MS-DOS seria (ou foi) um tipo "FreeRTOS dos PC's antigamente"?

Gosto muito da linguagem C, e vendo o código do MS-DOS 2.0 via GitHub percebo a quão baixo-nível ele funciona (Modo Real 16 Bits), estudando o Kernel do FreeRTOS apesar de apresentar muita diferença, dentro da arquitetura desses sistemas, seria correto dizer que o MS-DOS foi um sistema de tempo real para CISC (Chips Intel x86), sem claro apresentar o fator crítico de tempo, e ambiente muito escasso?

Bom dia

Falando bonito desse jeito, mal reconheço o MS-DOS 3.30, que veio no PC-XT que comprei de um amigo (usado, sem marca, montagem dele mesmo), no início de 1990.

Lembro que o MS-DOS 3.30 tinha vários comandos (mais de meia-dúzia! rs), você podia executar 1 aplicativo de cada vez (encerrar, para rodar outro), e cada aplicativo tinha de trazer seus próprios módulos para lidar com cada impressora específica.

Pelo pouco que me lembro, pra rodar alguma “linguagem” (os comandos do próprio DOS, se é que se pode chamar isso de shell, BASIC, COBOL) criava-se algo como uma camada sobre o DOS, que rodava em Assembly mesmo, algo de tão baixo nível que sua latência com comandos em binário era mínima. Adicione-se a isso gráficos levíssimos (8 bits, depois 16) e dá pra falar em não

Mas essa nunca foi minha área de conhecimento (sou de humanas desde 1990, estudar isso era hobby de adolescente) e não toco nesses temas desde os anos 1980, quando brincava com TK/ZX, Apple II, MSX e afins…

A época inicial do DOS era maravilhosa, ainda tenho meus MSX rodando as primeiras versões 8 bits para o Z80, foi aí que aprendi a programar em Assembler, quando passei a usar o XT, o DOS pareceu diferente, eu não sei dizer se ele pode ser reconhecido como um ambiente operacional em tempo real, porque ele é capaz de certos escalonamentos, apesar de ser monotarefa e monousuário.

1 curtida