Sem problemas com o LibreOffice

Eu me lembro de quando comecei a utilizar Linux pela primeira vez e eu não sábia direito como usar o LibreOffice além de o achar feinho. Daí eu queria dar um jeito de instalar microsoftoffice no Linux. Com o tempo eu me acostumei a utilizar o LibreOffice e hoje estou fazendo o caminho inverso. Estou instalando ele no windows e fuck you microsoftoffice. rs. Brincadeiras a parte, me digam qual o problema de vocês com o LibreOffice. Falem de um problema operacional de funcionamento dele.

2 Curtidas

Eu instalo o office 2007 via wine aqui pois em documentos com muitos scripts e muita formatação o libreoffice não lê e perde a maioria da formatação o que torna ele inviável para o meu uso e sou forçado a usa o 2007 via wine.

2 Curtidas

Usei pouco ele. Apenas em testes. Redigi algumas petições tranquilamente. Não tive nenhum problema e tudo é questão de costume.
O ‘’ problema " foi só a dificuldade de abrir corretamente os documentos já salvos no Word. Sempre há algum problema de formatação. Isso dificulta a migração.
Ainda estou no Windows usando o Office. Mas pretendo migrar em breve ao Linux. Preciso resolver o problema do peticionamento eletrônico primeiro

2 Curtidas

Só acho o LibreOffice feio e inchado. Hoje tenho ele em APPIMAGE com atalhos apenas para o Calc e Writer.
Pelo menos para os documentos em que existem tabelas (e uso muito), a compatibilidade com Word é sofrível.
Depois de usar LibreOffice, WPS, OnlyOffice e tantos outros, encontrei no Softmaker Offfice a melhor compatibilidade com documentos “docx”. Nunca mais tive problemas.
Eles sempre estão fazendo promoções.
Guardem este LINK e acessem, de vez em quando, para ver se tem alguma promoção ativa.
Comprei por R$39,00. Considero um preço mais do que justo.

3 Curtidas

Sou apaixonado pelo LibreOffice e o uso pra tudo (escrevo ficção, então o uso bastante). Até quando eu estava na universidade, eu ainda o usava para criar os documentos .docx que eu enviava para os colegas, mas antes eu dava uma checada nesses documentos com o Microsoft Office 2010 que eu tinha instalado no LInux via Wine para ver se estava tudo OK e corrigir qualquer eventual defeito.

O problema é que tem um monopólio do uso dos formatos fechados da Microsoft que infelizmente são padrão de mercado. Aí é complicado. Não basta incentivar o uso de programas livres, tem que incentivar também o uso de formatos livres.

Em relação ao LibreOffice em si, só cito 2 problemas:

  • Este já está sendo resolvido: o visual. Não precisa seguir a linha do Microsoft Office, mas os desenvolvedores deviam ter prestado atenção nisso há mais tempo. Até os ícones padrão não eram lá muito bonitos, mas atualmente o sistema de ícones que vem nas distros com KDE ou no sistema operacional Windows, respectivamente os ícones Breeze e Colibri, são maravilhosos, já deu uma boa amenizada. Mas as novas opções de barra de ferramentas do LibreOffice 6.2.x não são nada bonitas ao meu ver.
  • Calc não suporta mais que 1024 colunas, mas parece que esse problema será solucionado, como vocês podem ver aqui na última mensagem deste bug report, na versão 6.5
6 Curtidas

Também não tenho do que reclamar do LibreoOffice, meu TCC da faculdade foi todo escrito nele e não tive nenhum problema ou dificuldade. O problema, como dito, é que somos reféns da Microsoft e do seu monopólio, os fomatos proprietários dela nunca serão 100% compatíveis com as alternativas disponíveis, a não ser que ela abra os seus formatos ou passe a utilizar algum formato aberto como padrão.

Atualmente venho utilizando mais o Google Docs, pela facilidade de não precisar instalar nada e pelo fato de não ter que ficar me preocupando em salvar documentos ou fazer backups, está tudo sempre salvo.

3 Curtidas

Sim, é uma ótima alternativa que uso muito também. E concordo com a “padronização” dos formatos. Na verdade, o “padrão” deveria ser o formato aberto e a exceção, os fechados. Mas invertemos tudo… :face_with_thermometer:

Depois que eu aprendi a usar boas práticas de formatação de textos, eu nunca mais tive problemas com o LibreOffice sem falar que 200 MB pra uma suíte Office é quase um milagre

1 Curtida

Olá Marco,

Estou começando a tentar trocar o Windows pelo Linux. Primeira coisa é com relação ao office, gosto e uso bastante a navegação pelo documento através dos títulos, acho muito mais fácil localizar o que preciso. No libreoffice não vi essa opção, sabe dizer se tem isso? Segue print

1 Curtida

É sim possível. Tu vai em exibir e vai achar a opção navegador. E em editar tem a opção localizar. Pode utilizar qual tu achar melhor, ou ambas.

Você ainda consegue usar o MSOffice via wine? Deve ser algum problema comigo, coisas que faço errado muito provavelmente, mas eu nunca consegui instalar nenhuma versão do MSOffice via Wine, sempre tenho que instalar numa máquina virtual com Windows ou acessar um PC com Windows para dar uns últimos ajustes que por alguma razão o Libre tira do lugar.

É bastante simples. Como você já deve saber, primeiro é necessário definir os títulos, bastando selecionar a palavra-parágrafo e definí-la como queira. É a mesma coisa que é feita no Microsoft Office. Creio que você já tenha feito isso.




Então, na barra vertical no lado direito, clique no ícone que parece com uma bússola. A sua lista de títulos estará em… “Títulos”.

2 Curtidas

É bastante simples, mas você precisa entender algumas coisas antes.

Você certamente usa a versão 64 do Linux, portanto, por padrão, todo prefixo wine criado será em 64 bit. É verdade que esses prefixos wine funcionam da mesma forma que o Windows 64 bit, é 64 bit, mas permite a instalação de programas 32 bit na pasta Program Files (x86). Entretanto, a instalação do Microsoft Office só funciona com um prefixo 32 bit.

Para criar um prefixo 32 bit, primeiro adicione o suporte a 32 bit, no *ubuntu e derivados o comando é:
sudo dpkg --add-architecture i386
Creio que no Manjaro e Arch Linux esse suporte já é incluído por padrão.

E então crie o prefixo wine com o comando:
WINEPREFIX='~/.wine32' WINEARCH='win32' wine 'wineboot'
Mas não se esqueça de substituir esse ~ pelo caminho da sua pasta de usuário. Se seu nome de usuário é “almijr”, então o comando será:
WINEPREFIX='/home/almijr/.wine32' WINEARCH='win32' wine 'wineboot'

Na pasta principal do seu usuário, abra o arquivo .bashrc (se ele não existir, crie-o) e adicione a linha alias wine32="WINEPREFIX='~/.wine32'" (novamente, troque esse ~)

Para instalar o Microsoft Office, é imprescindível a presença do pacote winbind (em distribuições que não são o *ubuntu ou derivados, muito provavelmente você não encontrará um pacote chamado “winbind” nos repositórios, mas não tem problema, você conseguirá esse software através do pacote samba).

Abra as configurações do wine 32bit:
wine32 winecfg

Vá em Bibliotecas e adicione riched20 e msxml6

Pronto, na pasta do instalador do Microsoft Office (suponho que o nome do arquivo seja setup.exe) e rode o comando wine32 wine setup.exe.

3 Curtidas

Com a opção localizar eu digitei “Capítulo I -” E já encontrou ás duas páginas com esses carácteres. E com a opção navegador eu fui no capítulo V. Prints:


é isso mesmo, vou testar daqui a pouco, vlw

Cara, eu fico até sem palavras pra te agradecer e parabenizar por essa resposta, isso é um tutorial completo e bem explicado! Vou te salvar pro caso de mais alguém precisar depois. Eu vou tentar quando estiver com mais tempo, mas muitíssimo obrigado, creio que seguindo esses passos não tem como dar problema.

1 Curtida

Por nada, fiz um tutorial mais completo e mais organizado. Depois dê uma olhada lá, o link está logo abaixo:

https://plus.diolinux.com.br/t/instalacao-do-microsoft-office-e-fontes-do-windows-no-linux/

2 Curtidas