GeForce NOW chega para iOS através do Safari e para Linux

Umas das ferramentas mais interessantes para se jogar via streaming, o GeForce NOW vai chegando para mais públicos e assim se tornando uma alternativa extremamente

interessante para os “players”. Agora chegando ao iOS e ao Linux.

Em anuncio foi feito quinta passada (19/11/2020), eles mencionam que o serviço “transforma” um dispositivo de “baixa potência” em um com “alto desempenho”. E podemos “dividir” o anuncio em três partes.

GeForce NOW na Apple via iOS através do Safari

A primeira é em questão para a plataforma da Apple, que até o momento não conta com o

app do GeForce NOW para baixar na loja, e a forma que o pessoal da NVIDIA achou para contornar isso foi através do navegador Safari, que roda no iPhone e iPad através do iOS.

Com os testes da versão Beta começando na quinta (19) mesmo, mais de 5 milhões de usuários já podem testar e dar o feedback para os devs do GeForce NOW de como a plataforma está se comportando. Para quem é dos Estados Unidos, Canadá, Europa, Rússia,

Japão e Coreia do Sul e tem algum dispositivo Apple, pode assinar por US$5/mês.

Segunda parte é em relação aos jogos e as lojas que estarão disponíveis no GeForce NOW.

Para quem pergunta se Fortnite estará disponível, o pessoal do GeForce NOW pede um pouco de paciência, pois eles estão trabalhando com o pessoal da Epic Games (dona do jogo), para que possam oferecer a melhor experiência para o usuário que utilizar o jogo via navegador do Safari.

O Game Ready foi aprimorado dentro da plataforma de streaming de jogos da NVIDIA. Agora segundo eles, os games prediletos dos jogadores irão iniciar de forma mais e quase que “instantaneamente”. Isso acontece porque a NVIDIA faz o gerenciamento de todas as atualizações e patches dentro do jogo, possibilitando que os “gamers” possam jogar a 1080p e 60fps. E quando for possível jogar com Ray Tracing e DLSS 2.0, para quem for membro fundador ( Founders members).

Hoje em dia a plataforma conta com mais de 750 jogos adicionados e com mais jogos podendo ser adicionados futuramente.

Eles também estão trabalhando para conectar a loja GOG e assim possibilitar que jogos da CD PROJEKT RED’s, como Cyberpunk 2077 e The Witcher 3: Wild Hunt possam ser jogados no GeForce NOW.

GeForce NOW e o Linux

Aqui é a parte que mais me chamou a atenção e que me deixou um tanto quanto animado em relação aos jogos no Linux.

No comunicado eles mencionam que o “Chrome não foi construído em um dia”, e que o suporte do GeForce NOW para ele não seria diferente. Eles comentam que o primeiro teste feito com o cliente webRTC rodando o GeForce NOW foi em um Chromebook em versão beta em agosto deste ano (2020), e que nos meses seguintes viram que 10% das gameplays estavam vindo de clientes web-based do Chrome.

Com isso eles querem levar o GeForce NOW para mais plataformas que suportam o Chrome, como Linux, PC, Mac e Android. Eles prometem um lançamento completo para o começo do ano que vem (2021)

Sim meus amigos, Linux será uma das plataformas suportadas oficialmente para o GeForce NOW, e isso me faz pensar em muitas coisas boas para o sistema do pinguim. Como por exemplo “quebrar barreiras” e assim podermos jogar games como Fortnite e mais alguns deles que teimam em não “compatibilizar” eles para Linux, sendo nativamente ou através do Proton/Wine+DXVK.

Nos vemos no próximo post, forte abraço! E confira nosso Feed RSS

3 Curtidas

Espero que chegue no Brasil logo, não estou mais afim de comprar placa de vídeo.

2 Curtidas

Não estou mais afim de comprar máquina nova…
Espero que chegue logo e com força, apesar de que jogar com a VPN aqui vem me trazendo bons resultados, eu tambem testei o xCloud no celular, e tive uma experiencia muito boa (exceto com o forza).

Eu acho que seria melhor “descartar” o launcher nesse momento.
Ou pelo menos fazer dele um WebApp da versão de browser.

Posso estar falando uma grande besteira, mas acho que a Nvidia já está transformando o GeForce Now em seu foco principal no mundo dos games, enquanto a produção de processadores e placas de video se torna algo somente secundário, com foco em consumo interno, e outras empresas.

1 Curtida