Linux não é para trabalho sério

Se eu me deparasse com uma situação dessas, o que eu faria: Talvez você tenha visto um vídeo onde o Dio modifica o Mint com a cara do Windows 10. Pois bem, eu faria tal ação, não comentaria com os participantes a cerca do treinamento e deixaria que se desenvolvessem. Os mais leigos possivelmente não iriam notar.

Ai você dissertaria sobre a zona de conforto tanto dos funcionários quanto dos T.I (que por sinal não deveriam ser assim).

Aí o problema não está no sistema e sim no usuário

1 Curtida

Eu já perdi às contas de quantas foi as vezes que o windows me deixou na mão.

1 Curtida

O FreeCAD não seria um opção viável?

E vai continuar perdendo kkkkk o sistema dificilmente fica estável na mão de usuário bagunceiro kkkkkkk

Isso é extremamente relativo e chamar Linux de sistema para entusiastas é um equívoco.
Eu conheço casos os quais Windows é muito menos apropriado para trabalho do que Linux, como os de trabalho gráfico. O Mac nasceu na área gráfica e por isso é melhor otimizado para isso. As pessoas podem dizer que fazem tudo o que precisam no Gimp ou no Krita sem usar o Photoshop ou Illustrator. Pois eu digo que não existe forma de fazer calibração de cor, trabalhar com Post Script da Adobe, fazer tratamento de imagem a nível profissional e essas coisas, em uma distro Linux com Gnome, por exemplo. Até hoje tem essa coisa toda de XOrg vs Wayland enquanto no Mac já foi resolvido e está pronto há anos. Dá para fazer algo no Windows com um setup específico e um monitor 100% Adobe RGB mas o Mac está lá já pronto e bem mais acessível (Falo dos Estados Unidos, não do Brasil) do que ter de procurar um monitor, um hardware pronto já otimizado para isso e essas coisas. Talvez as coisas mudem com o DaVinci Resolve agora oficialmente para CentOS, chamando outras empresas a investirem mas por enquanto, as distros Linux tem muito a amadurecer. Eu lembro de ter feito um post aqui no forum sobre Qual distro deveria "dominar o mundo em 2020", na sua opinião? De forma amigável, é claro, mas os pontos que eu esperava alguém ao menos mencionar, não teve uma só alma. Coisas como User eXperience, ferramentas para gerenciar o sistema de forma fácil, intuitiva e prática para todos os profissionais ou usuários casuais, compatibilidade com hardware, apresentabilidade, é algo que carece. Mencionaram Deepin, Mint, Manjaro, Fedora, Elementary, mas a eleita da Black Magic foi nenhuma delas, mas uma que só vi ser usada em servidores, chamada de CentOS, um spin do RHEL da comunidade. Então nessa parte, não dá para fazer trabalho gráfico profissional em uma distribuição Linux, apesar de eu querer muito usar o Gimp e Inkscape, não é possível. O Gimp ainda precisa caminhar muito para chegar ao nível do Photoshop em ferramentas e alguns trabalhos vetoriais no Illustrator são impossíveis de se fazer no Inkscape.

Agora sobre outras áreas, a situação muda completamente. Muitos músicos e produtores usam programas como Ardour, LMMS ou DefleMask para suas composições, e o LMMS tem até um bônus de como parece o FL Studio. Edição de vídeo agora pode ser feito profissionalmente graças a Black Magic e seu DaVinci Resolve e hardware para produção, edição e transmissão. Isso não é brincadeira, e quem dizer que Linux não pode ser usado profissionalmente para isso, está desatualizado.

Alguns softwares em específico não tem versões para Linux e simplesmente não funcionam atravéz do Wine, como foi mostrado no vídeo do Dio no qual algumas pessoas usam Linux por alguns dias. Mas trabalho básico como editar planílhas, processamento de texto ou criar apresentações de slides, pode ser tudo feito em distros Linux com opções de código aberto como o LibreOffice, ou proprietário com o Softmaker Office. E ainda há rumores que o Microsoft Office vem aí, com o Teams sendo premonição disso.

3 Curtidas

Infelizmente não… (20 caracteres)

“Não é pra trabalho sério…”

É porque eu fico rindo de alegria enquanto uso o Linux :rofl:

5 Curtidas

Na parte de imagem até concordo com vc que o GIMP não é a ferramenta mais “fácil”, muitas coisas simples que fazemos em 10 minutos com Photoshop pode se levar o dobro do tempo ou mais por não conter alguns plugins e facilidades que o photothsop oferece.
Em relação a calibração de cor, pelo menos no krita é perfeitamente possível assim como no Mac, se irá trabalhar profissionalmente é necessário cabibrar sim, principalmente se já utilizou o pro display XDR da apple. Já na parte de vídeo não tem nem o que discutir pois o Lightworks existe a bastante tempo sendo usado por profissionais inclusive em Hollywood não devendo nada ao Adobe Premiere que é um software bem produtivo mas falha constantemente dependendo do tamanho do arquivo que se manipula, o que não acontece com fequência com o Lightworks e Final Cut.

No caso do inkscape é um pouco diferente, pois já vi vários profissionais trabalharem com ambos os softwares, utilizando o que cada um possui de melhor, alguns me falaram que na parte de por os efeitos preferem o illustrator por ser rápido e simples a adição dos mesmos. A única vantagem que vejo que o illustrator possui sobre o inkscape é o suporte para quase todos os tipos de aqruivos o resto os dois conseguem entregar o mesmo trabalho.

1 Curtida

Quando estudei illustrator, aprendi a fazer algumas formas tridimensionais básicas e aplicar texturas, padrões e fotos, o que não chegam a ser bem modelagem 3D. Ainda não consegui fazer o mesmo no inkscape.

1 Curtida

E questão de tempo até vc se acostumar com outro software, no começo é “chato” mas depois de algum tempo de prática pega o jeito. No youtube vc encontra como aplicar as texturas etc.

How to put texture inside an object using Inkscape [YouTube]
Inkscape Tutorial: Create Vector Textures [YouTube]

Não é questão de se acostumar. Enquanto eu tinha aulas no SENAI sobre Illustrator, eu procurava as ferramentas no Inkscape em casa. Essa é uma das poucas que não encontrei. Essa e várias outras do Photoshop que não existem no Gimp ou Krita. Não lembro o nome agora mas é uma que foi integrada no Photoshop de outro tratador de imagem. É um que usam para emagrecer pessoas e tals

Eu trabalho com produção musical há aproximadamente 15 anos, passei 5 anos de raiva no Windows, tendo vários problemas de compatibilidade e bugs aleatórios, há 10 anos trabalho com Linux, pago minhas contas com isso e vivo muito bem com ele.

1 Curtida

Pode entrar em detalhes sobre isso? Eu gostaria de saber mais sobre essa parte de produção musical no Linux em comparação a Windows. Tipo, eu já vi alguns vídeos e setups de músicos que geralmente usam Mac com Logic Pro X ou algum outro software. Em Linux só conheço o Ardour, LMMS e DefleMask

1 Curtida

Eu faço parte do trabalho no Linux, se eu tivesse que faze 1/4 só dele até seria completamente mas as vezes preciso recorrer ao Windows e já que tenho que faze isso eu mantenho no Windows mesmo que não vou ter dor de cabeça. Se for vê eu sou mais como esse cara falo mesmo eu só uso Linux pra brinca mas pra trabalho é Windows mesmo.

Eu trabalho com REAPER, plugins VST diversos, FL Studio(só uso o NewTone pra afinar vozes), entre outras ferramentas.

Ardour, LMMS e DefleMask são programas pra entusiastas, pra fazer um trabalho decente nesse tipo de programa é muito trabalhoso e contraproducente.

Se tiver mais dúvidas, mandaê que a gente ajuda no que puder.

1 Curtida

Estou interessado no LMMS e no DefleMask. Me falaram que o LMMS é idêntico ao FL Studio mas eu não sei usar nenhum dos dois. Já o DefleMask foca em composição para chips sonoros de consoles de 8 e 16 bits. O Savaged Regime usa o DefleMask para os covers no chip YM2612 do Mega Drive. Fica sensacional. Mostra o tanto que um chip sonoro desses faz música de qualidade sem precisar depender de Samples PCM como o do Super Nintendo. O cover que o cara fez de Volt Catfish ficou melhor que o original (na minha opinião).

Cara, desencana desses programas, vai perder horas pra fazer coisas que você faz em segundos em outros programas, como REAPER e FL Studio.

O LMMS lembra o FL Studio bem de longe, na chuva, sem guarda-chuva e com o nariz escorrendo…hehe

1 Curtida

Entendi. Era só isso mesmo, na verdade.

1 Curtida

Cara, para mim é exatamente o contrário. Só recorro ao Windows quando não tenho algo para fazer (trabalho ou projeto) kkkkk.
Me sinto muito mais produtivo (e até menos distraído) quando estou no Linux, pois me passa uma sensação de alta produtividade e de ambiente de trabalho por assim dizer. Quando estou no linux não consigo me concentrar nem tão pouco focar em trabalhos da faculdade (faço computação) e nem no projeto que faço parte no campi.
Enfim, isso é uma grande falácia de alguém que provavelmente não sabe do que tá falando!
Abraços