Wine ou dual boot?

Eu nunca usei wine, o pouco que sei sobre é que dá pra usar ele pra rodar programas do Windows no seu Linux. Mas me vem a dúvida, é mais prático usar um wine ou um dual boot, suponho que com o wine baste você abrir o programa e usar algo do Windows (sim é tudo suposição, mesmo tendo o Google por ai) enquanto dual boot tem todo aquele processo de reiniciar o PC pra rodar o programa de maneira nativa no Windows, gostaria de abrir essa discussão aqui com os senhores e aprender um pouco mais na base da conversa.

1 Curtida

Na minha opinião a resposta e a pior possível… Depende.

Alguns programas não funcionarão com o Wine, e alguns que funcionam, ainda costuma dar trabalho.
Você terá que olhar caso a caso os programas que você precisa, se tem como substituir o app por outro alternativo, ou rodar via wine.

2 Curtidas

Vou ser bem direto com você. Wine é uma péssima solução. A verdade é que a maioria dos programas não funciona nele. Nesse caso é melhor ter um dual boot, porém existe uma terceira solução que ajuda bastante. Você pode instalar uma máquina virtual Windows usando o virtualbox. Isso facilita pois você não precisa ficar reiniciando o computador. O único problema com a maquina virtual é que ela fica limitada a “potência” do seu computador. Se a sua máquina não for muito forte recomenda-se que você abra apenas programas leves. Para rodar um office e abrir um docx urgente serve bem, agora se você for rodar um autocad é melhor reiniciar e usar o WIndows do dualboot a menos que você possua uma máquina poderosa.

4 Curtidas

Como disse o @tiago_fsmg, depende. Se o programa for indispensável, vale o uso do Wine, de uma máquina virtual ou do PlayOnLinux. O dual boot é muito pouco prático. Acho que só vale a pena se for indispensável para seu uso.

Se você for rodar programas nativos do linux via Wine ou PlayOnLinux, tem que pensar três coisas: 1) nem todos os programas vão obter bom desempenho; 2) o programa tem que ser suportado pelo Wine ; 3) em alguns casos você pode ter bastante trabalho para fazer o programa rodar ou rodar bem.

Um bom lugar para ver compatibilidade e desempenho dos programas é no próprio site do Wine: https://www.winehq.org/

2 Curtidas

Para você ter uma boa experiência com Linux, é importante usar aplicações nativas (inclusive, algumas tem versão Windows).

O Wine é aquele quebra galho - não espere por facilidades; pois quando o Wine dá problema, ele não vai funcionar (geralmente é assim :sweat_smile:)!

A melhor coisa é usar o DualBoot… se vc não tem experiência no Linux (e quebrar o negócio), você pode recorrer ao Windows, do qual já tem tempo de uso.

3 Curtidas

Muito bom! Eu realmente não tenho muita experiência com o Linux, mas uso uns programas para trabalhar bem específicos e seus equivalentes no Linux são bem ruins, eu uso o FruityLoops para mexer com áudio e etc por exemplo, ai o dual boot pra mim é indispensável!

1 Curtida

O wine roda perfeitamente o FL Studio 11 que é a versão que já testei, recomendo efetuar a compra do crossover que é barato e vai facilitar na instalação do FL Studio no linux para vc.

2 Curtidas

Mas eu uso unity engine com uns plugins e no fruity loops muitas VSTs, será que rola?

@Danielaustlab o CrossOver funciona bem?! kkkkk
Dá menos problemas que o Wine?!

Fique interessado mas não entendi como funciona a compra Get CrossOver and run Windows Software on Mac or Linux | CodeWeavers

Acho que a resposta é mais simples do que a pergunta.

As soluções Wine (Lutris, etc) são satisfatórias para você?
Se a resposta for sim, você pode usar, se for não e você precisa ou quer algum software que só rode no Windows, dual boot. :slight_smile:

5 Curtidas

Ñ sei em q ponto está o CrossOver hj, mas ele era uma forma muito boa de executar o MSOffice e alguns jogos específicos, ajudava em outros q davam problema no Wine, mas ñ todos.

De qq forma, era uma forma de evitar o dual boot, ajudava? Sim, mas era parcial, além de ser pago, o q gerava mais um problema, pagar pela licença do software q se quer usar, mais a licença do CrossOver, o q apontava pro dual boot como solução pra quem ñ quisesse pagar mais uma licença.

Levando em conta q a maioria dos softwares q se queria rodar tinham equivalentes abertos q eram apenas uma questão de adaptação, ficaria mais a critério de cada um a solução q mais agradasse.

1 Curtida

Meu windows 7 home original é 32 bits. Será que vai rodar em maquina virtual no linux 64 bits. Hoje em dia a gente só usa Linux 64 bits.

Não se tiver instalado em 32bits só poderá no máximo criar máquinas virtuais em 32bits, 64bits é retrocompatível com 32bits mas o encontrário não

Então é na hora de criar a máquina virtual que a gente escolhe se ela vai ser 64 ou 32 bits. Não tem nada a ver com o meu Mint 64 bits. É isso?

1 Curtida

Isso no VirtualBox irá aparecer qual a arquitetura que você vai querer usar nunca tive problema de máquina virtual ix86 em sistema x86_64, já que é compatível

1 Curtida

o melhor é procurar a melhor solução nativa, mesmo que a aplicação seja diferente, mesmo sendo um programa famoso ela pode ser substitutível com outra solução que as vezes pode ser até melhor. wine se não tiver jeito e dual boot em ultimo recurso.

2 Curtidas