Google Play Music será encerrado em Setembro

No mundo da tecnologia, uma “máxima” é que o Google tem a “fama” de criar vários serviços para a mesma funcionalidade e depois “matar” os menos populares. E com a chegada do YouTube Music não poderia ser diferente.

Como mencionamos em uma matéria feita no começo do ano (2020), foi mencionado que o YouTube Music começaria a ter as funções pra upload de musicas, compartilhar com outro usuário uma playlist que tenha suas músicas enviadas por exemplo.

Agora é pra valer e foi anunciado nesta terça-feira (4) através do blog oficial. No comunicado, eles falam que o Google Play Music será substituído por completo pelo YouTube Music em dezembro deste ano (2020). Os primeiros a entrarem “na dança” é a Nova Zelândia e a África do Sul em setembro e o resto do mundo a partir de outubro.

No post, eles também “likam” tutoriais de como fazer a migração do Google Play Music para o YouTube Music. Para acessa-lo basta clicar aqui.

Nos vemos no próximo post, forte abraço! E confira nosso Feed RSS

1 Curtida

O google é mestre em abandonar projetos. Não é a toa até hoje existe até site do cemitério de projetos do google

2 Curtidas

Sei lá, as vezes eu não esteja vendo o cenário completo, mas, para mim é muito inteligente a forma que eles lidam com projetos, sem apego, dando suporte as migrações e seguindo sempre em frente. Acho muita loucura os caras insistirem anos a fio em coisas decadentes e sem futuro, fazendo paleativos e gambiarras para manter o negocio funcionando (Não sei se é correto, mas isso me lembra a Microsoft).

E eles vão nessa, lança um serviço, não deu certo, os caras sabem se reinventar ou comprar uma empresa em crescimento para substituir seus serviços, até porque eles sabem que a integração deles com os outros ecosistemas do google deixam o produto muito forte, e se não deu certo nessa, vai dar certo na próxima, ou na próxima da próxima… :joy:

Bom, é uma visão. Eu não concordo plenamente,tanto é que até hoje tem gente que reclama da falta do google reader (e realmente até hoje não achei uma solução tão boa quanto aquela) e tem gente que tem receio de gastar uma grana em jogos no Stadia pra daqui a alguns anos o google largar o projeto e você ficar na mão (a princípio os jogos só ficam na nuem deles) mas sei lá, hoje em dia ando muito mais ressabiado com o google e outras bigtechs do que já fui no passado, então sou suspeito pra falar.

1 Curtida

Que a Google é famosa por isso não tenho dúvidas, mas que não fazia o menor sentido em insistir no Google Music, não fazia. Foi um fracasso.

Eu tenho receio com muitas dessas tecnologias também, mas, desbravar novos caminhos tem esse risco, você pode acabar caindo em um beco sem saída devido a alguma limitação de hardware, software, tecnologia e etc. Se o projeto já estiver “devagar”, muitas das vezes é melhor iniciar um novo absorvendo o que der do antigo.

Com o desenvolvimento do fushia, acredito que o google esteja investindo bastante na lapidação dos seus produtos para futuras integrações, sempre achei que o final do Windows se daria por um SO do google, mas, achava que seria uma distro deles baseada no linux, enfim, o tempo está passando, o circulo está se fechando e logo o google terá um ecosistema maior ou até mesmo melhor que o da Apple, integrando muito serviços que não estão disponíveis por lá…

Imagine você instalar o fushia, logar com sua conta Google e ter acesso a todo ecossistema deles, deu muito certo no android, as pessoas já estão habituadas com isso, não será dificil de “pegar”. Acesso nativo ao google docs, google drive, jogos através do Stadia, música pelo YT music, videos e filmes pelo Youtube e integração com os serviços google com apenas alguns cliques para instalar plugins (ex: youtube studio, analytics, admob, empresas e etc). Tudo isso sem mencionar o hardware modesto e de baixo custo pois praticamente tudo vai rodar na nuvem deles, integração entre celulares, tablets, computadores, IOT, assistente pessoal, chromecast e etc.

Creio que eles também devam partir para assinaturas mensais para esses usuários, pacote free (apps básicos, navegadores e etc), pacote produtividade (melhorias no docs, drive e etc), pacote entreterimento (YT music, Youtube filmes e etc), pacote gamer (Stadia, streaming, chat e voice) e etc, algo tipo o AmazonPrime por exemplo.

É uma aposta alta, mas tem tudo para dar certo, creio que a Apple também esta indo para esse lado usando ARM nos computadores, tentando integrar todos seus apps e fortalecer ainda mais seu ecosistema.

Tudo isso pode dar errado é claro, mas, tem tudo para ser um grande sucesso se for bem feito, ainda mais se as empresas que usam o android pre instalado começarem a usar o fushia, ai já viu, do celular para o computador é um “pulo”, veja o chome, não tirando o mérito é claro, mas, o contato com navegador através do android com certeza levou muitos usuários a utilizar no desktop também.

Quem imaginaria que o chrome cresceria dessa forma e se tornaria de longe o navegador numero 1 do mundo mesmo monitorando tanto seus usuários? Como disse, acho o Google muito “safo” em relação a projetos, sabe muito bem aonde colocar projetos prioritários e projetos Opensource e as vezes do dia pra noite o Fushia pode acabar se tornando o SO número 1 do mundo também…

Edit: Só para completar, tem também a questão do chomebook, que seria um sistema fechadinho com o hardware e que pode e com certeza irá resolver muitos problemas de travamento e erros em geral, um dos principais pontos forte da Apple.

Eu tinha um certo preconceito com o Youtube Music, mas dá para ouvir músicas de vídeos que eu estou acostumado. Achei que no máximo teria funk, sertanejo e essas baboseiras que são populares.

Achei você um visionário.
Acho que é isto mesmo , o Google criará um ecossistema com perfis específicos free , como já existe , empresas , entretenimento e games como addon.
Acho que o sistema não rodará totalmente na nuvem como no chromebook, mas rodará no dispositivo sendo integrado automaticamente com a nuvem e fazendo backup nela. E isto porque a internet pode falhar e o usuário precisa do acesso. Seria mais semelhante ao Android que ao chromebook.
O modelo de negócios será uma assinatura mensal ou anual do Google One que permitirá acesso ao drive e ao pacote contratado , bem como descontos em aplicativos ou na assinatura dos aplicativos , o que deixaria o sistema ainda mais azeitado e imbatível.
Com a união com a Canonical acho que surgirão computadores Dell / Canonical/ Google rodando um sistema Linux muito leve com tudo em snap e com integração com a Google Play Store. O Linux seria só a casca para permitir o uso do computador padrão , qualquer que fosse a marca, com os serviços do Google.
O Ubuntu irá em um núcleo bem pequeno só com o Google Chrome, cups , sane e alguns aplicativos de configuração. Quem quisesse poderia instalar pacotes snap gratuitos ou pagos , os pagos financiaram a Canonical, e quem quisesse poderia instalar pelo Google.
Um Linux compacto e enxuto , sem quase nada instalado , com cerca de 1 GB de tamanho , capaz de rodar em quase qualquer máquina e utilizar quase qualquer impressora ou scanner , e instalando todo o resto no pós instalação com snap ou app do Google.
Seria o sucesso total do Linux.