O Debian é bom para inciantes?

Estava assistindo este video do Dio Qual o melhor Linux para quem está começando? e aos 05:20 ele diz que é natural partir da base Debian, dos “filhos/netos”: unbuntu, mint… mas porque não começar pelo “pai”? Pelo próprio Debian? Ele não é bom para iniciantes?

RESPONDER

kkkk. Claro!!! o debian é a base do Ubuntu. Dá para configurar igual e escolher a sua interface. Mas para iniciantes recomendo o linux mint ou o zorin os (se vier do windows). Depois depende do seu pc. Se ele for minimamente poderoso, pode escolher a interface, se for um pc mais fraco recomendo ir para o lubuntu ou ubuntu mate. :grinning: :grinning:

Olá, @deep! Bem vindo ao fórum.

Acho que uma melhor descrição para o Debian é que ele é a base de várias distribuições. Pensando no conceito de pai no contexto dos seres-vivos temos a impressão de que o Debian e o Ubuntu são exatamente iguais, por exemplo, mas não são.

O Debian é um sistema muito mais cru que os seus descendentes no sentido de recursos, drivers, … Porém, é extramente robusto. Por exemplo, o Debian não tem suporte a PPAs - o que facilita muito a instalação de pacotes que não estão no repositório oficial do sistema, mas que o mal uso pode quebrar o sistema -, não tem suporte nativo para drivers proprietários - porque na filosofia do Debian tudo deve ser open-source -, tem versões de pacotes bem mais antigas - mas também muito mais estáveis -, e por aí vai. O que o Ubuntu faz então é pegar a base do Debian e coloca um monte de coisas em cima para criar um sistema mais amigável ao público, o que para alguns mais puristas é considerado um pecado capital. Por isso que no Ubuntu é muito mais fácil instalar os drivers da NVidia/AMD/Intel, instalar versões mais recentes dos programas, e mais outras coisas que passam despercebidas mas que ao se usar o Debian sente-se falta.

O Debian é uma ótima distro, mas segue filosofias muito bem definidas que não se adaptam muito bem à necessidade de todo mundo. É claro que você poder instalar o Debian e customizá-lo para que fique mais fácil de usá-lo, mas no fim provavelmente seria mais fácil ter instalado direto o Ubuntu.

Adendo:
Um bom exemplo dessa diferença é o Linux Mint (baseado no Ubuntu) e o LMDE (Linux Mint Debian Edition, baseado no Debian). Na teoria deveriam ser sistemas praticamente idênticos, mas que ao se usar percebe-se as diferenças.

Mas pode ser que o Debian sirva para o seu propósito e acabe sendo uma opção muito melhor para você. Se você nunca testou, recomendo bastante você fazer para ter uma ideia melhor do que eu estou falando.

4 Curtidas

Foi a minha linha de pensamento. Instalei Debian com Gnome. Achei super tranquilo. E, ao contrário de outras experiências, ele tem funcionado redondinho. Não há necessidades de ficar acertando detalhes pós instalação. É só sair usando.

Se vale a dica, pegue a ISO nonfree netinstal. A ISO nonfree resolve qualquer questão de firmware/drive que venha a ter. E por ser netinstal já instala tudo atualizado (precisa de conexão com internet). No mais é simples.

Aí de fato. Porém tudo que precisei tinha no repositório oficial. Bastou ir na loja e baixar. Pra iniciante é importante. Cito exemplo do Fedora, outro que testo. Não tem muita coisa, um iniciante já de saída tem que ficar adicionando repositórios e rodando linhas no terminal para os aplicativos aparecerem na loja.

Isso resolvi instalando o sistema pela ISO nonfree. Me deram essa dica no início e pelo visto é a mais acertada.

Isso vale pra qualquer distribuição.

O que vai reparar na comunidade Linux em geral é que cada um tenta empurrar sua distribuição de estimação, rs.

Diferencie a distribuição da interface gráfica. Não sei o quanto conhece mas no começo me bati com isso. Todas as distribuições podem ter a mesma “cara”, basta escolher a mesma interface gráfica (claro que existem personalizações e você pode criar a sua).

Edit: Mais uma dica que é simples mas demorei pra sacar. Pode ir no site oficial dos programas e baixar o pacote .deb pra instalar os programas. Por exemplo Google Chrome.
De resto a loja trabalha como loja de aplicativos do seu celular. Basta ir lá e pesquisar o que precisa.

1 Curtida

Sim, mas nesse caso já é uma versão “não-pura” do Debian. Até mesmo no repositório das imagens das ISO é explicitado que se trata de uma distribuição “unofficial” (não-oficial) (Index of /cdimage/unofficial/non-free). No site do Debian não se acha essas versões para baixar.

Concordo, mas as filosofias do Debian são bem mais ortodoxas no mundo OpenSource, digamos assim, o que restringe bastante o seu público.

Olha, se tu nunca usou uma distro Linux como sistema principal, é bom tu começar sempre por aquela que consideram mais popular. Claro que tudo depende do teu conhecimento em informática.

Recomenda-se começar pelo Ubuntu ou mint pelo fato de uma simples busca no google tu encontra uma infinidade de tópicos sobre os mais diversos tipos de soluções para o que estiver enfrentando. Além disso, a instalação acaba sendo muito fácil, pois o próprio sistema vai escolhendo as formas recomendadas para prosseguir. Já no debian tu precisa saber o que está fazendo na hora da instalação (se bem que agora já se assemelha ao Ubuntu mint…). Em relação aos drivers e programas, as opções são maiores nas distros filhas.

Resumindo, se estiver começando, use uma distro mais otimizada para quem não quer passar horas e horas em fóruns e na frente do terminal. Com o tempo a complexidade vai aumentando, a curiosidade também e quando menos perceber pouco importará qual a distro estiver usando pois saberá como operar.

1 Curtida

Alguns já desenvolveram sobre o assunto, então eu vou ser breve. Você vai quebrar a cabeça com o Debian, porque é uma distribuição que carece de facilidades, é crua, sem apetrechos, ou seja, você terá que preparar a distribuição para o seu uso, algo que algumas pessoas adoram. Já o Ubuntu possui o slogan “Linux para seres humanos”, este que remete a facilidade e praticidade de uso que o Ubuntu oferece para os seus usuários.

Eu não estou entendendo. Entrei no Linux pelo Debian. Super direto. Tudo pronto. Vocês usaram Debian ou repetem mantras? Desculpe a franqueza.

Observei justamente o oposto vendo outras distribuições, cito exemplo de baixar aplicativo por loja e vir sem tradução, softwares que deveriam importar imagens e não conseguem… miniaturas ou previews que não carregam.

Não experimentei nenhuma dessas dificuldades no Debian. Instalei e funcionou.

1 Curtida

Olá @deep tudo beleza contigo?

Perguntar se uma distribuição é boa para algo ou para um determinado tipo de usuário sempre vai gerar uma certa discórdia, por mais que o pessoal aqui do fórum seja extremamente civilizado. :slight_smile:

Na minha opinião você deveria tentar e ver se te atende, eu sou profissional de TI há mais de 20 anos então meu critério de fácil é meio viciado, por mais que eu tente pensar com a cabeça de alguém com “menos experiência”.

A beleza do Linux é que você pode baixar praticamente qualquer distribuição que quiser e simplesmente ir testando até achar aquela que te fisga, para gastar menos tempo instalando, faça testes usando um live pendrive e só instale se te agradar.

Na minha opinião o Debian é uma das distribuições mais fantásticas que existem, porque ele é simples e objetivo dá para contar nos dedos de uma mão as vezes que instalei ele em uma máquina e não reconheceu alguma coisa.

Conforme já foi comentado, baixe o livecd com a opção non-free e faça um teste.

Se precisar de ajuda é só dar um toque.

:vulcan_salute:

5 Curtidas

De forma geral NÃO! Principalmente pra que é iniciante no Linux.

1 Curtida

Eu já utilizei bastante o Debian, tanto em servidores quanto em PCs, e digo isso tudo com bastante consciência. Um exemplo bem simples: Um usuário acabou de instalar o Debian (versão oficial) e quer instalar o Steam, lembrando que o Steam é um software proprietário. Esses são os passos que ele terá que seguir:
https://wiki.debian.org/Steam
https://wiki.debian.org/pt_BR/Steam

Enquanto isso no Ubuntu é só entrar na loja e instalar, considerando que muito provavelmente o driver de vídeo já foi instalado durante a instalação.

Novamente, não é questão de empurrar um distro e nem de qualidade, e sim a facilidade do uso para iniciantes.

Interessante que só instalei na loja. Talvez por ter usado a ISO nonfree.

Sim. Então perceba que até mesmo esse conceito de “free” e “nonfree” para um usuário iniciante não é trivial. Você teve sorte que alguém te ajudou, mas não dá para considerar que todos vão saber que é melhor baixar uma ISO nonfree. Aconselhar baixar essa versão como se fosse algo óbvio não é muito correto. Considera-se sempre que o usuário vai baixar a ISO que está no site oficial, e a versão oficial não vem por padrão com drivers, com o Steam, …
E até para adicionar esse repositório non-free numa instalação já feita exige alguns comandos que podem assustar, e não um simples apertar de um botão liga/desliga, como o Fedora faz por exemplo.

2 Curtidas

Não repito mantras, falo por experiência própria. O Debian pode ser ótimo, mas existem peculiaridades que exigem atenção do usuário, como a necessidade de se manipular o sources.list para poder ter acesso completo aos repositórios e este é o exemplo mais simples no qual pude pensar. Alguns possuem tempo e disposição para aprender, como foi o meu caso e como pode ter sido o seu, mas isso não é regra. Pessoas que só estão tentando usar o computador não sabem nem mesmo o que é um repositório, elas só querem saber se é possível usar aplicativo x ou jogar jogo y. Não é sobre empurrar distro de estimação, é sobre ter bom senso.

Outro exemplo?

Como se instala o Spotify no Ubuntu:

abra a loja de aplicativos e clique em instalar

Como se instala o Spotify no Debian:

curl -sS https://download.spotify.com/debian/pubkey.gpg | sudo apt-key add -
echo “deb http://repository.spotify.com stable non-free” | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/spotify.list
sudo apt-get update && sudo apt-get install spotify-client

Aliás, vamos além. E se o sistema não conseguir contatar o repositório adicionado pelo Spotify? O processo de atualização não funcionará e o usuário precisará remover manualmente o repositório do Spotify. Então eu pergunto, qual é o mais fácil para alguém que está iniciando?

É comum utilizarmos nossa realidade como base, mas a nossa realidade nem sempre reflete a realidade da maioria.

1 Curtida

Tô usando Fedora pra teste, não é bem liga e desliga o RPM e RPM nonfree. Sem o RPM não tem quase nada na loja. Aliás, pra ter acesso ao que o Fedora precisa do RPM no Debian está pronto no repositório oficial.

Do site oficial do Spotify. Processo é rigorosamente o mesmo.

Mas concordo que pela loja o Ubuntu possa estar com repositório adicionado. Se diz eu acredito.

Estou comentando porque me considero iniciante, faz poucos meses. Tenho Dual boot com Debian e Fedora. Debian está liso, direto. Fedora tem que ficar contornando toda hora alguma coisa. Lembrando que vários aplicativos nem adicionando RPM aparece na loja. Só estão disponíveis via dnf no terminal - ou seja o sudo dnf groupupdate core não é totalmente funcional.

Atualmente o Ubuntu instala esses pacotes usando Snaps, e o usuário não precisa seguir esses passos. Já na tela de boas-vindas aparecem todos esses programas para instalar.
No Fedora, assim que a loja se abre pela primeira vez uma mensagem aparece recomendando a ativação dos repositórios adicionais.
O PopOS traz o Lutris já em seus repositórios oficiais, e ISOs já com os drivers proprietários de vídeo pré-instalados.

Tudo isso são passos que essas distros dão para tentar simplificar a vida dos usuários. Não são soluções perfeitas, mas são alguma coisa. O Debian não faz o menor esforço para isso, simplesmente porque essa não é a filosofia deles.

1 Curtida