O que é o openSUSE? Tudo o que você precisa saber

O que é o openSUSE? Tudo o que você precisa saber

Por David Delony
Publicado em 06 de Janeiro de 2022

O openSUSE é um tanto subestimado quando se trata das melhores distribuições Linux. Mas ele tem alguns pequenos recursos bacanas que irão fasciná-lo na hora.

O openSUSE pode ser esquecido em comparação com outras principais distribuições Linux, mas tem um conjunto exclusivo de recursos e uma base de código com um rico legado.

Então, o que torna esta distribuição Linux diferente das outras, e por que você deveria tentar? Vamos descobrir.

O que é o openSUSE?

openSUSE é um desdobramento da distribuição original do SUSE Linux. É uma distribuição baseada na comunidade, em contraste com o SUSE Linux Enterprise.

A empresa SUSE ainda é um grande patrocinador do openSUSE. O relacionamento é semelhante ao do CentOS ou Fedora com o Red Hat Enterprise Linux. O projeto ainda usa o Gecko (um lagarto/lagartixa) em seu logotipo, para mostrar a relação entre o openSUSE e o próprio SUSE.

O openSUSE está disponível em dois sabores, o estável Leap e o lançamento contínuo Tumbleweed. Este último é semelhante ao Arch Linux, pois é mais uma distribuição “inovadora” com software mais recente. Você pode instalar o openSUSE como um sistema Linux tradicional, mas também está disponível na Windows Store para uso com WSL.

Uma breve história do openSUSE

O SUSE foi fundado na Alemanha e originalmente se referia à empresa que o desenvolveu. O nome é um acrônimo alemão para “Software and Systems Development”. Eles estavam entre as primeiras empresas de software a ver o potencial do Linux na empresa no início dos anos 1990.

A empresa originalmente reformulou a distribuição Slackware e traduziu a documentação para o alemão, mas acabou criando sua própria distribuição. A Novell foi proprietária da empresa por um tempo antes de ela ser desmembrada após ser adquirida pela Micro Focus.

Com o SUSE novamente independente, a empresa agora continua a comercializar sua edição empresarial, além de contribuir significativamente para o projeto openSUSE.

openSUSE Leap vs. Tumbleweed

Se você está considerando o openSUSE, pode estar se perguntando se deve instalar a versão Leap ou Tumbleweed. A última é uma distribuição Rolling Release (lançamento contínuo), o que significa que as atualizações são lançadas para a distribuição assim que estiverem disponíveis, ao invés de versões específicas como Debian e Ubuntu fazem.

Isso significa que você terá um software mais recente do que uma distribuição padrão de “suporte de longo prazo”. Muitos desenvolvedores precisam de versões mais novas de drivers e bibliotecas, por isso gostam de distribuições de lançamento contínuo.

A maioria dos usuários comuns preferirá uma versão estável como o Leap, especialmente aqueles que desejam executar o openSUSE como um servidor.

Instalando o openSUSE

A instalação do openSUSE é semelhante à instalação de qualquer outra distribuição Linux: basta baixar a imagem de instalação, extraí-la para a mídia apropriada e reinicializar a máquina. Este artigo considerará a versão Leap para a instalação.

Download: openSUSE (Leap | Tumbleweed)

Você tem a opção de acessar repositórios online durante a instalação para instalar qualquer software que você queira que não caiba na mídia de instalação.

Você pode escolher o padrão KDE, GNOME, Xfce, um “desktop genérico” ou instalar o openSUSE sem uma área de trabalho, semelhante a como um servidor funciona. Você pode até instalar um “servidor de transação” mínimo com um sistema de arquivos raiz somente leitura.

Depois de escolher seu ambiente, você então é apresentado a uma partição de boot, a partição principal Btrfs e uma partição swap. Você pode aceitar esses padrões, usar o particionamento guiado, usar o particionamento manual para alterar a tabela de partição ou habilitar o LVM.

Após isto, você definirá seu fuso horário e configurará as contas de usuário. É tudo padrão para distribuições Linux modernas, mas o openSUSE oferece um ambiente gráfico atraente.

Depois de reiniciar o desktop, você encontrará muitas das ferramentas de que precisa pré-instaladas: um gerenciador de arquivos, LibreOffice, o navegador Firefox e até um jogo de paciência. Seria possível para alguém sem conhecimento de Linux sentar-se no openSUSE e ser produtivo imediatamente.

Configurando o openSUSE com o YaST

O openSUSE é único entre as distribuições Linux para a ferramenta de configuração baseada em menu do YaST. Ele usa um ambiente gráfico e também baseado em texto, dependendo se você o invoca da área de trabalho ou da linha de comando.

Você pode configurar tudo, desde o fuso horário até o carregador de inicialização a partir deste menu. Ele centraliza o gerenciamento de todo o sistema, enquanto outras distribuições deixam a configuração para o menu de configurações da área de trabalho individual ou para os arquivos de configuração baseados em texto. Isso significa que existe uma ferramenta de configuração consistente no openSUSE, independente de qual ambiente desktop você tenha escolhido usar.

Também é possível exportar configurações para outros sistemas, o que torna possível o gerenciamento de frotas inteiras de instalações. Isso não é surpreendente, já que sua empresa-mãe, SUSE, tem como alvo empresas corporativas. Este recurso é útil para instalar datacenters inteiros cheios de servidores openSUSE.

Gerenciando pacotes com Zypper

Assim como em outras distribuições Linux, é necessário instalar softwares que não acompanham a distribuição. Como muitas outras distribuições, o openSUSE tem seu próprio gerenciador de pacotes para fazer isso.

Você pode instalar pacotes com o YaST, mas também pode gerenciar pacotes na linha de comando com o Zypper. Ele funciona de forma semelhante ao APT ou DNF em sistemas baseados em Debian/Ubuntu ou Red Hat, respectivamente. O openSUSE até usa o formato RPM deste último.

Para atualizar seu sistema, use este comando:

sudo zypper update

Também é muito fácil instalar um pacote específico com o Zypper.

sudo zypper install nomedopacote

…onde nomedopacote é o nome do pacote que você deseja instalar.

Embora isso seja bastante normal para distribuições Linux modernas, o openSUSE é incomum na maneira como fornece pacotes para outras distribuições Linux. O openSUSE Open Build Service (OBS) permite que usuários de outras distribuições Linux, incluindo APT e distribuições baseadas em RPM, usem pacotes criados pelo openSUSE.

A ideia é que todas as principais distribuições tenham a mesma base padrão de pacotes, resolvendo incompatibilidades entre eles. Resta saber se essa ideia ganhará muita aceitação no mundo Linux, pois isso significaria um distribuidor efetivamente dominando os pacotes Linux.

O openSUSE é para você?

O openSUSE é um excelente desktop estável para uso doméstico, empresarial e servidor em sua versão Leap. Os desenvolvedores e usuários avançados podem querer dar uma olhada na versão Tumbleweed. A ferramenta YaST do openSUSE torna a configuração fácil, não importa em que ambiente você esteja. É uma versão muito inteligente do Linux para quem deseja um sistema apoiado por uma empresa que está no Linux desde o início.

openSUSE: uma distribuição Linux robusta com alguns recursos interessantes

O openSUSE ainda é uma das principais distribuições Linux porque já existe há muito tempo e é muito fácil de gerenciar com o YaST. É uma boa escolha como distribuição Linux confiável para desktop ou servidor e merece uma consideração séria se você deseja entrar no Linux ou mudar de distribuição por algum motivo.


Fonte Original e Referência: https://www.makeuseof.com/what-is-opensuse/

Uma matéria que recomendo fortemente a leitura, principalmente sobre a instalação de codecs de áudio e vídeo no openSUSE: https://plus.diolinux.com.br/t/novidades-e-pos-instalacao-do-opensuse-leap-15-3/

9 curtidas

Muito bom esse artigo Ewertonurias. Parabéns. Estou usando o Tumbleweed com Kde Plasma.

1 curtida

Vai doer em mim mas preciso falar: um dos pontos, ao mesmo tempo que fortes, é extremamente ridículo de chato no Leap e mais ainda no TW, são os patterns. Durante o processo de instalação podemos remover alguns pacotes, como o Discover, afinal, YaST is love, YaST is life, porém pode haver certos updates que o meninão volte, assim como outros pacotes talvez não desejados pelos usuários (ex: TigerVNC, sem vinculo com o Daigo btw). O que pode ser feito para contornar:

Outro ponto: eu amo a sintaxe usada pelo Zypper, mas algumas peculiaridades me irritam nele, como a velocidade de download (o DNF é mais rápido para baixar), porém para instalar o zypper põem o package manager do Fedora no bolso quando o assunto é instalação em disco das dependências e afins, voltado para a sintaxe: enquanto o Ubuntu* utiliza o sudo apt autoremove e o Arch* usa pacman -Qdtq | pacman -Rs -, o bendito é um processo mais manual:

  • 1: zypper rm -u (listar os pacotes não necessários);
  • 2: sudo zypper rm nomeDosPacotesUmAUm

Outro ponto: TW é uma distribuição “péssima” para quem tem dedo nervoso para atualizar (sudo zypper ref && sudo zypper dup), toda semana tem update massivo, culminando com a velocidade de download do package manager, dor de chifre mais de 8000.

Em fim, esse foi meu Rant a respeito da distro alemã. E só para ficar claro: não odeio o openSUSE, muito pelo contrário, mas são pontos a serem considerados antes de mergulhar de cabeça, assim como existem em qualquer outra distribuição; Fé :vulcan_salute:

5 curtidas

Isso no Leap*

No TW: sudo zypper dup

3 curtidas

Quem achar o OpenSUSE “sistema muito para pessoal de TI” pode recorrer ao Regata OS ou ao GeckoLinux, que são sistemas mais amigáveis e orientados a experiência de desktop tendo o OpenSUSE como base.

O GeckoLinux oferece versões baseadas no Tumbleweed, aliás. E suas edições podem ser em qualquer um dos ambientes gráficos mais conhecidos, inclusive Pantheon e Budgie.

O Regata OS é MUITO bem organizado e bonito, e é brasileiro, o que pode facilitar na busca de suporte. O site do Regata OS é cheio de informações claras sobre instalação, condiguração e uso do sistema.

3 curtidas