Fedora 33 Beta é lançado com BTRFS por padrão, Kernel 5.8 e GNOME 3.38

O Projeto Fedora anunciou nesta terça-feira (29), a Beta do Fedora 33 e que conta com algumas novidades, que mencionamos neste post de julho deste ano (2020).

Em um postagem no FedoraMaganize, feita pelo Leader Matthew Miller, ele comenta que essa versão Beta é mais um passo para o lançamento marcado para o final de outubro de 2020.

Sobre a maior mudança, que é do EXT4 para o BTRFS, Miller faz o seguinte comentário:

“O BTRFS oferece alguns recursos realmente atraentes para os usuários, incluindo uma compactação “transparente” e cópia na escrita. Para o Fedora 33, estamos padronizando apenas os recursos básicos do BTRFS, mas construiremos o conjunto de recursos padrão para incluir mais novidades em versões futuras.”

Além do BTRF, o Fedora virá com o GNOME 3.38 e o Kernel na versão 5.8, e também virá com um melhor gerenciamento térmico e de desempenho máximo em CPUs Intel, incluindo o thermald na instalação padrão.

Essas novidades estarão presentes em todas as spins oficias, incluindo Fedora Workstation (GNOME), Fedora KDE, Fedora Xfce, Fedora LXQt, Fedora MATE-Compiz, Fedora Cinnamon, Fedora LXDE e Fedora SoaS (Sugar on a Stick).

Outra novidade, é que agora o Fedora IoT é uma edição oficial do projeto, versão essa voltada para “edge devices” e é baseado na tecnologia ostree.

Para conferir o anuncio completo, basta acessá-lo aqui. O download da versão Workstation (GNOME) é através deste link e das Spins através deste outro link.

Nos vemos no próximo post, forte abraço! E confira nosso Feed RSS

7 Curtidas

Devo baixar esse beta para fazer um teste, mas me parece bem ousado por parte do time do Fedora colocar BRTFS como escolha padrão. Apesar das vantagens, estou curioso para vor como o usuário médio vai lidar com as peculiaridades desse sistema de arquivos.

:vulcan_salute:

2 Curtidas

Estou tentado abaixar a ISO desse beta par testar em VM, a muito tempo só acompanho as noticias mais não experimento Fedora.

Gostaria de saber se eles vão possuir uma ferramenta para gerenciar os “pontos de restauração” do btrfs igual existe no OpenSUSE.