Por que o gnome é o desktop mais utilizado?

É muito possível que o Gnome seja o DE “mais usado” – mas, temos alguma evidência?

O verbo “aparece” é muito vago, como medida de “percentual de usuários”.

O Net Market Share era um dos poucos recursos para avaliar o possível percentual de usuários do Linux – alguma coisa entre 1% e menos de 4%, nos melhores momento – mas dentro dele não havia nada sobre DEs…

Afinal, Windows, Mac, Android etc.não “não têm disso” – então, para quê gastar esforço com um detalhe assim?

Além disso, o site parou de recolher dados no último trimestre de 2020.

Alguém conhece alguma fonte de informações sobre percentuais de usuários?

Caso contrário, estamos apenas tomando uma afirmação sem base como se fosse uma verdade acima de dúvidas?

3 curtidas

Além da Red Hat, SUSE, Amazon, Google, Canonical, DigitalOcean entre outras empresas estão por trás do Gnome/GTK.

2 curtidas

No mesmo modelo (exceto a RHEL) o KDE tem (entre outras) segundo informações oficiais: Google, Canonical, SUSE, The Qt Company, Bluesystems… O GNOME tem efetivamente uma empresa por trás, embora não legalmente, a empresa emprega a maioria dos core devs (pu empregava pelo menos)

2 curtidas

Eu também não, mas meu irmão não levou 5 min kkkkkk

3 curtidas

Complementando o que o pessoal ta dizendo
O visual e totalmente independente(não e um clone visual do Windows ou Mac)
Logo e outro motivo do “padrão”

1 curtida

Eu não cheguei a quebrar, mas de tanto que eu mexi e tentei fazer algo legal, virou uma massaroca frankstein de coisas e pouquíssimo tempo kkkkkkkk Foi minha primeira experiência com Linux, usei o Manjaro na época. Logo em seguida eu fui para o Pop!_Os e me encaixei bem com o Gnome e seu workflow

1 curtida

Steam Deck :wink:

Acho que varia muito de usuário para usuário. Eu só consegui quebrar o Plasma uma vez, e foi propositalmente – eu estava literalmente removendo as permissões dos arquivos de configuração da DE. Mas, um amigo meu, em 2018, conseguiu quebrar o Plasma no Manjaro trocando o pacote de ícones. A DE não subia mais depois que ele trocou, e foi literalmente a única coisa que ele mudou.

2 curtidas

Sinceramente nem me lembro da ultima vez que quebrei meu KDE Neon… acredito que porque não fico futucando e emperequetando o sistema rs. Apenas faço as atualizações dos flatpaks e do S.O

Em relação ao visual, deixo o mais clean possível… transparência (s/ blur) e só…

6 curtidas

Já utilizei o KDE por algumas vezes mas sempre tinha algo que quebrava. Mesmo apenas adicionando um painel superior e a latte-dock, apenas.

Tinha a questão de o segundo monitor ficar bugado: às vezes nem aparecia o papel de parede…

Agora pouco instalei o Manjaro KDE para um parente pois ele vem do Windows e achou o Plasma melhor. Vou ficar de olho se ocorrem reclamações da parte dele. Se ele conseguir passar 1 mês sem quebrar nada, eu considerarei testar o KDE novamente.

:wave:t2:

Uma opinião de talvez o Gnome ser o mais utilizado vem lá de trás e pode ser porque ele era diferente do Windows.

O Dio chegou a comentar em um vídeo sobre usuários que se sentiam superiores ao usar “o diferente e difícil” em relação a maioria.
Então eu penso que na época, como tinham menos programadores e os que tinham se sentiam superiores por N motivos e um desses motivos, acho que o principal, era se sentir excluído da sociedade, isso acabou que “promovendo” o Gnome. A maioria sociável da época usava o Windows e a maior parte desta maioria não eram programadores.

Eu mesmo saí do Windows na época, tentando algo mais difícil e diferente, afim de tentar provar que eu era útil para a sociedade, pois eu me sentia super excluído dela (até hoje, mas não entendam com eu sendo vitima não hein :joy: :sweat_smile:). Então eu fui para o Ubuntu quando ele usava o Gnome 2.

O Gnome continuou sua trajetória e com o tempo, estas pessoas que se sentiam solitárias, foram abraçadas por empresas gigantes como Google, a própria Microsoft, tiveram suas “redes sociais” como Github, Gitlabs, e etc, além de inúmeros projetos que temos hoje… Isso na minha opinião e somando com os comentários aqui descritos, fizeram o Gnome ser o mais popular e continuar sua jornada de crescimento.

:vulcan_salute:t2:

Acho o gnome muito elegante e arrojado, usei por muito tempo as interfaces em GTK, e é exatamente isso que tu falaste. Quando as pessoas vinham me perguntar, lá no início da minha experiência com linux, que sistema é esse com uma “cara” tão diferente, eu enchia meu peito pra falar: “Eu estou usando linux.”
Com o tempo fui me habituando com a linguagem, com o uso e acabei meio que pensando tipo: "Não há necessidade de me achar especial. Então fui explorando outras interfaces, inclusive nesse meio tempo voltei para o windows (o qual só aguentei usar por 3 dias), e no fim dessa jornada me achei no KDE plasma.
Apesar de não usar o gnome acho muito legal a história por trás e o carinho que as distros têm por ele, o mundo linux é rodeado disso, carinho pelo projeto, e isso que acabou me mantendo usando e aconselhando o uso.

3 curtidas