Xfce 4.16 tem data do primeiro pre release

Uma das interfaces gráficas que mais tem carinha pela comunidade Linux, o Xfce tem o seu primeiro pré release da versão 4.16, e vai contar com várias novidades e melhorias que virão nesta nova versão da DE.

Conforme em anúncio feito no blog do projeto, o lançamento do Xfce 4.16pre1 será no dia 27 de agosto de 2020, e algumas novidades que estarão por vir são:

  • Códigos antigos foram retirados do projeto, principalmente aqueles baseados no Gtk2;
  • Novos ícones foram adicionados para dar uma nova identidade visual ao Xfce;

  • A caixa de diálogo “Sobre o Xfce” ganhou uma repaginada, agora mostrando também detalhes gerais do sistema;

  • Houve a mesclagem entre o “Configurações Mime” e “Aplicativos preferidos”, assim resultando na caixa de diálogo “Aplicativos Padrões” (Default Applications);

pasted image 0 (2)

  • Suporte adicionado ao dimensionamento fracionário (no XRandR), dando assim a possibilidade de uma configuração melhor no monitor;

  • O novo plugin será a fusão entre a systray e o statusnotifier, que será chamado de Status Tray, assim facilitando a vida do usuário, tornando ela menos confusa. Também terá suporte para configuração do “tamanho do ícone” no painel;

pasted image 0 (4)

  • Quando o painel estiver com a opção de “ocultar automaticamente”, terá uma animação mostrando “para onde foi parar o seu painel”;

  • No Thunar agora, vai ser possível pausar as ações de copiar e mover.

pasted image 0 (5)

O próximo Xfce 4.16pre2 está previsto para o final do mês de setembro e o Xfce 4.16pre3 está previsto para ser lançado em outubro de 2020. Segundo os devs, se tudo der certo o Xfce 4.16 deve ser lançado em novembro de 2020.

Para conferir a nota de lançamento e com mais detalhes, você pode conferi-la aqui.

Nos vemos no próximo post, forte abraço! E confira nosso Feed RSS

2 Curtidas

Haverá suporte para as distros 32 bits? Tomara que sim!

Geralmente, basta compilar

1 Curtida

Ih, falou difícil - queremos pelo Gerenciador de Atualizações!! heheheheh
(ou, ao menos, pelo sudo apt update && sudo apt dist-upgrade -y)

Acho muito difícil e pra quem tem algum componente q ainda precise dos 32 bits é melhor começar a dar adeus para eles, praticamente todas as distros estão dropando o suporte para hardwares assim, acho q somente alguns pacotes importantes vão ser mantidos, principalmente para jogos e afins.

Desculpe, me expressei mal, a distro que suporta 32 bits, geralmente só precisa compilar, ou seja, em algum momento vai chegar

1 Curtida

Seria triste, pq há muitos equipamentos bem funcionais ainda em 32 bits. Sem falar que é a DE e não o que está “sob o capô”. Isso vai contra a boa fama de “sistema bom pra máquinas antigas e fracas”

Ah, saquei… espero então que venha… o XFCE, mesmo sendo feinho de fábrica, é leve e bem customizável. Melhoras são sempre bem-vindas

Isso é outro mito pra falar a verdade, pois 64 bits já roda bem em equipamentos a partir de 2007, então ter pacotes obsoletos só por causa de uma porcentagem pequena (q pode ter o efeito placebo de serem muitas) é um tiro no pé. Muitas das vulnerabilidades de segurança acontece na parte de 32 bits.

Então é melhor migrar pro MATE ou LXQT e mesmo assim essas vão dropar pacotes de 32 bits inuteis.

A galera precisa uma desapegar dos “equipamentos bem funcionais”, mas q pros disas atuais são só pesos mortos kkkkk.

No meu caso, não é mito. Eu tentei instalar 64 bits, mas a arquitetura do processador é 32, não adiantou. É um netbook Asus Eee, lindinho, de 2010 mas com a bateria em perfeito estado, e que comprei por adoráveis 150 contos.
Desculpe discordar, mas essa lógica de desapego é errada tanto em termos do uso dos equipamentos (com a produção desnecessária de lixo tecnológico) quanto ao fato do Brasil ser um país pobre, e equipamentos antigos em bom estado serem a principal forma de acesso à tecnologia de uma parte significativa da população. É preciso superar a obsolescência programada, e o GNU/Linux é uma ferramenta importante nisso.

O problema é que tem mais de 13 anos que não se fabrica um chip ou componentes compatíveis com x86 (32 bits), o Linux mantém uma boa compatibilidade com máquinas de 2007 pra cá, a questão é que os padrões estão mudando, nessa época vigorava o OpenGL 1.4 agora estamos no 4.5 e placa nenhuma da época suporta

2 Curtidas

E eu vou discordar desse apego ilógico. Se não fosse a carga tributaria tão pesada, não precisaríamos ficar “”“contentes”" com lixos tecnológicos. Esse apego só traz frustrações, pois não vão ficar toda hora se pretendendo por cause de hardwares já obsoletos.

1 Curtida

Cara, concordo com isso


Mas a questão do 32 bits é mais pro lado técnico, eles vão literalmente parar de suportar o calendário em 2038


Você tem certeza que é de 2010? eu achei um modelo desse ano e de fato, é bem fraco, mas o processador segundo a intel é 64 bits

2010 ou 2009. Mas sim, eu consultei os sites da Asus e da Intel, é um Atom de 32 bits. Com Mint XFCE roda bem, atura reuniões do Google Meet, toca Netflix e YouTube com poucos engasgos.
Quanto a parar de funcionar em 2038, aí sim é provável que os i686 estejam mortos. Mas acho que até os X86_64 estarão. Boa parte de nós estará. E muitos lamentarão por isso

Assim, pensa naquele professor de informática de um laboratório de inclusão digital na Cidade de Deus, em Paraisópolis ou na Restinga, aqui em Porto Alegre. Pra ele, a carga tributária pode ser negativa (ou seja, rolar subsídios) que ainda assim ele continuará sem acesso à tecnologia de ponta. Não tem grana pra ele, e não terá pq a política de inclusão digital NÃO EXISTE - o que existe é inclusão empresarial: ou seja, governos favorecendo a grande indústria pra ganhar dinheiro. Basta ver o caso do Auxílio Emergencial; instalar um app num celular android parece fácil, mas e o morador de rua? Mais da metade da população é analfabeta funcional! As agências da Caixa vivem lotadas porque as pessoas precisam de ajuda simples de como operar o Caixa Tem.
Pra esse professor, se ele ganha um note de 32 bits, coloca um Xubuntu, um Mint 32 ou mesmo um OpenSUSE I686 e o bichinho funciona, ele fica feliz, a molecada fica feliz. E esse professor lê este post aqui, sobre atualização do XFCE, que vai deixar o OS das máquinas fraquinhas dele melhor, e lê que os devs não vão dar bola pras máquinas dele porque são “lixo tecnológico”… na boa, eu ficaria indignado com essa lógica! Uma das graças do GNU, do Free Software, das licenças GPL, do kernel Linux, é exatamente subverter a ideia da obsolescência programada, de equipamentos que deveriam durar 20 anos e mal duram 5. É só ver o Windows 10, que se não rodar em SSD’s torna-se um lindo “elefante branco” (o famoso erro HD100%).
Pra comunidade refletir: queremos tecnologia pra molecada das quebradas ou pra galera que faz fila pelo novo IPhone?

2 Curtidas

Cara, como eu falei, se não tivéssemos uma carga tributaria tão grande sobre as peças de informatica, não precisaríamos ficar preso em tecnologias de 10 anos ou mais defasadas. E me desculpe, mas o mundo não vai ficar esperando o Brasil se ajustar ou ter “dó” de quem não tem como comprar algo novo ou semi-novo, acreditar nisso é ficar preso numa bolha utopia, simples assim. Se queremos que esse professor que vc deu como exemplo faça o trampo dele direito, que lutemos pra termos acesso a coisas de qualidade e não refugo ou algo do tipo.

Isso não faz o menor sentido logico.

Isso foge do debate e cai no debate sócio-politico, e não to nem um pouco a fim de trazer isso para um fórum de tecnologia, pois aqui não é o lugar.

E tbm é a graça do Linux e afins, vc ficar indignado com a situação e ir la, pegar os pacotes e fazer o seu sistema. Se vc acha errado essa logica e que um sistema deve ter suporte 1 bilhão de anos, show de bola, sem erro. Vai la e faça VOCÊ, mas não OBRIGUE ninguém ou empresa a fazerem isso, só pq X, Y ou Z não vai poder ou pq A, B ou C acha certo.

Pode parecer palavras duras mas é a pura realidade cara.

2 Curtidas

Cara, manter o suporte a uma arquitetura custa tão caro quanto obter um hardware de 2009

1 Curtida

Pouco provável

A questão é que dificilmente funciona, não é só os sistemas operacionais, se um computador desses der problema (e dada a idade vai dar problema) não vai ter por exemplo, peças pra arrumar

Não é bem o caso, manter compilações 32 bits custa caro, e não tem como garantir que apps funcionem

Tem anos que eu venho falando, enquanto não focarem em incluir pessoas com TEA/TDA no quesito UX, nunca existirá inclusão digital, mas isso também tem a questão da falta de interesse em aprender, a maioria das pessoas está mais interessada em assistir Felipe Neto que Pedro Loos por exemplo

Minha resposta pessoal: Pra nenhum dos dois, baratear hardware ou suportar hardwares de linhas que morreram a 10 anos é querer matar uma arvore de 40 metros de altura com milhares de folhas, arrancando duas folhas… simplesmente não resolve… GNOME Shell, KDE Plasma, XFCE, o Desktop do Windows 10… são interfaces feitas pra seres que não são humanos… incluir essas pessoas no mundo digital com essas interfaces levará ao mesmo problema que o app do Caixa Tem

2 Curtidas