7 distribuições Linux que ainda possuem versões em 32 bits

7 distribuições Linux que ainda possuem versões em 32 bits - Diolinux

Conheça 7 distribuições Linux que ainda possuem suporte para a arquitetura de 32 bits.

8 curtidas

Gostei da matéria. Até por lembrar que há Linux Mint em 32 bits disponível na mais nova edição.

Outros sistemas que oferecem versões recentes para 32 bits: MX Linux; Mageia; Q4OS; SparkyLinux; Bunsenlabs; Emmabuntus; e o Raspberry PI Desktop para PC. Dessa lista, o Mageia é o único sistema que não se baseia no Debian, pois se trata de um dos “herdeiros” do Mandriva.

6 curtidas

Não dá pra esquecer do Arch!

5 curtidas

Tem o Slackware, ele tbm tem versão pra 32bits

5 curtidas

PsychOS, Funtoo, Puppy e DebianDog (mistura de Debian e Puppy) também.

3 curtidas

Além do Linux, os *BSD também suportam 32 bits ainda.

4 curtidas

Interessante é só haver OpenSUSE 32-bit na versão Tumbleweed. (Sim! O OpenSUSE Leap só está disponível para x86_64.)

O Archlinux 32-bit é um projeto não-oficial, que conta com um site próprio. Sua ISO precisa ser baixada à parte — as fontes para download específicas estão listadas no site.

O Zorin OS Lite 32-bit é o da edição 15.3. Os desenvolvedores do Zorin já anunciaram que a edição 16 não contará com versões para essa arquitetura.

2 curtidas

O Arch, que eu saiba, não tem mais versão oficial de 32 bits há vários anos já. Apesar de ter versões comunitárias.

1 curtida

Ia responder, mas o @Sergio_H o fez. Adiciono algo pitoresco: uma “gambiarra” para adaptar o Manjaro a 32 bits. Nunca fiz, mas é divertida:

2 curtidas

Debian. Debian ontem, Debian hoje, Debian para sempre!

Legal saber que o Debian tem uma versão pra 32-bits. Gosto pra caramba dessa Distro e tem meu respeito pelo pioneirismo e desbravamento do mundo Linux.

2 curtidas

Combinar rolling release com 32 bits é um desafio interessante. São os caso do Archlinux comunitário e do TumbleWeed. Afinal, vem diminuindo a quantidade dos programas compatíveis.

Entre os sistemas que contam com edições fixas, o Mageia 8 e o Debian 11 vêm com software mais “fresco” (por enquanto…). Os sistemas que se baseiam no Debian vêm se atualizando. MX Linux, Devuan (tinha me esquecido dele!), Q4OS e SparkyLinux já estão com edições atualizadas.

Mas pode ser que o computador 32-bit seja muito antigo e não se entenda tão bem com sistemas novos (por conta de versão do kernel, por exemplo). Aí as edições anteriores às atuais podem funcionar: Debian 10, MX Linux 19, Devuan 3, Q4OS 3, SparkyLinux 5. Ainda têm um bom tempo de vida útil.

Bunsenlabs e AntiX ainda não estão atualizados, ou seja, sua base ainda é o Debian 10. Ainda vão ter atualizações e correções até meados de 2024.

O Slax está muito defasado, sua última versão estável tem como base o Debian 9, cuja vida útil vai até meados do anos que vem.

Puppy Linux é, na verdade, uma “família” de sistemas com bases variadas. Os baseados em versões mais velhas do Ubuntu e no Slackware estão disponíveis em versões de 32 bits. A edição mais nova calcada no Ubuntu, a 9.5 (FossaPup), só existe em 64 bits.

As versões do Mageia anteriores ao 8 chegaram todas ao fim da vida útil (não mais recebem atualizações e suporte).

2 curtidas

Atualizando: o suporte a 32 bits por ISO oficial continua no Debian, e, em geral, os sistemas que se baseiam diretamente no Debian também mantêm o suporte. São os casos do Devuan 4, do MX Linux 21, do AntiX 21, do SparkyLinux 6, e, sim, do Linux Mint Debian Edition.

Para além do Debian, permanecem oferecendo versões oficiais de 32 bits o Slackware 15, o Alpine 3.15, o OpenSUSE Tumbleweed e o Mageia 8. Aliás, testei o Mageia 32 bits em LXDE, e o “free -h” logo após o carregamento do sistema mostrou apenas 201 Mb de RAM ocupada! De quebra, o LXDE no Mageia tem uma beleza que a gente não vê nas outras distros que ainda acomodam esse ambiente gráfico legado.

Ubuntu e suas versões só comportam 32 bits nas edições muito antigas. Zorin OS, Linux Mint, Linux Lite, Bodhi Linux, Trisquel e outros sistemas baseados no Ubuntu LTS ainda deixam disponíveis suas versões 32 bits ligadas à edição 18.04.

Distros de Linux mais “exóticas” talvez persistam com o 32 bits. Os sistemas BSD, no geral, persistem, como já foi comentado.

1 curtida

Eu tentei usar o Debian de 32 bits no meu tablet/netbook, uma vez que, embora o processador (Atom Z3775) ofereça suporte a x64, a UEFI é apenas x86. Além disso, eu esperava que distros x86 seriam menos exigentes, uma vez que os 2GB de RAM desse aparelho são um fator limitante.

Após um dia de uso, desisti completamente da ideia e fui fazer gambiarras de “by-pass” da UEFI x86 para conseguir instalar sistemas x64. A razão foi simples: falta de pacotes. Boa parte dos aplicativos que eu usava regularmente (especialmente pacotes Flatpak) não estavam disponíveis para a arquitetura x86, e isso tende a se agravar cada vez mais.

É muito nobre que algumas distros ainda mantenham versões x86, mas vejo como viáveis apenas aplicações voltadas ao uso extremamente básico (o que, de certa forma, faz sentido, já que apenas computadores bem limitados tendem a receber esses sistemas). E, convenhamos, esse resquício de suporte não deve ir longe.

1 curtida

Esqueci a minha derivação de Debian favorita para computadores muito fracos: o Q4OS 32 bits com Trinity de ambiente gráfico. Muito leve e fácil de usar.

Mas vale mencionar os Debian Dogs, que embalam o Debian em ambiente só montado em gerenciadores de janela, como o JWM e o Openbox. Bonitos, muito leves e amigáveis. E, hoje, mais dentro da “filosofia Puppy Linux” que as próprias versões mais recentes do Puppy.

Nossa, fiquei surpreso por ter lido todo este tópico e não ter visto nenhuma menção ao LXLE. Uma distribuição baseada no Ubuntu LTS, com ambiente LXDE e que ainda possui suporte a processadores x86.

É pq é baseado no Ubuntu 18.04 (assim como as versões 32 do Zorin e do Mint), que daqui a um tempo (2023, acho) perderão suporte…

1 curtida

O Linux Mint Debian Edition, LMDE, ainda será opção para 32 bits para depois de 2023. Vai até 2025 a vida útil do LMDE 4, baseado no Debian 10, Oldstable. E o LMDE 5 está para sair, e terá o tempo de vida do Debian 11.

Quanto ao LXLE: sua última edição, a 18.04.03, saiu em setembro de 2019. Parece ser o projeto de uma só pessoa, e desde o fim de 2020 que seu desenvolvedor não se manifesta no fórum no site oficial da distro. Gosto muito do LXLE 18.04.03, é bem leve e organizado. Tem boa curadoria de programas que já vêm instalados. Só que, pelo jeito, encalhou. Como, porém, já vimos o Bodhi Linux sair do limbo, e também o Peppermint e o Slax, vai que…

1 curtida