Será que esse HD está morrendo?

Pessoal, eu não queria comprar um HD novo e resolvi aproveitar um de 10 anos atrás. Ele foi pouco usado mas está muito tempo parado.

Instalei o Ubuntu e fui em discos. Antes do auto-teste:

Depois do auto-teste:

Tem um monte de coisa que eu desconfio que não está boa.

Taxa de erros de leitura
Erros não corrigíveis reportados
Recuperados por ECC
Taxa de erros UDMA
etc

Eu agora fiquei receoso de colocar os arquivos nele. O que acham?

Não sei se tem alguma coisa a ver, pois meu “SMART Status” não oferece tantos detalhes.

Algo assim começou a “aparecer” aqui, com 1 dos meus discos, mas só em algumas das distros que já chegaram ao KDE 5.22.0.

Clicando no aviso, o SMART Status diz que pode não ser nada, mas que precisaria fazer uma análise mais pipipi popopó. Faça backup, acione a Embaixada, chame o advogado, contate o fabricante etc.

Como se vê (acima), a única ação oferecida é “Ignorar” ─ por isso, não fui adiante.

Acontece no openSUSE Tumbleweed (desde KDE 5.22.0 até 5.22.2), KDE Neon (desde KDE 5.22.0 até 5.22.2) e PCLinuxOS (desde KDE 5.22.0 até 5.22.2).

Mas não acontece no Void (até KDE 5.22.1), nem no Arch (até KDE 5.22.2).

No momento, estou no Debian, onde gozo da feliz inocência do KDE 5.20.5. ─ Nenhuma mensagem aterrorizante. ─ Esta boa e velha versão oferece ações de “Ignorar”, fazer Backup, ou abrir o “KDE Partition Manager”.

Em Device >> SMART Status, nuvens brancas em céu azul, no alto; e embaixo uma sucessão de “Good” e “Not Available” (afinal é um HDD de mais de 10 anos, nem sei se a Samsung ainda existe).

Salvei o Relatório, abri no Chromium, e continua bonito na parte superior ─ Good, Success, Healthy, zero bad setor. ─ Na parte de baixo, uma sucessão de “Old-Age” e “Pre-Failure”.

Brrrrrrr… Medo!!!

Bom, por enquanto, não posso abrir mão desse HDD, fabricado em 2008:

Local Storage:                total:    2.84 TiB          used: 838.23 GiB   (28.8%)

  Sata #1   ID-1: /dev/sda   SSD  Sata3  Kingston  SA400S37480G        447.13 GiB   480 GB
  Sata #3   ID-2: /dev/sdb   HDD  Sata3  Seagate   ST1000DM003-1SB102  931.51 GiB   1   TB  (2016)
  Sata #4   ID-3: /dev/sdc   HDD  Sata2  Maxtor    STM3320613AS        298.09 GiB   320 GB  (2008)
  Sata #5   ID-4: /dev/sdd   HDD  Sata2  Samsung   HD322HJ             298.09 GiB   320 GB  (2008)
  USB ext   ID-5: /dev/sde   SSD  USB2   Samsung   S2 Portable         931.51 GiB   1   TB  (2011)

Por enquanto, continuo fazendo backups semanais, em geral aos Domingos ─ no HDD Seagate 1TB de 2016 ─ e guardando o backup anterior no SSD externo USB2 de 1TB, fabricado em 2011.

Em tempo: - O GParted, que prefiro, não oferece SMART Status.

2 curtidas

Obrigado pela reposta @frc_kde . A questão que fico em dúvida é: será quem um HD ruim pode corromper os dados sem avisar e quando eu for fazer backup eu substitua um arquivo bom por outro ruim?

1 curtida

Falando como leigo, acredito que o backup acusará impossibilidade de ler um arquivo corrompido (ou vários), caso algum setor do disco apresente erro.

Mas não posso afirmar com certeza. ─ É melhor aguardar o pronunciamento de colegas que realmente entendam desses detalhes técnicos.

O que vejo nos 2 prints que você mandou ─ um do exame 2 minutos antes, e o segundo de um novo exame 1 minuto antes ─ entendo que ambos cabeçalhos indicam “O disco está ok”.

Nos detalhes, entendo que o tipo “Antigo” (Old-Age) pode se referir ao fato de se tratar de um HDD antigo, ainda sem aquelas funcionalidades. ─ Quanto ao tipo “Pré-Falha” (Pre-Failure), entendo que seja uma categoria, e não a constatação de um suposto fato.

Veja que, em todos os detalhes, a Avaliação (na última coluna) é sempre “OK”.

Na última coluna dos detalhes do meu relatório, aparece “Good” ou “N/A” (funcionalidade não-disponível por ser HDD antigo), e alguns números que, em cada caso, me parecem “normais” ou bons.

Discos Mecânicos apresentam falha durante seu uso e isso é normal, no entanto quanto essas falhas começa ultrapassar o limite tolerável ( cada disco possui isso definido ) então ja é hora de ficar atento e começar a preparar backups ou aposentar o mesmo, alguns programas como o GSmartcontrol ( Linux) e CrystalDisckInfo ( Windows ) apresentam essas falhas acima do normal mais claramente (se ver algo destacado em amarelo ou vermelho já e um sinal de alerta).

Vale ressaltar que um disco pode levar anos para de fato morrer mesmo que ele apresenta falhas acima do tolerável, isso vai depender da forma que ele é usado.

1 curtida

Tudo que vc precisava saber já estava no seu print! Resumindo seu HD está normal.

1 curtida

Já que não tem como comprar outro HDD neste momento, use um software mais “profissa” pra checar o disco, corrija os possíveis erros e mantenha seus arquivos importantes na nuvem.

Recomendo que use o HDAT2.

2 curtidas

Na impossibilidade de adquirir um SSD novo no momento, acho que dá para usar sim, desde que, caso você vá fazer uso de arquivos importantes, sempre manter um backup redundante, porque a própria idade e o fato de estar parado há muito tempo já contribuem para um “cansaço” do equipamento. É interessante também começar a fazer uma economia mensal no sentido de ir se planejando e preparando para assim que possível efetuar a substituição, sendo preferencialmente ao menos por um SSD SATA.
Um dado importante que você tem que levar em conta além do diagnóstico técnico via software é o próprio uso: ele está “batendo pino”? Fazendo sons estranhos? Aquecendo muito se comparado quando era mais novo? Você sente que ele está muito mais lento que no passado?
Se você faz uso em dual boot com Windows, seria interessante também fazer um teste com Windows e comparar os resultados.

1 curtida

Eu estou achando ele super rápido. Não faz barulho, apenas aquele característico de HD mesmo. Eu fiz essa análise pois quis me certificar. Na verdade eu comprei esse disco em 2008 (13 anos).

Obrigado pelas respostas.

3 curtidas

Acredito que pelos resultados postado por ti e por essa descrição in loco sua, ele esteja bem sim, só mantenha o backup e quando for possível adquira um disco substituto por precaução de idade mesmo.

1 curtida

Pegando carona na questão apresentada por @Pirapora, verifiquei que eu já tinha o GSmartControl no PCLinuxOS, e resolvi verificar nela a situação do meu velho HDD Samsung de 2008.

Na aba Attributes, já apareceu uma linha rosada.

Na aba Error Log, mais um monte de linhas vermelhas.

Agradeço a dica, e recomendo ao @Pirapora

Agora, vou tentar digerir esse monte de informações.

EDIT - Por enquanto, vou continuar usando esse meu HDD, como já vinha usando: para arquivos da hora ─ prints, livros, registros, documentos pessoais etc. ─ e mantendo 2 backups (semana + semana anterior).

Não compraria um HDD “para substituir”, mas para ampliar minha capacidade de armazenamento. Ele é de apenas 320 GB (298 GiB) ─ mas o que planejo é trocá-lo por um novo de 1 TB. ─ Aliás, 2 novos, pois tenho 2 HDDs de 320 GB de 2008.

3 curtidas

O disco está bom, ao menos levando em consideração a idade dele.

O ideal é vc seguir monitorando semanalmente e depois mês a mês o relatório.

Com relação à falhas, se um arquivo for danificado vc não ficará sabendo até tentar realizar a leitura. Daí pode acontecer, 1) ou o erro será corrigido e uma nova gravação verificará que está tudo ok, vida que segue 2) O conteúdo do arquivo será recuperado mas o setor será marcado como ruim (badblock) (nesse caso vc conseguiu recuperar o conteúdo) 3) O conteúdo não será recuperado e o setor será marcado como ruim (vai ficar no log como unrecoverable error).

Se o conteúdo foi recuperado, o próprio HD vai salvar o conteudo em outro lugar e vc não vai perceber que aconteceu, além de uma lentidão repentina do disco. Se não for recuperado, vai dar o aviso de falha e o arquivo vai “perder” aquele setor (512 bytes) se vc conseguir recuperar o restante do arquivo com ferramentas específicas (ou preenchido com zero conforme opções das ferramentas). A nível de sistema operacional o arquivo inteiro não será lido.

Se a integridade dos dados é preocupação, vc pode usar um sistema de arquivos que tenha características que tenha possibilidade de correção/detecção de falhas, sendo o ZFS o mais poderoso. O btrfs também tem esass opções, mas precisa configurar pra usar e agendar o “scrub” do disco uma vez por mês pra pegar os erros acontecendo.

4 curtidas

Apenas relatando uma novidade ─ que só tem relação indireta com a questão inicial:

Nas atualizações que fiz hoje, openSUSE Tumbleweed, PCLinuxOS e KDE Neon avançaram para o Plasma 5.22.3 ─ e o tal aviso parou de aparecer.

Quem sabe, alguém achou que era cricri demais, ficar aterrorizando o pobre usuário a cada boot.

Continua não aparecendo no Arch e no Void, após também atualizarem para o Plasma 5.22.3.

Aproveitei para instalar o GSmartControl também no KDE Neon e no openSUSE ─ e fiz um teste de 2 minutos.

O relatório do GSmartControl indica que os erros foram registrados entre os dias nº 1674 e 1738 ─ contados em “power-on lifetime” (tempo de vida ligado) ─ o que equivale a um período entre o 4,58º e o 4,76º “ano-ligado”.

No início do relatório, o tempo-de-vida-ligado (power-on-hours) é agora de 70.957 horas ─ ou seja, já somou 8,1 anos ligado.

Então, parece que os “problemas” foram registrados cerca de 3,5 anos atrás ─ e desde então, mais nada.

Alguém sabe dizer se estou interpretando errado esses números?

Na minha resposta anterior, há cerca de 2 dias, o tempo-de-vida-ligado era de 70.909 horas ─ cerca de 48 horas-ligado a menos do que hoje.

Se entendi corretamente, de fato não faz sentido nenhum, apavorar o usuário a cada novo boot!

EDIT - Ah, se esse log de erros indicasse data & hora em UTC…! ─ Num instante eu localizaria prints e anotações daqueles momentos.

2 curtidas