Ardour 6.3 lançado, confira as novidades!

Se você trabalha com edição de áudio para podcasts ou até mesmo produção musical a nível profissional, deve conhecer uma “Digital Audio Workstation” (DAW para os mais íntimos).

As mais conhecidas no mercado são o Adobe Audition, FL Studio e Reaper, mas você sabia que existe uma alternativa open-source poderosa para edição profissional de áudio? Hoje vamos conhecer o Ardour, uma DAW open-source!

O que é uma DAW?

Uma “Digital Audio Workstation” ou DAW como é comumente chamada, é um sequenciador que pode gravar, editar e mixar as faixas. Geralmente elas também possuem a funcionalidade de MIDI para utilização de sintetizadores, além de plugins, que fazem seu projeto ganhar várias melhorias.

As DAWs são bastante parecidas com editores de vídeo, só que não editam vídeos. Temos no youtube uma entrevista com o Marcos do canal Vartroy falando sobre produção musical no Linux. Além de um Diocast com a equipe do Castálio Podcast ensinando a criar um podcast com software livre.

Conhecendo o Ardour

O Ardour é uma DAW desenvolvida sobre a licença GNU GPL que está disponível para todas as plataformas conhecidas. Seu primeiro autor foi Paul Davis, que também foi responsável pelo JACK.

Ele oferece integração com JACK e suporte a vários tipos de plugins como LADSPA, Steinberg VST e até mesmo reconhece plugins feitos para Windows a partir do Wine, tentando sempre aderir as empresas padrão para maximizar sua funcionalidade.

Novidades do Ardour 6.3

Uma das principais mudanças na nova versão do Ardour, é a adição do recurso “Loudness Analyzer & Normalizer”, projetado para normalizar o loudness de uma seção ou seleção de intervalo, adicionando um estágio de ganho a partir do “master-bus”.

Essa versão também inclui uma “verificação de conformidade” para vários meios de distribuição comuns como CD, spotify, Youtube e outros serviços. Foi adicionado também o suporte a SoundTouch, para alongamento de tempo de vocal, novos mapas de vinculação MIDI e um novo tema escuro chamado Recbox.

Para os usuários Linux, o Ardour apresenta um código de medição otimizado para AVX, enquanto plataformas ARM possuem esse código otimizado para Neon. Agora ele permite aos usuários expandir e contrair a altura da trilha ao clicar duas vezes no cabeçalho da trilha.

O controlador deslizante foi atualizado para aceitar dB ao controlar o ganho, os parâmetros VST não automatizáveis não estão mais incluídos na lista de parâmetros automatizáveis e os arquivos MIDI carregam mais rápido.

Embora o Ardour 6.3 seja uma atualização de manutenção, ele trouxe bastante melhorias para os usuários. Você pode conferir todas as mudanças a partir das notas do projeto e realizar o download a partir do site oficial.

A versão em Flatpak do ardour já está atualizada, e não deve demorar muito para que ele chegue aos repositórios oficiais.

Você já conhecia o Ardour? O que acha dele? Deixe pra gente nos comentários, confira nosso Feed RSS e até a próxima notícia, dica ou tutorial!

1 Curtida

Queria usar, mas nunca consegui fazer funcionar com o JACK e a minha Behringer UCG102… Sempre que crio uma sessão recebo a mensagem “Não pode criar uma sessão em (local)”. Acho o Reaper mais funcional. E já tem versão para Linux, mas é paga…

2 Curtidas

quando eu usava criava sessçoes usando o alsa mesmo, sempre tive dificuldades com jack…

Ah, mas eu quero gravar minha guitarra e tal. Mudei para o Fedora, vamos ver se ajuda. Vou tentar configurar e volto aqui com as impressões. :grinning:

1 Curtida

Só voltando para dizer que NÃO consegui de jeito nenhum, hehehe.

1 Curtida

VOLTANDO PARA DIZER QUE CONSEGUI!!!111111

Só desativei aquele “Tempo real” no JACK. Foi. Agora só tô me matando para tirar o sinal limpo da guitarra. Lembro que no ASIO4ALL era a mema pourra, e continuo apanhando.

Fiz o rolê do Kernel que tá neste link, e foi. Agora só quero descolar como tiro o sinal limpo da interface, do pré-amp.

2 Curtidas

Saudações, se você não fizer questão de usar o Qjackctl (ou somente jack) você não precisa mais dele para usar a versão 6.3 principalmente se você usar sua placa onboard/bultin. Você só precisa assinar a interface no incio da criação do projeto, escolher a sample rate e o buffer size (caso você queira gravar com baixa latência)
Se você tem uma interface USB que é compativel com ALSA 100% como Behringer UMC 404 é só escolher ela no inicio (mas a interface tem que estar conectada antes de você ligar o programa) e pronto!
Agora se você tiver interfaces FireWire ai complica mais. Algumas interfaces contém chipsets que não conversam bem com o ALSA e que necessitará você usar FFADO drivers e BlackList ele como é o caso das interfaces que fazem uso do chipset “sndice” FocusritePRO,. Maudio 2626 contém esses chipsets.
Recomendo fortememente que você tenha o seu sistema otimizado para audio profissional (low latency e RT kernel), entre outras melhorias para que você tenha mais controle sobre seu processador.
Bem espero que ajude a todos
Abraço

1 Curtida

Adoro o Ardour. Ótimo DAW uso a muito tempo. Infelizmente, a versão do FlatHub não funciona com o Jack que eu uso muito para demonstrar o que faço entre colegas e trocar ideias enquanto mixo trabalhos com amigos e colegas.
Outro DAW que é montada sobre o Ardour é o Harrisson MixBus. É pago mas a quantidade de efeitos nativos por canal além dos buses com saturação de tape e VUs já de default é lindo.

2 Curtidas

Vou tentar e volto aqui para contar a história. :smiley: