Destino do openSuse

Boa tarde.

Mais para o fim da página do opensuse acessei cada item de notícias do slide e ao ler algumas coisas sobre o ALP fiquei me perguntando: Será o Suse ALP uma outra versão de tumbleweed? Uma Segunda versão teste? Significa que não teremos mais uma versão para usuário final?

Vi aqui: opensuse.org

Pelo que eu andei lendo, parece que OpenSuse Leap vai desaparecer e dar espaço para algo como OpenSuse ALP, parece ser um movimento em direção a uma melhor integração com a indústria de contêineres e lifecycles de desenvolvimento mais frenético.

Estamos ficando cada vez mais sem opções de distros que nos ofereça sossego, voltadas ao usuário comum. Se todas começar a seguir por essa linha voltada a testes, parecerá uma péssima ideia largar o windows. Ainda que seja pirata.

Pelo teor da sua resposta, não leu a reportagem, se quer foi buscar por fontes extras, e ainda defenendo o uso de software pirateado… Vergonhoso

Pelo teor de sua resposta devo interpretar que todas as fontes que vi querem dizer outra coisa e que posso mergulhar fundo no opensuse que ele vai continuar sendo uma versão estável não-teste voltado para o usuário comum, independentemente de qual versão futura venha. Certo?
Quanto a defender a pirataria vc interpretou mal, isso foi só uma hipérbole.

No item " Conteinerize. Hackeie. Implante." do link a baixo, mostra que o fedora já está nesse segmento há algum tempo.

A grande questão é se mesmo com essas mudanças o sistema continuará estável para o usuário final, ou se ele (interprete eu) deve buscar outra distro.

Há que se definir melhor o que é esse “usuário final”. Se é o usuário “comum”, que usa o PC pra navegar, consultar emails, ver filmes em MP4 ou streaming, jogar, distros como OpenSUSE e Fedora não são pra essa pessoa. Na minha singela opinião, distros como essa estão mais voltadas a quem conhece um tanto de como um sistema operacional funciona e precisa/quer arrancar o melhor dele; distros mais voltadas a usuários “comuns” estão na base *buntu (Ubuntu e sabores, Zorin, Mint, Feren, Pop, TigerOS), o Manjaro e, curiosamente, o Regata OS.

Quanto a este último, há preocupações sérias com o fim do conceito atual do Leap. O que seria melhor, adaptar o novo conceito do ALP (que, pelo que li, seria algo semelhante ao Silverblue e ao Endless) ou migrar pro Tumbleweed? Se for a última escolha, pensar em algo como o Manjaro e ir represando as atualizações, dividindo-as em ramos de teste?

2 curtidas

Voce interpretou certo, é o “usuário comum” que eu quis dizer. Acabei de ver um vídeo do Diolinux falando sobre o fedora 36, mas infelizmente pra mim nesse vídeo ele apenas aborda a questão do desempenho e não fala sobre ao qual tipo de usuário ele é mais adequado. Nem sei se ele tem alguma opinião em relação a isso.
É tão difícil assim não mexer no time que está ganhando?
É um comichão que esses desenvolvedores de sistema tem que não deixam o usuário usufruir da obra. Todo sistema precisa evoluir mas não precisam fazer ele mutar.

1 curtida

Alguém sabe me dizer quem são os mantenedores / criadores do Arch, manjaro, Mint e se tem versões estable?

Bom tem distros que não tem esse proposito, o fedora e uma delas, nas docs deixa bem claro que o fedora e um beta do RHEL mas o pessoal entende errado muitas vezes, porque a distro funciona sem dar problemas mas na pratica e instavel.(muitos interpretam como dar problema)

2 curtidas

O Mint e baseado no Ubuntu LTS e é considerado “estavel”
Recomendo a leitura pra entender o porque desse tipo de mudança no OpenSUSE ou os RHEL-based e as distros Rolling O que é uma distro "estável"

2 curtidas

Sim, o fedora é uma versão teste. Mas surpreendentemente estável ainda que não 100%.

1 curtida

Arch é comunitária, o Manjaro tem uma empresa por detrás, assim como o Mint. Mas o Arch, suas derivadas e assemelhadas (como o Manjaro) são rolling release. O Mint, como outras derivadas do Ubuntu, é LTS. Ver o link acima pra saber as diferenças

2 curtidas

Sou administrador de redes windows e linux, mas só uso profissionalmente. Usei por muito tempo como desktop até meados de 2012, agora quero voltar mas não tenho noção de como está o universo do ambiente gráfico e estabilidade das distros para usuários comuns. Queria saber da experiência de todos.

1 curtida

Tipo, eu sei o que é uma distro estável, só não sei quais hoje estão no topo.

Hj vc não precisa se preocupar, hj o que manda e o funcionamento desses softwares
Claro que ficar em algo que da conforto sem estragar a experiencia e otimo, Mas essas mudanças no Suse não vão ser criticas o suficiente pra atrapalhar o uso
Mas não tiro a razão da preocupação pois a RHEL com as mudanças no Fedora criou um gatilho para outros devs simplesmente tacarem o “fod*-se” pro usuario final

Pelo visto o mundo dos desenvolvedores linux está numa campanha quase militar para tornar as distros o que eram antes de 2000, um ambiente gráfico auxiliar para o administrador e desenvolvedor, contraindicado para o usuário comum. Estão conseguindo.
E é aí que recai naquela força de expressão que usei da pirataria mais acima, pois no mundo real do Brasil dificilmente alguém compra uma licença M$.
Afinal como diz o ditado: “Toda brincadeira tem um fundo de verdade.”

Fonte: Vozes da minha cabeça!

Se você quer viver sem mudanças recomendo o Debian Stable.

Honestamente isso é tendência desde os anos 90 e não vai mudar. O melhor a fazer para quem quer ter pelo menos certeza que as coisas vão ficar como estão por uns ~6 anos, é ir para RHEL, SUSE enterprise, Debian, etc…

Apesar de serem distros mais orientadas para servidores, elas conseguem atender perfeitamente powerusers e são ótimas para por na workstation de quem simplesmente quer trabalhar.

1 curtida