Relato sobre o Acer Swift 3 SF314-42

Olá pessoal, tudo bem?

Com o intuito de ajudar a quem possa estar interessado, vim deixar minha experiência de uso do notebook Acer Swift 3 SF314-42.

Specs (fonte: O ultrafino SF314-42-R9S5 chega com os novos Ryzen 7 4700U e tela IPS)

A primeira impressão é de um equipamento extremamente leve, aparenta ter acabamento em metal, mas não tenho muita certeza disso, só confirmo que o fundo é de plástico.

Dei o boot com o Windows 10, vi se estava tudo funcionando e parti para a instalação do Pop!_OS 20.10. No Pop, tudo funcionou perfeitamente, a iluminação do teclado é controlada via hardware, não depende do SO, então menos um problema para possivelmente enfrentar.

Som, touchpad (que é ótimo), Radeon Vega 7, wifi Intel, tudo funcionou perfeitamente, com exceção do leitor de impressão digital, por enquanto, não é suportado pelo fingerprint-gui. :frowning:

Em leituras rápidas como aqui: https://www.techradar.com/news/amd-users-should-immediately-switch-to-the-latest-linux-511-kernel
Me convenci a testar um kernel mais novo, mas não quis mexer com xanmod, liquorix, nada disso, fui direto pro Manjaro, que mantém os pacotes bem atualizados, e foi aí que as coisas ficaram estranhas.

Como sou desenvolvedor, fiquei pé atrás com 8 GB de ram, é o limite para os padrões atuais, então fiz um teste de carga no meu setup.

Como podem ver acima, abri duas IDE’s, com um projeto rodando sob o java e outro em python, gerenciador de banco de dados, dezenas de abas no Chrome e vários outros programas na barra.

Não entendi exatamente a mágica, mas o notebook não disparou a fan hora alguma, se manteve silencioso, frio, com consumo de swap disparado e o mais esquisito: em hora nenhuma houve degradação do desempenho, sempre muito responsivo!

Testei também um CS GO, no low, em Full HD, tive taxas médias de 60 com picos de 85 fps.

Acho que muito se deve ao trabalho incrível da equipe do KDE + Kernel 5.11 + Manjaro + Memória soldada LPDDR4 rodando a 3733 MHz, um NVME de alto desempenho e claro, um ryzen na arquitetura zen 2, com 8 núcleos e 8 threads.

No mais, com trabalho intenso em brilho médio, consegui na faixa de 7h de duração da bateria. Estou bem satisfeito e ainda um pouco consternado por conta dos 8 GB de ram estar dando conta. Saí de um Core i5 de 10th com 16 gb de ram e nvme, que estava sofrendo para fazer 1/3 desse trabalho.

Uma pena que os preços estejam loucos, este notebook não é barato, sendo acessível a poucos.

Espero muito ver o Ryzen 7 4700 (e seu irmão Ryzen 5 4500) em modelos mais acessíveis!

Um abraço à todos, espero ter sido útil.

2 curtidas

Na verdade a mágica está no kernel novo que tem várias otimizações pra processadores amd principalmente na questão de consumo de energia.

Suponho que sejam os 7nm desse R7 :sweat_smile: