é diferenciada em relação ao calamares ou os do Mint/Ubuntu based :sweat_smile:
Um fato é que a instalação do openSUSE é bem poderosa