Nem tudo que parece é minimalismo

Antes do início…

Olhe bem pra essas duas calculadoras:

Qual das duas é minimalista?

O início: O que é o minimalismo?

Minimalismo é um movimento artístico, filosófico e científico no século XX e voltou com força nos últimos anos, especialmente na área de experiência do usuário. O minimalismo tem como principal objetivo retirar tudo que é desnecessário para passar uma informação ou executar uma ação mantendo apenas o essencial, note que é necessário o essencial estar representado.

Minimalismo e o contexto

Se você quer mostrar para alguém como é a frontal um iPhone usando uma imagem, a única coisa realmente necessária a ser mostrada é de fato um iPhone de frente, nada mais precisa estar presente, logo segundo o minimalismo isso seria uma imagem ideal para ilustrar:

iphone-6s-993199_640

Note que a imagem anterior contém apenas como o iPhone se parece, não ajuda muito saber o tamanho de um, é claro que é possível adicionar linhas e textos informativos mas… isso aumenta a carga visual com elementos dissonantes caso você fosse vender, essa imagem não seria uma boa escolha dentro dos padrões do minimalismo, então como resolver? Uma forma de fazer isso é colocar elementos neutros mas conhecidos:

desk-603022_640

Agora talvez tenha ficado mais nítido a questão do contexto, se não:

  • no primeiro cenário, a segunda imagem tem informações extras que não tinham o objetivo de serem repassados, logo não era minimalista

  • porém no segundo cenário a primeira imagem não possuía informações necessárias, enquanto a segunda imagem possuía… isso é o chamado contexto:

Uma imagem pode ser considerada poluída em um cenário, mas limpa em outra, e o oposto também pode ocorrer: uma imagem ser limpa de mais…

O ponto chave do minimalismo é não sobrar e não faltar informações, e a sobra ou excesso é dado pelo contexto

Navalha de Ockham x Minimalismo

Nesse momento se pode formar uma dúvida: Quando a informação está presente, mas não está evidente?

Isso geralmente ocorre com interfaces e textos escritos e mais raramente em imagens, analisando a interface do Gedit:

Note que o básico pra editar texto pela metáfora do desktop está presente:

  • Botão para criar um novo
  • Botão para abrir um documento salvo
  • Botão para salvar
  • Campo pra escrever

Mas onde eu procuro por um texto ou salvo com outro nome? Isso se dá através de um Menu especial (isso também vale pra copiar, colar, recortar…):

Note que a informação está lá, mas não está acessível diretamente, e mais: a interface não muda com o contexto… porém tem os elementos essenciais… ou seja, por uma parte tem os recursos essenciais o que configuraria minimalismo, mas ao mesmo tempo recursos importantes ficam ocultos… o que faz deixar de ser minimalista… como enquadrar isso? É aqui que entra a navalha de Ockham:

Use o caminho mais simples e com a menor quantidade de elementos possíveis pra resolver um problema ou fornecer uma explicação

Lembra que o minimalismo é contextual? Aqui não, é uma regra absoluta, qualquer informação extra deve ser colocada a parte isso tem seus prós, tem seus contras, não tô aqui pra enumerar apenas para mostrar que não é a mesma coisa

Conclusão

Embora a primeira vista a primeira imagem seja a calculadora minimalista e a outra esteja poluída, vai depender muito do contexto, por exemplo, se eu precisar tirar uma raiz quadrada eu teria que fatorar os números fazer um Crivo de Eratóstenes… enfim, daria muito mais trabalho, minimalismo é contextual depende dos objetivos que se quer atingir

9 Curtidas

Gosto muito de ler textos como esse, inteligentes, bem escritos, com começo meio e fim, com certeza agrega muito ao Fórum, é um conceito que parece simples mais é intrinsecamente ligado a Forma e Função, de acordo com o objetivo pretendido, e com certeza pode ser aplicado a praticamente qualquer coisa.

3 Curtidas