Terei o mesmo desempenho e bateria do que no W11 com um notebook AMD/Nvidia?

Tl;Dr: Estou na dúvida se vai ser necessário ter um dual boot com w11, somente para jogar, num notebook com gráficos híbridos já não tenho experiência sobre linux com nvidia e, até pouco tempo, em notebooks, e achei diversas respostas diferentes na minha pesquisa.

Estou para adquirir um Dell G15 com Ryzen 7 5800H e RTX 3050 para faculdade, e andei pesquisando mais sobre como funcionam os gráficos híbridos, estado dos drivers em x11 e wayland e autonomia da bateria. Tive diversas respostas e opiniões conflitantes.

Parece que os drivers em wayland e soluções para gerenciamento de gpu funcionam mas não para todos, e sobre a autonomia de bateria tenho a seguinte dúvida: aparentemente uma das opções seria ter as duas GPUs ativas ao iniciar o sistema e você especifica qual programa usa a GPU dedicada, mas na teoria a RTX estaria ligada o tempo todo mesmo que em idle. Isso faz com que a autonomia da bateria seja menor do que windows ou nele também acontece a mesma situação?

Estou com um notebook emprestado com I5 1135G7 à uma semana e já usei PopOS, Fedora 39 Gnome e OpenSuse KDE, e uma coisa que notei é que no w11 a performance “magicamente” aumentava ao conectar o carregador, mas o mesmo não aconteceu no linux, a performance ficou menor do que no w11 com o carregador, mas melhor do que sem. Esta performance menor é o normal esperado ou realmente é um problema no gerenciamento de energia?

Não é minha primeira vez utilizando linux, porém nunca usei com Nvidia e, até essa semana, em notebooks. Estou considerando se vale a pena ter um dual boot com w11 somente para jogar e evitar dor de cabeça ou se os problemas são menores do que parecem

Bom, primeiro, respondendo à sua dúvida sobre a autonomia relacionada à RTX: temos uma situação complicada. No Windows, temos drivers melhores quando falamos da NVIDIA, e também temos implementações como o NVIDIA Optimus, que permite uma alternância dinâmica entre a GPU integrada e a GPU dedicada com base na carga de trabalho. No entanto, no Linux, não temos drivers tão bons, e o wayland também não ajuda. Portanto, dependendo do caso e do hardware, pode ser que a GPU dedicada fique ativa o tempo todo, mesmo quando não está em uso, o que resultará em uma bateria com menor autonomia.

Mas é importante lembrar que optar por distribuições de lançamento contínuo, como o Arch Linux e suas variantes, como o Manjaro e o EndeavourOS, pode ser uma escolha acertada. Especialmente distribuições como o Pop!_OS, que oferecem uma imagem ISO já configurada com drivers da NVIDIA atualizados. Ao contrário de outras distribuições baseadas em Ubuntu/Debian, sugiro considerar distribuições mais robustas. O Ubuntu, em suas versões mais recentes, pode ser uma opção viável. Recomendo evitar as versões LTS e buscar as versões mais recentes, que tendem a incluir drivers mais atualizados e possíveis otimizações para sua placa de vídeo.

Agora, em relação a esse comportamento estranho onde a performance muda magicamente no Windows, mas no Linux fica pior, a explicação para isso pode ser o pacote Power Profiles que ambientes gráficos como KDE e GNOME usam para gerir a energia dos dispositivos. Em seus ambientes respectivos, eles têm três opções de modo de economia: modo balanceado, modo performance e modo de economia. Geralmente, o comportamento padrão nesses ambientes gráficos, com ou sem carregador, é manter-se no modo balanceado.

Considerando que o seu processador é o mesmo do meu notebook, nesse caso, o modo balanceado deixa o governor do processador no powersave com o Intel P-State no balanceado-performance. Quando você coloca no modo desempenho, tudo vai para o máximo, tanto o governor quanto o Intel P-State.

A explicação para esse comportamento estranho é que, como eu disse, os ambientes gráficos, juntamente com esse pacote, mantêm o padrão de perfil de energia no balanceado, independentemente de o carregador estar conectado ou não. Por isso, você não notou uma diferença no desempenho quando colocou o carregador, mas viu que sem o carregador ele fica melhor que o Windows.

Acontece que o Windows automaticamente dedica todo o seu potencial quando o carregador está conectado. Já no Linux, com o pacote Power Profiles, juntamente com os ambientes mais populares, sempre se manterá um padrão. A menos que você use o TLP e configure os comportamentos desejados para quando você coloca o carregador e para quando está na bateria. Caso queira o máximo de desempenho quando está no carregador e o mínimo de desempenho quando está fora do carregador, eu aconselho usar o TLP e configurar o seu modo. Lembrando que, para usar o TLP, você tem que remover o pacote Power Profiles.

Em resumo, no Linux a autonomia da bateria em laptops com duas GPUs pode ser menor devido ao suporte limitado para alternância entre as GPUs. Recomendo usar distribuições de lançamento contínuo como Arch Linux, Manjaro, EndeavourOS, ou Pop!_OS, que oferece drivers NVIDIA atualizados. No Windows, a comutação entre GPUs é mais eficiente. Ambientes gráficos como KDE e GNOME mantêm o modo balanceado como padrão, enquanto o Windows maximiza o desempenho automaticamente com o carregador conectado. O TLP no Linux pode ser usado para configurar o comportamento desejado com base na presença do carregador.

Desculpe a resposta enorme, espero ajudar na sua escolha do dual boot :slight_smile:

1 curtida

Eu uso um Notebook Ryzen 5 e um Desktop Ryzen 7, eu tentei usar Manjaro /Fedora / Suse TW e nenhuma distro dessas funciona legal no Ryzen, depois de muito penar e estudar em varios foruns! um Dev do Manjaro (team Manjaro) respondeu que era para eu não usar distro que tinha retirado os codecs, aceleradores etc… (questões de marcas e patentes) nos foruns Fedora/Suse extremamente hostiz!! muito pessoas indica instalar codecs/ mesas nonfree/ openh264 e um monte de coisas em 32 bits, e a maquina não fica legal, hoje eu uso o Archlinux. não gosto da distro! só que ela funciona lisa no Ryzen, Ubuntu e Solus tambem funciona legal no Ryzen. olha que meu uso é bem simples pois ja sou aposentado e não preciso de nada muito elaborado.

Pior que uma das coisas que descobri depois do post é sobre a configuração do TLP, e pior que alguns comentários também dizem o mesmo, que conseguiram um melhor resultado depois de um refinamento nas configs do TLP, infelizmente não é algo tão automático ou pré-feito como eu queria, mas é o linux.
Por agora estou somente com o w11 neste notebook mas assim que pegar o dell g15 me aprofundarei mais neste assunto.