[Projeto] - Linux em Prefeitura

Isso é Brasil sim. Acho que 90% das prefeituras do Brasil usam windows pirata. Aqui na minha cidade também. Meu filho é engenheiro na prefeitura daqui, e lá usam bastante o Corel. O problema é esse, será que daria para usar um tão bom quanto no linux?

2 Curtidas

Sim, os pcs vinham com Windows, mas eles usavam o LibreOffice em vez do MS Office. Já trabalhei assim na prefeitura da minha cidade e no MPF. Mas no MPF era tão desatualizado que a versão ainda era do tempo do BR Office.

2 Curtidas

Olá amigo. Considero uma excelente atitude esta que você está tomando. Creio que, inclusive, você já está apto a preparar desktops para trabalhos de escritório na prefeitura.

Abstraindo a parte técnica, que pode ser discutida posteriormente, creio que o projeto deve focar no que realmente vai fazer ele funcionar ou não, ou seja, nas duas questões abaixo:

  1. Resistência à mudança dos próprios usuários;

  2. Compatibilidade dos arquivos gerados pela prefeitura com outros sistemas.

Eu já tentei implementar o Linux para algumas pessoas, pois julguei a melhor solução: as pessoas iriam abrir email, no máximo escrever algum documento no Writer e navegar pela internet. Mas mesmo assim as pessoas não gostaram do Linux pelo simples fato de não querer aprender a usar um novo editor de texto.

Para o caso (1), você terá que estudar o uso de cada pessoa e tentar levantar um estudo de impacto no trabalho deles, ou seja, o que eles terão que aprender para fazer as mesmas tarefas que eles faziam antes. Com esse estudo levantado você terá um argumento mais sólido para aquelas pessoas que querem colocar areia.

Para o caso (2) você terá que estudar quais os destinos e origens dos documentos gerados e recebidos pela prefeitura. Infelizmente, existem ainda algumas situações que muda formatação no pacote Livre Office ou não compatibilidade entre soluções comerciais e livre de outros softwares. Você precisa estar seguro que tudo funcionará bem, sem problemas de incompatibilidade.

Após fazer as tarefas (1) e (2), escreva o projeto, faça reuniões, apresente os motivos, procure exaltar pontos positivos em usar o novo sistema, principalmente se houver benefício em economia de tempo, praticidade para os usuários.

Caso você esteja totalmente convencido e convencer as pessoas, implemente o seu projeto. Caso contrário, sugiro que desista e implemente em máquinas de seu uso exclusivo. Infelizmente quando se lida com pessoas, principalmente a esfera do funcionarismo público, existe uma grande má vontade em fazer as coisas e não valerá a pena você se “meter” nisso. Ficará mal visto e caso dê algum problema, vão dizer que o culpado é você.

Parabéns pela iniciativa e boa sorte.

4 Curtidas

Eae Ronaldo, blza? Espero que sim =D

Gostei da sua atitude de “dar uma limpa” na pirataria e tudo mais ai na prefeitura, alem da segurança, está tratando o dinheiro do contribuinte com “respeito”. Sério isso é louvável. Sobre a implementação, vamos la !!! :grimacing:

1 - Para não ter a tal “curva de aprendizagem”, considere por o Linux Mint e/ou Xubuntu (nas versões LTS), pois creio eu, vai reduzir drasticamente essa tal “curva”. Sabe um teste que você pode fazer??? (e que deu certo aqui) :grimacing::smiley: Coloque a pessoa na frente de uma maquina com as distros e peça para ela mexer, o resultado vai ser surpreendente rs. A barreira meio que cai na hora kkkkk.

2 - Formatos dos arquivos como Documentos e Planilhas, oriente a galera à salvar nos formatos abertos (odt para texto e ods para planilhas), assim diminuindo a dor de cabeça. Se precisar editar formatos proprietários, como .doc/.docx/.xls e .xlsx, pode recomendar o uso do Office Online ou o uso da versão free do FreeOffice (SoftMaker, empresa alemã) ou da versão feita pela comunidade do WPS OFFICE. Alem de mostrar que arquivos em PDF abrem sem nenhum problema.

3 - Verifique se os programas que são utilizados tem alguma compatibilidade com Linux, mesmo sendo via Web Browser. Se não tiver como, mantenha uma VM ou Maquina Física com a ultima versão do Windows se possível.

4 - Para servidor, como já recomendaram, pode ir de Debian, CentOS ou também de Ubuntu Server. Se a maquina for forte, você pode subir VM para o programa que vc precisar rodar na versão de servidor.

5 - (Acho o mais trabalhoso rsrs) Se possível, documente tudo, das coisas mais “banais” como “Como que eu abro o menu iniciar no sistema X” ate os endereçamentos de IP e afins. Serio, isso vai te livrar de uma dor de cabeça colossal. E fazendo um complemento rsrs, se for ensinar o novo sistema pra galera, tente ser o mais simples e objetivo possível. Tente também criar ligações com as coisas que a galera ja aprendeu.

:vulcan_salute: :nerd_face::metal:

3 Curtidas

Errado, o Debian tem sim suporte a softwares proprietarios, porem não vem ativado por padrão, você teria q editar a source.list e adicionar os respositorios “contrib” e “non-free”.

Uma opção seria o Linux Mint Debian Edition (LMDE), que como o nome diz é o Mint baseado no Debian, basicamente um Debian um pouco mais atualizado, facil de mexer e com melhor suporte aos softwares proprietarios.

Essas duas opções são interessantes, o LMDE e o Ubuntu, que é o que você ta querendo por.

3 Curtidas

Obrigado, vou baixa-lo e dar uma olhada nele então. Depois eu te digo o que achei.

2 Curtidas

Obrigado pela ajuda.
O que notei nas pessoas foram:

  1. Elas se orientam pelo ícones, não pelos nomes. Quando “atualizei” o Office pirata do 2013 para o 2019, na própria mudança do ícone já encontraram dificuldade em encontrá-lo.
  2. Nisto também há, portanto, a dificuldade de encontrar os softwares pelo menu do estilo Windows.
  3. Não fiz um estudo de cada um separadamente, é até difícil porque, quando comecei já quiseram levantar a razão para tal, onde então teria que apresentar o projeto para justificar o estudo de caso.

Sim, notei sim. Tenho alguns arquivos muito bem feitos no MS Office que não abriu como deveria em nenhum deles, ora ou outra o simbolo da Prefeitura fica oculto no cabeçalho, as margens das páginas mudam, fora que eu não sabia que a fonte Arial e outras eram da Microsoft e que precisa ser instaladas.

Foi isso mesmo que eles pediram.

Aqui já é sempre culpa da T.I, sabe coméné kkkk

1 Curtida

O LMDE é uma bomba: depois de alguns meses usando, quando vc atualiza, quebra. Já aconteceu isso comigo várias vezes.

1 Curtida

Primeiro vc tem que ver se algum setor usa algum programa proprietário que rode apenas no Windows. Normalmente esse softwares de gestão feito por empresas pequenas são exclusivos de windows. Isso já pode ser é agravante na migração, onde vai ter a maior resistencia, pois sem algum desses programas de gestão os serviços prestados pelo município podem parar, ou atrasar bastante gerando descontentamento da população e do proprio prefeito e chefes de setor.

Outro problema é como foi dito, ao comprar maquinas novas elas virão com windows instalado e vc vai ter que assumir a bucha se alguma maquina nova der problema e precisar da garantia. O pessoal das autorizadas vai dizer que perdeu a garantia e vai enrolar o maximo pra não corrigir o problema.

2 Curtidas

O Ricardo eae, eu curto seu canal parabéns!!!

Eu já fiz isso! Quando eu fui numa sala e tinha perguntado sobre se um software de relógio ponto teria para Linux, a sala entrou em histeria! Uma delas clamou horrendas experiencias passadas. Então certo dia ela passou na minha sala, pedi pra sentar e usar, deu uma ajudinha bem de leve, ela usou e usou e ai começou a elogiar tanto que é pediu pra ela e perguntou que Windows era aquele, ai eu disse que esse era o tal Linux que você tava descendo o pau naquele dia. Mano a cara de bundo foi Homérica! kkkk

Sobre a curva eu entendo, mas eu acho tão promissor o GNOME quanto qualquer outra interface, o problema é ela ser um pouco pesada e aqui tem um desiquilibro monstruoso de hardware, aqui temos alguns com Ryzen 3 2200g com 8GB de RAM á Pentium 4 de 2GB.

Não testei ainda em formatos odt e ods, vou checar.

O software que a prefeitura utiliza é via acesso remoto ao servidor, mas já chequei que um não tem para Linux.

Por enquanto está fora de questão, não temos infraestrutura para instalarmos.

Sim, estou praticamente sozinho aqui e docmuntar é realmente trabalhoso, principalmente se por em escrito.

Em que sentido ezxatamente?

Pois então, como disse sobre o GNOME, ele é semelhante aos Smartphone e isso as pessoas sabem usar, elas sabem usar o celular. E tem, no meu ver, uma filosofia fundado no principio de Pareto e do Minimalismo, pois se observarmos bem, a maioria das pessoas não utiliza todos os recursos de algum software, são poucas as pessoas e GNOME traz esse conceito.

Um usuário padrão, ele não estará perdendo tempo tentando encontrar o que precisa, pois ali só terá o essencial.

Eu até pensei em fazer uma pegadinha em deixar um PC novo com Linux e não nada a ninguém e só observar o que irá acontecer kkk.

1 Curtida

Esquece o Gnome em uma primeira fase, vai com uma interface que lembre o que as pessoas já estão acostumadas.

Lembre-se que o W8 foi duramente criticado por sua mudança no padrão.

1 Curtida

Então os que não forem compatíveis não irão mudar.
E garantia não chega a funcionar muito aqui, só quando se trata de hardware mesmo.

1 Curtida

É verdade, pensei no Kubuntu pelo seu baixo consumo e facilidade de customização, mas a configurações do Kubuntu é muito mais complexa do que as outras DE.

1 Curtida

Vai de Cinnamon ou Xfce com Whiker Menu

2 Curtidas

Na verdade o Kubuntu é tão simples quanto o Ubuntu. O diferencial são as customizações possíveis. Essas sim podem ser um pouco mais complicada mas não é tanto assim. Para facilitar você pode criar um desktop padrão previamente configurado do kubuntu e criar uma imagem com tudo pronto. A partir disso você poderia instalar essa imagem em qualquer máquina sem ter de reconfigurar uma por uma. Caso você realmente esteja tendo problemas com o Kubuntu você pode usar um Xubuntu customizado. Com ele você poderia manter a leveza. Outra opção é o Ubuntu Mate que usa o gnome 2. Ela também é uma interface extremamente leve e é bem agradável de usar. Mas independente do qual interface gráfica você for usar, o segredo é criar em uma máquina todas as configurações que você precisa. Uma vez que esteja pronto sua máquina padrão, você pode clonar o HD com o comando DD criando uma imagem. Depois disso bastaria escrever essa imagem em cada máquina e ela já teria as configurações necessárias. A única coisa que você vai ter de fazer é mudar o nome da máquina no arquivo /etc/hostname . Lembre-se que uma vez instalada a imagem as pessoas iram começar a usar e escrever arquivos em seus respectivos home’s. A partir desse momento cada máquina será diferente devido aos arquivos. Para facilitar você pode instalar o sistema em uma partição separada do home. Com isso você criaria apenas uma imagem da partição de sistema usando o DD. Em caso de alguém estragar a máquina você poderia restaurar o backup a partir da imagem criada do sistema. Os homes continuariam lá bastando após a restauração do sistema mudar o nome dá máuina e adicionar os usuários. Outra vantagem desse sistema é que as personalizações pessoais de cada usuário seriam mantidas. Outra dificuldade que você irá ter é manter as máquinas atualizadas. Isso pode ser meio chato de fazer em cada máquina. Quando administrei várias máquinas linux usei o shell distribuído (zsh) para atualizar tudo ao mesmo tempo. O problema é que nem sempre dá certo e as vezes quebra o sistema. Aí você tem de concertar um a um dando sudo dpkg --configure -a. Resumindo as ideias temos:

  1. Crie uma máquina padrão
  2. Crie uma imagem da partição do sistema usando DD
  3. Particione os hds de cada máquina no formato da máquina padrão. Você pode usar o gparted para isso.
  4. Copie a imagem do sistema para partição de sistema em cada hd.
  5. Mude o nome da máquina no /etc/hostname/
  6. Adicione os usuários em cada máquina

Com isso seu trabalho será facilitado.

2 Curtidas

Uns 10 anos atrás tentei elaborar um projeto para prefeituras, usando o sistema e-cidade, porém, a resistência e as limitações foram muitas.

Se alguém tiver interesse em colaborar, podemos criar um projeto viável.

1 Curtida

Não conheço, é um projeto?

1 Curtida

O e-cidade destina-se a informatizar a gestão dos municípios brasileiros de forma integrada.

2 Curtidas

Olá @Ronaldo … primeiramente parabéns pela iniciativa! e gostaria de contribuir em alguns pontos …

Nós devemos entender que as pessoas não gostam de sair da sua zona de conforto, então dizer a elas que algo vai mudar (mesmo que seja para melhor) vai trazer desconforto a elas. Neste caso para algumas pessoas que são “mais leigas” no assunto você não precisa informá-las que vai trocar de sistema (desde que ela continue exercendo sua atividade como de costume). Já outras pessoas(normalmente pessoas “mais novas”) você pode “recrutá-las” para este projeto para ajudar você com as pessoas que venham a ter dificuldade com as mudanças. Faça com que estas pessoas recrutadas sejam parte importante do projeto.

2 Curtidas

Opaa vlww pelo apoio hehe

Sobre os pcs q vcs tem, os mais parrudos vc pode por Gnome e os mais fraquinhos pode por Cinnamon ou XFCE, com uma leve customizada. Creio q vai ajudar e muito. E sobre a reação, é essa mesma kkkkk

Sobre a dor de cabeça q mencionei, e que aprendi na Faculdade, quanto mais vc documentar a sua rede e processos, mais facil fica a operabilidade dele. Pensa assim, no dia q vc precisar sair ou de alguma auditoria, se vc estiver com tudo documentado, ate os processos, vc vai conseguir resolver tudo mais rapido saca. E outra, vc documentando tudo, se alguem precisar de ajudar e vc tiver um materia de facil acesso, a galera vai “se virar melhor” e assim tb de “lambuja” começar a gostar do sistema manja.

Sobre o servidor, comece a cotar e fazer levantamentos, pois ele vai ser o seu grande aliado. E tb va ver o e-cidade, um projeto do governo q ajuda pakas.

2 Curtidas