Precisamos falar sobre o Pop!_OS

Muitas pessoas julgam o Pop!_OS como um simples requinte do Ubuntu, uma versão remasterizada com uma customização diferenciada e eu acredito que seja necessário desmitificar isso, desmembrando o que é o Pop!_OS, o que ele faz e porque ele é diferente, utilizando como base a documentação do mesmo e uma entrevista realizada por Jay LaCroix, dono do canal LearnLinuxTV, com Jeremy Soller, engenheiro principal da System76 – empresa responsável pelo Pop!_OS.

No dia 28 de janeiro desse ano, o canal Diolinux postou um vídeo intitulado “Windows 7 Open Source e BUG no Pop!_OS”, onde neste foram feitas algumas afirmações despretensiosas, uma vez que essas não são verdade, sendo estas “o Ubuntu vai chegar com algumas mudanças que vão tornar o Pop!_OS um pouco menos interessante”, “[…] drivers da NVIDIA diretamente na ISO, um monte de coisas que eram diferenciais do Pop!_OS, agora já estão no Ubuntu também”, “Eu acho que eles acabam perdendo um pouco da relevância […]”.

Inicialmente a System76 vendiam computadores com Ubuntu, mas com o passar do tempo e ao perceberem que o Ubuntu não era uma distribuição com a qual eles podiam contar cegamente devido a certas decisões da Canonical, eles decidiram buscar por algo diferente, algo mais prático que atendesse eles de uma melhor forma e assim surgiu o Pop!_OS.

Eventualmente, a System76 desenvolveu sua própria versão do Kernel, adaptaram-no e criaram uma integração com os Drivers da NVIDIA para garantir uma experiência out-of-the-box, permitindo que o usuário não se preocupe com absolutamente nada a não ser utilizar o sistema, sendo desde sempre a ideia de “melhor compatibilidade com Hardware” um objetivo extremamente importante. O Pop!_OS é cheio de exclusividades a baixo nível, ou seja, possui uma base de sistema extremamente otimizado, com features matadoras tal como um sistema de gerenciamento de energia que faz com que o uso excessivo de Fans seja evitado e um modo automático para placas híbridas, fazendo com que a placa dedicada seja sempre utilizada quando necessário e caso nenhuma aplicação que exija performance da mesma não esteja em execução o sistema acaba alternando para a placa integrada ao processador para economizar energia. Portanto, podemos ver que a System76 não inclui apenas o driver da NVIDIA na ISO, muito menos faz configurações simples dignas de requinte igual alguns “pregam”, pelo contrário, eles fazem um trabalho minucioso, muito complexo e extremamente abrangente no que se refere a hardware, desenvolvendo uma base diga de aplausos com este trabalho que é impar no mundo Linux.

O Pop!_OS também possui uma partição de recuperação, algo mainstream em sistemas operacionais mas que é negligenciada em outras Distros Linux. A partição de recuperação é uma cópia completa da instalação do Pop! _OS, podendo ser usada como fosse um pendrive bootável com a imagem do Pop!, permitindo a reparação ou reinstalação do sistema no modo de recuperação. Você também pode executar uma instalação de atualização sem perder nenhum dado ou optar por fazer uma nova instalação, que redefinirá essencialmente todos os dados do sistema operacional. Para ter acesso a esse menu, pressione e segure BARRA DE ESPAÇO enquanto o sistema está inicializando, porém essa função só está disponível caso você use o formato de particionamento padrão do Pop!_OS.

Atualmente, o Pop!_OS possui várias novidades prontas para serem integradas, estas que estão listadas no RoadMap da Distro, dentre estas novas tecnologias únicas do Pop! para melhorar a performance e o comportamento do sistema e novidades como o abandono do Launchpad (plataforma da Canonical) para que eles possam hospedar os seus próprios repositórios, assim como também novidades mainstream no ecossistema Linux tal como a implementação do ZFS e adoção/integração dos Flatpaks ao sistema. Infelizmente, todos os diferenciais acabam passando despercebidos pela grande maioria devido a sua natureza.

Quando a terceira geração de processadores Ryzen foi lançada recentemente, os processadores tinham – e tem – um problema de incompatibilidade com o SystemD, fazendo com que nenhuma Distribuição conseguisse realizar o boot, porém a System76 conseguiu resolver esse bug antes mesmo dos processadores serem lançados, fazendo com que Pop!_OS fosse a única distribuição funcionando com o Ryzen 3 por um tempo, permitindo que eles vendessem as suas máquinas com o Ryzen 3 no dia 1. Por outro lado, pelo Ubuntu seguir uma política mais burocrática para aprovação de atualizações, a atualização do Kernel necessária para sanar os problemas com o Ryzen 3 só vai estar disponível no Ubuntu 20.04 e só após isso talvez essa atualização chegue no Ubuntu 18.04 e isso é algo muito grave que mostra o quão falho é o atual modelo do Ubuntu, sendo estas palavras de Jeremy Soller. Levando em consideração esse fato, eu levanto o seguinte questionamento: se o Pop!_OS perdeu um pouco de confiança devido ao bug recente que durou apenas algumas horas, quanta confiança o Ubuntu perde por possuir uma falha que perdura e vai perdurar por meses?

Após ter esclarecido alguns pontos importantes e ter mostrado que o Pop!_OS é o seu próprio sistema operacional, eu gostaria de citar algumas declarações de Soller sobre o Pop!_OS, Ubuntu, suas diferenças e algumas ponderações que estão sendo feitas sobre o futuro da Distro.

  • Eles (Canonical/Ubuntu) sempre ficam atrasados nesse quesito (suporte a hardware) após o lançamento de uma versão, porque eles congelam suas versões. A versão que está em desenvolvimento, 20.04, por exemplo, ela vai ter suporte a hardware novo, mas isso até que a Canonical comece a congelar os pacotes do Ubuntu, a partir dai atualizações do Kernel, estes que são fundamentais para o suporte de novo hardware, acabam ficando cada vez mais escassos, enquanto nós da System76 possuímos todo hardware que você pode imaginar, então sempre estamos a par do funcionamento das máquinas e atualizamos constantemente o nosso sistema.

  • Como nós da System76 queremos que os nossos usuários e consumidores sempre tenham a melhor experiência possível, nós nos distanciamos porque o ciclo do Ubuntu não estava funcionando conosco. No caso do Ryzen 3, por exemplo, como você iria instalar o patch de correção no Ubuntu sendo que a ISO do Ubuntu é de uma versão congelada? Isso até mesmo me impressiona, porque Pop!_OS funciona, basicamente, em qualquer máquina, seja nossa ou não e me impressiona também nós estarmos crescendo tanto, especialmente entre gamers, isto porque nós estamos dando suporte para hardware o mais rápido possível.

  • Caso seja necessário nós somos capazes de mudar a base do Pop!_OS e nós já testamos o Pop! com a base Debian como uma possível alternativa caso o Ubuntu decida fechar o sistema em Snaps.

  • O que o Fedora e o Ubuntu estão empurrando agora é ter uma base estática e ter Flatpaks ou Snaps fornecendo atualizações para os aplicativos e eu penso que isso é ótimo no que se refere a aplicativos, mas eu não acho que uma base estática seja algo bom. O que o Ubuntu está tentando fazer com os Snaps é ter os programas sempre atualizados sem serem forçados a atualizar a base, enquanto nós queremos um sistema sólido mas sempre atualizando a base para melhorá-la.

  • A política deles (Canonical/Ubuntu) se baseia em cumprir com vários requirimentos para que então seja permitido uma atualização, já nós realizamos atualizações de acordo com a necessidade dos nossos usuários, então se os usuários querem tal atualização, eles vão receber tal atualização rapidamente. Ubuntu vai trabalhar em cima de um programa fornecendo patches de correção e segurança, mas não funcionalidades e até mesmo alguns bugs ficam sem patches e no Debian Stable é muito pior.

  • Nós mantemos atualizados os programas da versão 18.04 do Pop!, da 19.04, 19.10 e 20.04. […] E foi daí que surgiu os Snaps e os Flatpaks, do desejo de tirar o peso do desenvolvedor de distribuições e eu espero que tudo dê certo no final, eu espero que nós possamos ter aplicativos sandbox atualizados e com boa performance e parece que a performance dos aplicativos Flatpaks por enquanto é equivalente ao de um aplicativo não Flatpak (aplicativo normal oferecido através dos repositórios).

  • O que nós estamos vendo é que o ciclo de lançamento (do Ubuntu), não é mais o modelo certo, porque o que nós estamos fazendo a cada lançamento é criar desculpas para mudanças na interface, essa é a única diferença que você vê. Eles se sentem confortável com isso porque assim eles são capazes de empurrar a nova versão. Eu quero criar um sistema operacional o mais perto da perfeição possível, mas mudanças importantes (no Ubuntu) não estão sendo mais feitas. Se tudo está perfeito em um nível, você precisa fazer mudanças nos outros níveis.

  • Nós estamos considerando novas formas de lançamento. Nós conseguimos ter os benefícios de uma plataforma Rolling com a estabilidade de um modelo tradicional? Acredito que devido a nossa forma de trabalhar com o Pop!_OS, nós estamos chegando perto da resposta, então não espere que nós venhamos a corresponder os lançamentos periódicos do Ubuntu pois este é um futuro indefinido.

Enfim, o Pop!_OS é uma distribuição jovem que vive em um cenário semelhante, ao meu ver, ao do Manjaro e Mint, pois é uma distribuição com muito a oferecer, mas que acaba sendo vítima de um preconceito por ser baseada em outra distro. Felizmente, isso não impede o Pop!_OS nem as outras distros de crescerem e levando em consideração o ritmo de evolução do projeto como sistema e crescimento da popularidade do mesmo, não irá demorar para o Pop! ser um gigante aos olhos de todos ou pelo menos da maioria.

15 Curtidas

(Depois deste post, vou experimentar o POP_OS)

5 Curtidas

E mais um capítulo da série “Distro Hopping” se inicia… :smile:

1 Curtida

A não vei, me estabilizei no Arch daí vem um cara falar de outro SO
daí meu distro-hopping não aguenta ne

2 Curtidas

Daqui a pouco o pendrive dá pau de tanta imagem que é gravada nele kkkk

3 Curtidas

meu pendrive da SanDisk já tá até rachado man
da um tempo pra ele
para de falar de distro que eu ainda nao instalei

4 Curtidas

RIP pendrive guerreiro

2 Curtidas

Pra falar a verdade eu estou usando o Pop!_OS, é um ótimo sistema “game ready”, ele pode ser muito legal para novatos no Linux inclusive. Eu espero que o sistema cresça e se desenvolva a ponto de ser tão popular quanto o Ubuntu, acho, inclusive, que nos EUA eles já estão melhor em publicidade do que o próprio Ubuntu.

Mas há de se considerar algo, se o Pop!_OS pode se dedicar a criar belos diferenciais, em parte, é porque todo um trabalho de desenvolvimento e curadoria está sendo feito pela Canonical há anos, para que o “%” de mudanças que o Pop faz, assim como o Mint, cheguem a público como diferencial, o restante não é feito por eles. Não digo isso como forma de desmerecimento com o Pop, pelo contrário, é justamente baseado nessa ideia que o Open Source funciona, mas sinto que as pessoas fazem pouco do imenso trabalho que a equipe do Ubuntu faz.

Imagine que se o Pop tinha um suporte extra pra linha Ryzen, e isso é um grande mérito, grande parte do suporte dos outros periféricos todos tem dedo da Canonical, e outros colaboradores do Kernel Linux, é claro, o que também merece seu mérito.

O caso do Ryzen é um exemplo, de fato, para a System76, era importante ter essa compatibilidade porque eles tinham um produto para vender que dependia disso. A “burocracia” dentro de uma LTS do Ubuntu é maior porque o Ubuntu é usado em certas missões críticas onde o Pop!_OS não é considerado, afinal, ele é primariamente destinado aos excelentes computadores da System76 e depois o mercado geral, sempre no gênero desktop. Então, pode é de se imaginar, demandas e responsabilidades bem diferentes.

Levando isso para extremos, veja que Red Hat e o CentOS, em certas builds ainda usam o kernel da linha 3.x, com os devidos patches de segurança, mas como é de se perceber não tão atualizados.

O Ubuntu é mesmo no servidor e no desktop, por isso os pacotes possuem esse “meio termo” entre atualização e estabilidade, contudo, as point releases acabam servindo exatamente para isso, dar acesso a novas tecnologias além da LTS. Podemos discutir se essa é a melhor forma de fazer isso, mas é simplesmente assim que funciona atualmente.

Eu acho benéfico eles se distanciarem do Ubuntu um pouco, tendo seus próprios servidores e adicionando features que, seja por qual motivo for, a Canonical não quer ou não pode adicionar ao Ubuntu.

Como comentei no vídeo em questão, o novo Ubuntu 20.04 vem com vários recursos que o Pop!_OS popularizou até então, comparado com o que temos hoje, eles se tornam muito semelhantes, e a marca “Ubuntu” é muito mais forte no mercado, entretanto, esse meu comentário desconsidera o fato de que “novidades podem estar por vir”, com recursos extras que a equipe da System76 traga para o sistema, afinal, não existe muita coisa pública ainda e super escancarada (inclusive, vou sair daqui para ver o roadmap hehe).

A maior parte destes recursos de placas híbridas e coisas do tipo é realmente ótimo, mas a grande compatibiliade de hardware está justamente (e naturalmente) com os computadores deles. Eu já instalei o Pop em alguns laptops de amigos com hibridas, e funciona bem, mas não da mesma forma "mágica’ com que funciona no próprio hardware deles, como era de se esperar. O Ubuntu, no entanto, acaba tendo basicamente o mesmo suporte, com uma extensão a menos, que seria aquela de trocar os gráficos de forma prática que o Pop tem, que eu acho legal demais, inclusive.

O Pop!_OS tem uma equipe dedicada e acessível, com belos ideais, espero que eles tenham sucesso, porque no fim das contas, eles já tem algo que outras distros, de forma geral, não possuem, que é a possibilidade de vender o seu próprio hardware sem precisar de parcerias.

É um projeto que eu me identifico bastante, uma distro legal para quem quer jogar no Linux por exemplo, espero ansioso pelo suporte a Flatpak, isso vai deixar as coisas mais práticas.

Abraços! :slight_smile:

12 Curtidas

Só sei que no GRUB não aparece Pop!_OS mas sim Ubuntu :sweat_smile:

1 Curtida

Eu usei o Pop! durante alguns meses. Como falaram, ele é realmente “game ready”. Entretanto, não me dei muito bem com o esquema gnome de ser. Coisas da vida :). Mas de fato o sistema é muito bom, recomendo mesmo.

3 Curtidas

Sinceramente, se não for usar para jogar, não vi nenhuma vantagem em usar o Pop!_OS em relação ao Arch GNOME ou o Fedora. O único diferencial que realmente percebi é o gerenciamento de energia e da placa híbrida, mas que dando uma olhada no Tweaks, nada mais são do que extensões que podem ser instaladas em qualquer GNOME.
Fora isso, é só um GNOME com os repositórios do Ubuntu e com umas extensões extras.

1 Curtida

Além disso, o GNOME do Pop!_OS me parece bem lento e não responsivo, pois o meu Arch estava rodando perfeitamente e agora estou sofrendo para escrever este tópico enquanto acompanho o texto que digito (está tudo travado).

1 Curtida

Você está rodando em um Hardware físico ou em uma VM? meio estranho isto, qual seria o Hardware? Se tratando de gnome-shell já utilizei praticamente todas distros que o trazem tanto em VM quanto em Hardware físico e não há diferenças de desempenho gritantes em Hardware físico, em VM só tive problemas com o Clear e o Debian 10, mas ambos em hardware físico se sairam muito bem. Clear e Solus GNOME trapaceam trazendo a extensão impatience ativada por padrão no nível 0,50 o que dá a percepção de terem um melhor desempenho, mas isto só acelera ou desativa as animações.

2 Curtidas

Hardware físico.

Processador AMD Ryzen 5 3400G 3.7GHZ (4.2GHZ TURBO) AM4

8BG RAM DDR4 2666MHZ

1TB HD SATA 6GB/s

Placa dedicada nVidia GTX 1050Ti

1 Curtida

Nossa cara que louco, com esse Hardware teoricamente era para funcionar perfeitamente bem.

1 Curtida

Você leu o texto? Onde é que otimizações e configurações a baixo nível, na base do sistema, pode ser instalado em qualquer outra Distro?

Você realmente não compreendeu nada que eu escrevi no texto…

1 Curtida

Podemos ver esse comportamento? Deixe-nos ver esse comportamento estranho, porque em um I3 com 4GB de RAM, que é o PC que eu utilizo no trabalho e é o PC que eu utilizei para escrever esse texto, o Pop!_OS funciona de forma bem fluída. A não ser que você tenha instalado o sistema com a ISO da INTEL/AMD em vez da ISO da NVIDIA, então é com razão que o seu sistema esteja se comportando estranhamente.

1 Curtida

Ué? O processador é da AMD, mas a placa é nVidia. Estou com a iso da nVidia. Será que a da AMD n é melhor?

1 Curtida

Não, você tem que escolher de acordo com a placa responsável pelo vídeo da sua máquina, que, no seu caso, é da NVIDIA. Eu testei escolher a ISO errada e por mais que o sistema funcionasse, ele fica travando, horrível.

1 Curtida

Só sei que no GRUB não aparece Pop!_OS mas sim Ubuntu :sweat_smile:

Eles vão mudar isso no lançamento do Pop! 20.04

1 Curtida