Sobre essa polêmica do suporte 32bit do Ubuntu, por que não poderia haver um repositório separado?

Não sei se isso vale um tópico separado, é que tenho um ponto em específico para discutir aqui, o porquê de uma certa medida não ser usada.

Entendo o porquê da Canonical não querer mais disponibilizar distribuições inteiras em 32bit, afinal faz mais de 10 anos – creio eu – que a maioria dos computadores vendidos ao grande público suportam sistemas em 64bit.

Como talvez vocês já devem ter entendido pelo título, por que – em um sistema 64bit – a Canonical não poderia disponibilizar um repositório para pacotes 32bit de softwares sem suporte a 64bit, a exemplo do cliente da Valve, o WINE e até outros programas menores como ZSNES? Por padrão o sistema viria apenas com pacotes 64bit, mas se o usuário precisasse instalar um software cujos pacotes estão disponíveis apenas em 32bit, ele teria esse repositório a sua disposição.

Posso estar equivocado, mas não creio que manter um repositório com alguns pouquíssimos pacotes 32bit não daria tanto trabalho assim.

4 Curtidas

É o que o Arch Linux faz, o repositório multilib é separado do repositório principal. Não sei se isso necessariamente reduz o trabalho, mas pelo menos mantém as coisas mais organizadas.

8 Curtidas