Qual o melhor editor de LaTeX para Linux?

Percebi que usar LaTeX ajuda muito pra fazer trabalhos da faculdade e decidi me aventurar nisso, porém estou em dúvida sobre qual editor usar. Os que já vi falarem são: Overleaf, Texmaker e TeXstudio.

Então estou bem em dúvida sobre qual usar, alguém aí usa algum?

2 curtidas

@Joao_Damasceno usa para o trabalho.

Acho que ele pode te ajudar.

Parece que ele usa este

1 curtida

Inicialmente, desculpe a demora em responder essa postagem, mas li ontem e estava muito cansado para escrever direito.

Bom, vamos por partes. Aparentemente você está entrando agora neste meio, sendo assim, tenha em mente que o LaTeX é uma forma de criar textos e apresentações (tipo slide) perfeita quando temos ao menos uma dessas exigências:

  • Texto altamente padronizado como documentos, relatórios, TCC e artigos científicos;
  • Textos muito longos como relatórios, teses, TCC ou livros;
  • Forte presença de algoritmos/pseudocódigos ou expressões matemáticas;
  • Grande quantidade de referências bibliográficas e/ou citações das mesmas;
  • Texto, normalmente longo, que será pouco modificado mas terá seu estilo geral variado para múltiplos usos (como por exemplo um relatório de IC escrito em padrão ABNT que será convertido em um artigo para uma revista que use outro padrão, com coluna dupla, por exemplo).

Mas veja que ele também possui desvantagens e situações que você terá maior trabalho em executar o texto em LaTeX:

  • Documentos que contenham figuras que interagem com o texto, como por exemplo figuras onde o texto contorna a figura;
  • Documentos curtos e que possuem padrão próprio e que não serão repetidos com frequência, como currículos, por exemplo;
  • Textos que utilizem recursos artísticos como por exemplo uma imagem de margem, não retangular, onde o texto acompanha a borda da imagem;
  • Textos com tipografias complexas/artísticas.

Veja que das situações de vantagem e desvantagem de uso do LaTeX, textos padronizados como trabalhos acadêmico/científicos/relatórios técnicos se enquadram perfeitamente em situações de vantagem do LaTeX e é por este motivo que ele é tão “útil na faculdade”, como você citou.

Agora, falando dos editores. Você citou editores online e offline e ambos possuem usos, vantagens e desvantagens diferentes. Então vamos refletir um pouco em como cada editor vai te ajudar, lembrando que TODOS os editores que citarei aqui são igualmente funcionais tanto no linux quanto no windows. Não existe diferença prática em usar o LaTeX no windows ou no linux, até mesmo as ferramentas são as mesmas!

Começando pelo mais simples que é o editor online, o Overleaf:

  • Principal uso: Textos escritos de forma compartilhada com outras pessoas ou com constante revisão por um orientador, por exemplo.

  • Vantagens:

    • Não depende da sua máquina;
    • Não depende de configurações extras;
    • Pode ser editado simultaneamente por múltiplas pessoas;
    • Arquivos armazenados em nuvem, significando um backup automático;
    • Site rico em tutoriais e exemplos;
    • Visualizador de PDF interno;
    • Caso você possua a conta premium, o servidor atua como um repositório git.
  • Desvantagens:

    • Baixa capacidade de configuração do compilador;
    • Problemas de conexão ou longo tempo editando um arquivo com múltiplas pessoas pode levar a dessincronização forçando a recarregar a página ou mesmo tornando a edição/visualização do PDF bastante lenta;
    • Para usar um visualizador externo de PDF, deve-se baixar o PDF manualmente;
    • Baixa quantidade e qualidade de recursos auxiliares, como por exemplo o corretor ortográfico que é simplório e não tão eficiente.

Vamos agora para os editores offline. O Texmaker e o TeXstudio, sendo que o TeXstudio é um fork do Texmaker. Destes, cada um possui recursos próprios, mas prefiro o TeXstudio e, como tenho mais familiaridade com ele, vou falar dele. Contudo os recursos disponíveis são similares em ambos.

Lembrando também que existem diversos outros editores para LaTeX, incluindo plugins para VScode, Sublime, notepad++. Contudo, tenho pouquíssima experiência com essas alternativas, então não vou citá-las aqui.

  • Principal uso: Edição de textos complexos e de forma individual.

  • Vantagens:

    • Riqueza de ferramentas auxiliares de edição:
      • Verificador ortográfico que usa os dicionários do Libre Office/Open Office;
      • Ferramenta gráfica de criação de tabelas;
      • Ferramenta gráfica para inserção de figuras;
      • Ferramenta gráfica para adição de símbolos;
      • Atalhos para criação de configurações e elementos textuais de forma rápida (documentclass, usepackage, autor, título, seccionamento do texto, mudança de tamanho de fontes, etc);
      • Auxiliar para criação manual de entradas do Bibtex/BibLatex;
      • Auto completar;
      • Auto identação;
      • Comentários em blocos;
      • Verificação de sintaxe;
      • Muitas outras ferramentas que não vou listar nesta postagem se não vou criar um livro aqui.
    • Alta capacidade de configuração do compilador, permitindo, por exemplo, fazer a “chain” de compilação DVI=>PS=>PDF ao invés de usar o padrão que compila direto para PDF, o que garante que o documento será vetorizado antes de compilar, assim tornando o documento muito mais robusto ao redimensionamento e tornando o documento final mais consistente.
    • Visualizador de PDF interno;
    • Capacidade de lidar com diversas codificações de texto para o código fonte;
    • Capacidade de criação de “bookmarks” no código, facilitando a navegação;
    • Criação e execução de macros para edição do código fonte (não são macros presentes no PDF, mas sim automações para escrita do texto);
    • Integração com repositórios git;
    • Ferramentas para debugar eventuais erros de compilação.
  • Desvantagens:

    • Depende da instalação e configuração do Miktex;
    • Qualquer pacote utilizado no texto deve ser previamente baixado no Miktex (felizmente o miktex possui um gerenciador de pacotes gráfico/linha de comando extremamente eficiente e fácil de utilizar);
    • Configurações mais profundas do editor depende de um grau de conhecimento e experiência extra;
    • A compilação é executada na máquina local, assim, caso se utilize recursos mais onerosos como o psfrag e/ou caso o texto seja MUITO grande, a compilação pode demorar mais do que esperado.

Como você pôde ver, os recursos presentes nos editores offline tornam a edição do texto muito mais prática, gráfica e rápida, superando e muito os recursos presentes no Overleaf, contudo, as vantagens do Overleaf são únicas e insubstituíveis em algumas situações, particularmente quando editamos o texto em grupos ou sob revisão em tempo real.

Agora que falei dos editores, quero te passar algumas dicas e recursos que, caso eu tivesse acesso a 12 anos atrás, quando comecei a usar LaTeX, teria me poupado muito tempo e dores de cabeça.

  • Como conseguir os arquivos bib para gerar as referências:

    • Caso esteja fazendo algum trabalho que envolva artigos científicos diversos, utilize o Mendeley para gerenciar os artigos e demais referências. Este programa é mantido pela Elsevier e, além de ser um disco virtual de 2GB (suficiente para milhares de PDFs de artigos), ainda gera os arquivos bib acessando as bases do DOI, PMID e ArXiv ID, o que garante, grande parte das vezes, que o arquivo bib possuirá as informações corretas e completas.
    • Caso não queira usar o Mendeley, você pode buscar a referência no Google Acadêmico, clique nas “aspas” (citar) embaixo do resultado da busca e clique em “BibTex”.
  • Mesmo com as ferramentas gráficas dos editores offline, gerar tabelas no LaTeX ainda é uma coisa chata de fazer, ainda mais quando você quer portar uma tabela de um editor de planilhas. Para resolver isso, use o Tables Generator, onde você pode copiar a tabela do editor de planilhas, colar na ferramenta do site e formatá-la como desejar. A ferramenta irá gerar o código da tabela para LaTeX exatamente como você precisa, raramente necessitando ajustes futuros.

  • Se for fazer relatórios e trabalhos para aulas e TCC, considere usar o abnTeX2 (\documentclass{abntex2}), isso reduzirá muito o seu tempo de edição e formataçãoe colocará seu texto no padrão da ABNT. Além disso, tutoriais de uso dessa classe são facilmente encontrados no google: Tutorial.

  • Se for escrever um relatório de IC ou algum artigo científico para uma revista, procure o template da revista para LaTeX ou, caso não encontre, dê preferência para usar o Article (\documentclass{article}), mesmo dependendo de muitos outros pacotes adicionais e configurações de formatação no preâmbulo do texto, esta classe permite muito mais formatações e se adéqua à maioria dos documentos e relatórios técnicos/científicos. Além disso, é uma das classes de documento mais bem documentada e com tutoriais que existe: Tutorial no overleaf.

  • Caso você queira unir os recursos dos editores offiline com o Overleaf, você pode criar o projeto no overleaf e upar para ele os arquivos que editou localmente. Essa solução é muito útil quando você precisa mandar o documento para um orientador corrigir o texto no código fonte e não no PDF mas evite ao máximo usar essa tática quando estiver editando o arquivo com mais do que uma pessoa.

  • Caso queira usar o recurso de git entre o editor offline e repositórios, mesmo que seja o gerado pelo Overleaf com conta premium, quebre o projeto LaTeX em múltiplos arquivos (por exemplo, um para introdução, um para objetivos, …, um para conclusão), onde o arquivo principal apenas possui o preâmbulo e une os demais arquivos. Dessa forma fica muito mais fácil resolver os conflitos durante push, pull e merge.

Por fim, segue uma lista de locais onde você pode obter mais informações sobre LaTeX:

  • Este documento escrito pelo pessoal do instituto de química da USP São Carlos que é muito bom tanto para aprender o básico do LaTeX quanto para tirar possíveis dúvidas.

  • Sempre que tiver dúvidas sobre a utilização de algum pacote, a documentação dos pacotes para LaTeX estão disponíveis no repositório CTAN ( Comprehensive TeX Archive Network). Basta procurar pelo nome do pacote no site.

10 curtidas

Das opções que você apresentou, podemos separar em dois tipos.

  1. Overleaf

É um serviço na nuvem. Você pode escrever e compilar fazendo login na sua conta do Overleaf. A vantagem dele é que tem vários templates e pode ser acessado em qualquer computador, além de poder ser editado por outra pessoa que venha a colaborar com você.

  1. TexMaker , TeXStudio e Kile

São “IDEs” locais. Na prática você poderá fazer a mesma coisa que faz no Overleaf, sendo que localmente, em seu computador.

Ainda há a opção de usar editores de código.

  1. SublimeText, VsCode etc

Eu usei na época o Sublime. É uma boa ferramenta, mas é necessário integrar plugins para LateX.

Uma dica é: se for usar editores de código ou qualquer outra solução use corretor ortográfico é incrível a quantidade de erros que passa, mesmo sendo revisada a leitura.

O @renard162 Deu uma resposta bastante completa. Teste essas três possibilidades para ver o que mais lhe agrada.

6 curtidas

Caramba que resposta incrível, muito obrigada, me ajudou demais!! Só pelo que você falou do TeXstudio eu já gostei, irei testá-lo com certeza, acredito que vai me ajudar muito nos trabalhos da faculdade. E obrigada também pelas dicas!

A primeira experiência que tive com LaTeX foi com esse site, me ajudou muito pra fazer o trabalho de matemática da faculdade e desde então me interessei muito por LaTeX.

Obrigada por tudo!!

@swatquest e @anon87583602 obrigada vocês também! :hugs:

3 curtidas

Conheço demais esse site. Para colocar equações nos slides muitas vezes recorri a ele.

LateX é muito legal. Você pode dar um “label” nas equações e depois as chama pelo label. Aplicar um label é bom pois imagine que você queira colocar uma equação a mais, entre as já existentes. Com o label, você não terá que mudar as referências no texto. Sai tudo automaticamente.

Tipo assim:

\begin{equation}
x² + bx + c =0
\label{eq.segundo_grau}
\end{equation}

\begin{equation}
y = ax + b
\label{func_afim}
\end{equation}

Vemos na equação {\eq.segundo_grau} que no máximo podem haver duas raízes… A função{\func_afim} tem um coeficiente angular…

No texto sairá:

Vemos na Eq. 1 que no máximo podem haver duas raízes… A função Eq. 2 tem um coeficiente angular…

Agora imagina que você põe outra equação no meio. O LateX irá fazer a indexação automaticamente. Onde tem Eq.e passara a ser Eq.3

O LateX é bom para equações. Perfeito. Agora com figuras, você terá um pouco de dor de cabeça. É sempre chato arrumar… hahahaha

Obs:

Faz anos que não utilizo LateX. Desculpe qualquer erro de sintaxe. Mas a ideia é essa mesma que passei.

1 curtida

Shoow, amo aprender novas coisas! Uma duvida, eu vi esse video de como instalar mas fiquei meio confusa se preciso de todos aqueles comandos ou se eu só instalar o TeXstudio já é o suficiente. Eu ia instalar da loja do Mint mas lá tá desatualizado por isso vi o tutorial haha. Faço tudo o que o cara fez no tutorial?

O que ele recomendou instala um monde de pacotes. O beamer, por exemplo, é um pacote para criar slides escrevendo em TeX.

Pode seguir o que ele recomendou nos comandos. Se você instalar o texlive-full vai ter de tudo que imaginar. Eu geralmente gosto de fazer isso. Mas se quiser uma instalação mais limpa pode seguir o que ele recomenda.

Qual o tipo de matemática que você está lidando agora?

Comecei esse ano e a matéria é matematica para negócios, por enquanto tá sendo isso aqui:

Usei aquele site de latex pra fazer matrizes :blush:

Tranquilo então. Provavelmente não irá precisar de nenhum pacote adicional.