Por que a interface MATE é tão pouco comentada?

Não diria defasado, Mate apenas está seguindo o conceito do Gnome 2, pode parecer que não mais Mate é bem mais utilizado do que se imagina ( não tenha como base somente no fórum), sem contar que todo ano é lançado uma nova versão e tem uma comunidade ativa. Não é atoa que as principais distros mantém o Mate como opção.

6 curtidas

E olha que antes muitos usavam, mas quando chegou o 3, foi a mesma coisa que rolou agora com o 40: Muitos não gostaram.

2 curtidas

Exato, veja a lista das distribuições que usam MATE:
MATE is available via the official repositories for the following Linux distributions:

Sem contar que ela também está disponível em algumas versões de SO’s baseadas em UNIX:

Isto é uma verdade, embora creia que o MATE poderia facilmente ser colocado como no grupo das “leves”, embora seja a menos de todas elas.

Certamente. Não digo que é o caso do Mac OS, que piorou, mas não vi nenhuma vantagem nas novas versões. Quem viveu o Linux na década de 2000 não imagina o tanto que Gnome 2 era absurdamente à frente de qualquer outra interface gráfica. A do Mac OS é que chegava perto, e isto graças a um recurso fabuloso de pesquisa e indexação que tinham na época.

Meus dois palitos
É morno. Talvez algum dia eu olhe para todas e pense: “devia ter usado mais tempo”. Mas ao mesmo tempo, PC tem uma lógica diferente de carro. Se a interface fosse um automóvel, MATE certamente seria a mais usada, porque tem aquilo do Onix e Corolla: não se sobressai em nada, mas é igualmente mediano em tudo.

5 curtidas

“Focar em oferecer apenas a mesma experiência saudosista do GNOME 2 não é algo ruim necessariamente. Mas creio que em 2021 exista cada vez menos público para isso.”

7 curtidas

Relembrar compiz fusion ativou minha sede por uma experiência saudosista.

4 curtidas

Acho que o Mate esta mais para um carro sovietico mas sendo fabricado nesse seculo :joy: :joy: :joy:

4 curtidas

A melhor implementação do Mate que vi foi o Debian, Mint, OpenSUSE, Fedora sempre senti o sistema meio arrastado com o Mate e Cinnamon.

1 curtida

O MATE altamente customizado do Linux Mint voa aqui, no meu humilde notebook com Celeron. Corre com a mesma fluidez do Mint XFCE, e o consumo de RAM está na mesma faixa. A diferença é que o visual fica mais parecido com o do Mint Cinnamon, e no lugar do Thunar eu tenho o Caja.

4 curtidas

Isso que eu gosto, em todas as interfaces do Mint a aparencia e a mesma (ou pelo menos parecida).

Eu gosto disso no Solus, com exceção do GNOME (também pudera), todas as outras variantes são similares.

1 curtida

Olhei aqui e as interfaces Budgie e Plasma são muito parecidas.

2 curtidas

Quando eu estava pesquisando qual distro colocar num note antiguinho que eu tinha vi umas pessoas comentarem que o ubuntu mate seria bom por ser leve, depois de um tempo eu testei a distro e tava achando bem legal, mas acabei usando outra depois, e realmente nunca mais vi comentarem sobre mate, alias já resolveram o bug dos ícones no idioma pt-br?

3 curtidas

Ubuntu MATE realmente é uma boa pedida, o que gosto mais nele é uma opção de mudar a interface pra ficar parecido com o Windows ou MacOS por exemplo. O único problema nele (pelo menos pra mim) é o tema, não curti muito aquele verde dele. :joy:

1 curtida

O verde é a “cor oficial” do MATE. Seria uma referência à erva mate, já que o nome do ambiente gráfico é por isso?

De todo modo, esse verde gritante no Ubuntu MATE nada tem a ver com o padrão visual do Ubuntu.

1 curtida

Uai, acabei de achar essa imagem na Internet, parece que tem como colocar outras cores:

2 curtidas

Também não gosto da cor padrão do Mate, é um tom de verde morto, no Mint pelo menos tem tons bem melhores e mais alegres.

2 curtidas

Os temas do Mint são incríveis, o único verde que eu gosto é o dele.

2 curtidas

Na minha opinião:

Vamos lá… acredito que a interface do MATE não seja tão chamativa quanto um KDE ou um GNOME modificado (Assim como o entregue pelo Ubuntu por exemplo). Vamos pensar em usuários que não possuem um nível tão técnico. Algumas pessoas vão dizer: “Com o Gnome antigo, eu tinha mais informações do meu sistema, tem uma produtividade alta, etc…”. Bom… vamos ser honestos. Vou usar como Exemplo a imagem que o @ruanelivelton18 colocou a pouco. Qual usuário a nível não tecnico vai querer saber as temperatuas da máquina, quantos Hz está rodando, processos do sistema ,etc…

Eu vejo que as interfaces que fazem mais “sucesso” digamos assim, são interfaces que são mais atrativas, e não apenas questão de leveza (consumo de recursos) e produtividade. Eu, por exemplo, apesar de entender um pouco a mais de computadores do que o usuário comum, ainda prefiro uma interface mais limpa e, apesar de talvez perder um pouco de produtividae, ainda gosto de ter meu sistema “legal” e visualmente agradável. No meu caso um Gnome ou até mesmo KDE são perfeitos. E não é questão apenas de interface limpa, mas também coesão no design da interface, como o tema GTK se comporta entre aplicações, cores, etc…

Novamente, acredito eu esse ser o motivo. Apenas minha opinião, porém sintam-se livres para discordar.

4 curtidas

Eu sou assim: gosto tanto de uma interface limpa quanto uma interface com o conky rodando, mas entre esses dois, acho que ter uma interface mais limpa é melhor (meu desktop nem tem o ícone da lixeira só pra tu ter uma idéia). O MATE é bom de se usar, só customizar e BOOM, você tem uma interface limpa.

2 curtidas

gosto muito do Mate sempre uso