Tinha uma época que o MSOffice era de graça?

Hoje em dia, muita gente utiliza o MSOffice 2007 pra não ter que pagar os planos do MSOffice 2019.
Tinha uma época que ele era gratuito ou só ‘ficou’ assim porque já é uma versão velha?

2 curtidas

MS Office gratuito? Só o online. Creio que muitos ainda usem o 2007 por ter sido mais fácil de “adquirir” ilegalmente em comparação a comprar uma versão mais nova e por simples ignorância de não aderir a soluções gratuitas.

5 curtidas

:wave:t2:

Eu acredito que depende das empresas. No caso se a Microsoft decidir continuar protegendo os “Direitos Autorais” do MSOffice 2007 então seria crime usar-lo de graça. Os “Direitos Autorais” funcionam como um espécie de seguro, tem de pagar $$ para proteger.
Se a Microsoft decidiu-se não pagar mais para protege-lo então ele vira um “abandonware” ou seja pode ser usado de graça. Acho que o Windows XP pode ser usado de graça também.

:pray:t2:

2 curtidas

Entendi. Acho que é porque a maioria das pessoas tinha o Office 2007 já comprado e não quis renovar comprando novas versões. Aqui em casa mesmo foi o que optamos por fazer, até a MS fechar o suporte para a versão de 2007.
Não sabia que o Office era gratuito online. Já tentei acessar, mas ñ consegui. Ñ lembro se foi pedido de pagamento o impedimento.

Basta ter uma conta outlook/hotmail e sair usando. Particularmente prefiro usar o OnlyOffice, mas existem casos e casos. Exemplo, quem precisa usar macro VBA, ou tenta a sorte no LibreOffice ou vai para o “melhor” caminho mesmo que, neste caso, é o Office da Microsoft.

3 curtidas

Eu costumo usar o MS Office e o Google Docs online, então eles são “De graça” :sweat_smile:.
Como o João disse, basta nós termos uma conta de email e pronto :vulcan_salute:t2:.

2 curtidas

Não existe esse seu conceito de abandonware, é papo de pirateiro.

1 curtida

Era o 2010 student creio eu

2 curtidas

Entendo… Eu aprendi isso na faculdade em 2014. Não é meu o conceito :joy:

O segundo link é bom para mostrar um pouco como funciona copyright ou direitos autorais.

:vulcan_salute:t2:

1 curtida

Nunca existiu Microsoft Office freeware. O que existiam eram os readers/viewers para MS-Office, que eram sim gratuítos, mas, já foram descontinuados pela Microsoft:
https://support.microsoft.com/en-us/topic/supported-versions-of-the-office-viewers-a2a766fe-06bb-b0d7-2a55-e200d9ccad6f
Para além disso, o que acontecia é que a suíte, junto a outros softwares, poderia vir pré-instalada (com o preço embutido) sob a forma OEM já de fábrica em computadores montados, algo muito comum na época dos “kit multimídias”, onde boa parte do uso do computador dependia de softwares instalados localmente já que poucos tinham acesso à internet, e quando tinham em sua maioria era discada.
Outra coisa que poderia acontecer (e ainda acontece) é que a Microsoft por meio de parcerias em marketing social, disponibilizar seus softwares a menor custo para instituições culturais, sociais, de ensino e pesquisa, e por extensão para estudantes, professores, pesquisadores, sócios, membros, etc. Dependendo do caso, a empresa pode ofertar a licença até gratuitamente (o que inclusive é uma das origens do mercado cinza de licenças baratas).

6 curtidas

O Microsoft Office 2007 nunca foi gratuito… Assim como o Windows XP. Continuam sendo programas pagos e protegidos por direitos autorais. Usá-los sem a devida licença é considerado pirataria.

No caso do Microsoft Office, mesmo versões antigas ainda continuam sendo bem funcionais, então muitas pessoas com licenças originais acabam optando por não fazer upgrade.

2 curtidas

É isso mesmo, Kairan. Foi o que percebi mesmo. Muito obrigada pela resposta.

1 curtida

No meu mundo ideal, a empresa que deixa de dar suporte/atualizações significativas do software por mais de um ano, ou que o deixa de ofertá-lo à venda, estaria colocando na categoria de “abandonware”.

1 curtida

Ainda faz sentido comentar nesse tópico?

É, mais ou menos, até o lançamento do Windows você comprava uma caixinha, dentro vinha um CD, licença e uma chave:

images - 2021-11-17T083904.304

E você só conseguia ativar com essa chave, obviamente é fácil piratear mas alguém tinha que comprar, e a Microsoft usou bastante esse método até o grande fiasco do Windows Vista, nesse momento a Microsoft percebeu que era mais vantajoso ter usuários dependentes dela que usuários pagantes, resultado disso foi o “Ativar depois” só que embora você tivesse que usar uma chave depois de 30 dias, alguns detalhes diferenciavam o método anterior, primeiro que você não precisava mais que alguém comprasse a mídia física, você poderia ir no site da Microsoft e baixar mas a ativação ainda era offline e o outro detalhe crucial pra surgir o mito do MS Office gratuito era que anteriormente a ativação modificava arquivos binários mas agora bastava modificar alguns arquivos de texto não demorou muito pra surgir ferramentas que automatizavam o processo, junte isso ao fato de que a maioria das pessoas nunca precisou instalar o Office e vc tem o mito do MS Office 2007 gratuito oficial da Microsoft

2 curtidas

Mais ou menos, o termo correto seria “obras órfãs”, o pessoal acha que abandonware (esse termo é mais legal) é qualquer software que não recebe atualizações, mas não é bem por aí, pra ser abandonware precisa cumprir um requisitos extra, que é justamente ser órfão, ou seja o sistema operacional requerido pra rodar o software não existe mais OU o Hardware requisitado pra rodar o software não existe mais pra ser comercializado exigindo emulação, isso nos EUA desde 2003:

Programas de computador e video games distribuídos em formatos que se tornaram obsoletos e que requerem a mídia ou o hardware original como condição de acesso. … O registo concluiu que na medida em que as bibliotecas e arquivos desejam fazer cópias de preservação de software e video games publicados que foram distribuídos nos formatos que estão (seja porque o meio físico no qual foram distribuídos não está mais em uso ou porque o uso de um sistema operacional obsoleto é necessário), tal atividade é um uso não infrator coberto pela seção 108 (c) da lei de direitos autorais.

A questão é: o MS Office não atende nenhum dos requisitos e provavelmente nunca vai atender

3 curtidas

Tem também mais um caso, a empresa detentora dos direitos pode publicamente abrir mão e liberar para “domínio público”, já aconteceu.

1 curtida

@TiagoCardoso e parece que o Windows nunca liberou nada pra domínio público, né?

Posso até estar enganado, mas creio que não, até porque aposto que muita coisa do windows 3 ainda está presente no 11.
O DOS (e olha que é velho) foi disponibilizado para domínio público em 2014:

2 curtidas

Sim, não por iniciativa própria. Que eu saiba, a Microsoft jamais abriu mão de seus direitos sobre seus produtos, mesmo dentre os gratuítos. E no que depender da legislação internacional, também deve demorar de um modo geral. Se você tomar a dos Estados Unidos da América, que é praticamente o padrão internacional em termos de regulamentação, porém uma das mais protetivas, os produtos da Microsoft estarão resguardados por 95 anos.
Segundo a Wikipédia, é possível perceber que a média global é de 50 anos:

  • Afeganistão: Antes de 2002, sem tratado. Após 2002, desconhecido.
  • África do Sul: Vida+50
  • Albânia: Vida+50
  • Alemanha: Vida+70 As fotos que não são “trabalhos criativos” vão ao domínio público 50 anos após sua criação ou publicação mais recente.
  • Andorra: Vida+70
  • Angola: Vida+50
  • Arábia Saudita: Vida+50
  • Argélia: Vida+50
  • Argentina: Vida+50
  • Armênia: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Austrália: Se o autor morreu antes de 1955, seu trabalho está no domínio público.
  • Áustria: Vida+70
  • Azerbaijão: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Barém: Vida+50
  • Bangladexe: Vida+50
  • Barbados: Vida+50
  • Bélgica: Vida+70
  • Belize: Vida+50
  • Benim: Vida+50
  • Bielorrússia: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Bolívia: Vida+50
  • Bósnia e Herzegovina: Vida+70
  • Brasil: Vida+70
  • Brunei: Vida+50
  • Bulgária: Vida+50
  • Burkina Faso: Vida+50
  • Burundi: Vida+50
  • Butão: Sem tratado
  • Camboja: Vida+50
  • Canadá: Vida+50
  • Cazaquistão: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Chile: Vida+70
  • China (R.P.): Vida+50. As fotos vão ao domínio público 50 anos após sua criação.
  • Chipre: Vida+50 (Tratado:Vida+70)
  • Colômbia: Vida+80
  • Coreia do Sul: Vida+50
  • Costa Rica: Vida+70
  • Costa do Marfim: Vida+99
  • Croácia: Vida+70
  • Cuba: Vida+50
  • Dinamarca: Vida+70
  • Djibuti: Vida+25. (Tratado:Vida+50)
  • Equador: Vida+70
  • Egito: Vida+50
  • El Salvador: Vida+50
  • Emirados Árabes Unidos: Vida+50
  • Eslováquia: Vida+70
  • Eslovênia: Vida+70
  • Espanha: Vida+70
  • Estados Unidos: Veja Trabalhos registrados ou publicados originalmente nos Estados Unidos acima.
  • Estônia: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Etiópia: Sem tratado
  • Fiji: Vida+50
  • Filipinas: Vida+50, porém isto é contestado.
  • Finlândia: Vida+70
  • França: Vida+70
  • Gana: Vida+50
  • Geórgia: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Grécia: Vida+70
  • Guatemala: Vida+75
  • Hong Kong: Vida+50
  • Hungria: Vida+70
  • Iémen: Aparentemente sem tratado, porém isto é incerto.
  • Ilhas Salomão: Vida+50
  • Índia: Vida+60 As fotografias vão ao domínio público 60 anos após suas criações.
  • Indonésia: Vida+50
  • Iraque: Antes de 2004, Sem tratado. Após 2004, desconhecido.
  • Irã: Sem tratado
  • Irlanda: Vida+70
  • Islândia: Vida+50
  • Israel: Vida+70
  • Itália: Vida+50 (Tratado:Vida+70)
  • Japão: Vida+50
  • Jordânia: Vida+50 * Kuwait: Vida+50
  • Laos: Desconhecido
  • Letónia: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Líbano: Vida+50
  • Líbia: Vida+25
  • Liechtenstein: Vida+70
  • Lituânia: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Luxemburgo: Vida+70
  • Macau: Vida+50 As fotografias vão ao domínio público após 25 anos de suas criações.
  • Madagascar: Vida+70
  • Malawi: Vida+50
  • Malásia: Vida+50
  • Malta: Vida+70
  • México: Vida+100
  • Moldávia: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Mongólia: Vida+50
  • Montenegro:
  • Marrocos: Vida+50
  • Namíbia: Vida+50
  • Nepal: Sem tratado
  • Nova Zelândia: Vida+50
  • Níger: Vida+50
  • Nigéria: Vida+70
  • Noruega: Vida+70
  • Oman: Vida+50
  • Países Baixos: Vida+70
  • Paquistão: Vida+50 As fotografias vão ao domínio público após 50 anos.
  • Panamá: Vida+50
  • Papua-Nova Guiné: Vida+50
  • Paraguai: Vida+70, porém se um trabalho foi criado no Paraguai e publicado anteriormente sem uma nota de direitos autorais, ele está no domínio público.
  • Peru: Vida+70
  • Polônia: Vida+70, porém os trabalhos publicados até 23 de Maio de 1994 sem uma nota de direitos autorais clara estão no domínio público.
  • Portugal: Vida+70
  • Qatar: Vida+50
  • Quênia: Vida+50
  • Quirguistão: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • República Checa: Vida+70
  • Roménia: Vida+70
  • Rússia: Vida+70, porém os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • São Vicente e Granadinas: Vida+50
  • Samoa: Vida+75
  • São Marino: Sem tratado
  • Sérvia: Vida+50
  • Seychelles: Provavelmente Vida+25, porém isto não é claro.
  • Singapura: Vida+50 (Tratado:Vida+70) Fotografias e tratados governamentais caem em domínio público 50 anos após a sua publicação.
  • Sudão: Vida+25 (Tratado:Vida+50)
  • Suécia: Vida+70
  • Suíça: Vida+70
  • Síria: Vida+50
  • Tajiquistão: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Tailândia: Vida+50
  • Taiwan: Vida+50 As fotografias vão ao domínio público após 50 anos.
  • Tanzânia: Vida+50
  • Togo: Vida+50
  • Tonga: Vida+50
  • Trinidad e Tobago: Vida+50
  • Tunísia: Vida+50
  • Turquia: Vida+70
  • Turcomenistão: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Ucrânia: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Reino Unido: Vida+70
  • Uruguai: Vida+50, porém se um trabalho é criado no Uruguai e é publicado pela primeira vez sem uma nota de direitos autorais, o trabalho está no domínio público.
  • Uzbequistão: Os trabalhos publicados na União Soviética antes de 27 de Maio de 1973 não são protegidos pelas Convenções Internacionais de Direitos autorais e estão portanto no domínio público.
  • Venezuela: Vida+60
  • Vietnã: Vida+50
  • Zâmbia: Vida+50
  • Zimbabwe: Vida+50

Legislação dos EUA:

Tempo de expiração por país:
https://wipolex.wipo.int/en/treaties/ShowResults?start_year=ANY&end_year=ANY&search_what=C&code=ALL&treaty_id=15
Diretiva de Obras Órfãs da União Européia:

Convenção de Berna:

Legislação brasileira vigente:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9610.htm

2 curtidas