Precisamos admitir: X.Org Server é Abandonware

Com o investimento pesado de grandes players no Wayland, o atual estado de desenvolvimento do Xorg está cada vez mais chamando atenção e servindo de argumento para declarações como a do artigo de Michael Larabel:

Tradução do artigo:

O último grande lançamento do Xorg Server foi em maio de 2018, mas não espere que o tão esperado Xorg Server 1.21 seja lançado tão cedo.

Isso não deveria ser surpresa, mas um desenvolvedor proeminente de código aberto da Intel admitiu que o servidor Xorg é praticamente “abandonware”, com o Wayland sendo o futuro. Isso ocorre pois o desenvolvimento do Xorg Server atinge uma baixa de quase duas décadas, estando bem fora de seu regime de lançamento de seis meses por não ver um grande lançamento em mais de dois anos e ninguém está disposto a preparar a versão 1.21.

Um ano atrás, havia uma proposta para ver novos lançamentos impulsionados por meio de testes de integração contínua, mas o projeto não decolou e não há qualquer motivação para a criação de novas versões do Xorg Server por aqueles capazes.

O pessoal da Red Hat por muito tempo se responsabilizou por desenvolver as versões do Xorg Server, mas com o Fedora Workstation usando o Wayland por padrão e o RHEL seguindo o mesmo caminho, eles não estão mais empenhados em dedicar recursos às novas versões do Xorg. Outras partes também resistiram em aderir ao lançamento do 1.21 ou comprometer qualquer recurso importante para as novas versões do servidor Xorg.

Daniel Vetter, da equipe de drivers gráficos do kernel da Intel e co-mantenedor do DRM, comentou: “A principal preocupação que tenho é que o xserver é abandonware sem lançamentos regulares do branch principal. É por isso que tivemos que colocar o X na lista negra. Sem ninguém se importando, acho que há apenas desvantagens em habilitar recursos.” (Mais uma vez, isso vir de um desenvolvedor Intel não é muito surpreendente, considerando que já se passaram mais de seis anos desde o último lançamento DDX do xf86-video-intel).

Além de empresas como a Red Hat, a Intel tem sido a única outra grande organização nos últimos tempos disposta a dedicar recursos aos lançamentos do Xorg e mesmo que tenham liberado alguns de seus desenvolvedores Wayland anos atrás, eles parecem desinteressados ​​em se dedicar muito ao servidor Xorg. Com o Ubuntu 21.04 possivelmente adotando Wayland para sua sessão do GNOME e o suporte do KDE ao Wayland crescendo cada vez mais, o Xorg Server 1.21 pode se tornar muito bem apenas um lançamento que nunca acontecerá.

Levando em consideração o cenário e o atual estado do Xorg, este que possui mais de 2300 issues abertos em seu repositório, fica cada vez mais perto o momento em que o Wayland substituirá o Xorg, mas quando isso realmente irá acontecer, só o tempo dirá.

6 Curtidas

Ele não me parece ser um abandonware, tanto que as distros empacotam e ajustam ele até hoje para bugs ocasionais, assim como fazem com um Kernel LTS, mas é natural que os esforços comecem a se intensificar para o Wayland e ficar menos presentes no X.

7 Curtidas

O problema que vejo é que o Wayland também tem sua cota de bugs. Duas delas importantes: incompatibilidade com a mais usada das extensões Gnome (a Dash-to-Dock, que apresenta comportamento meio louco) e o OBS, essencial para quem tem um canal no YT e semelhantes…

3 Curtidas

Bom, todo software tem seus bugs, mas em parte, é justamente porque o Wayland não recebia tanta atenção quanto o Xorg, vamos ver se com as distros e interfaces se adaptando aos poucos, mais olhos ficam em cima dele, e mais bugs são corrigidos, com maior velocidade.

5 Curtidas

O OBS do Flathub já funciona sob Wayland. Georges Stavracas faz live usando ele e o @fastos2016 também, se não me engano. Já sobre a Dash-to-Dock, não sei. Enfim, é normal, é um servidor diferente, é necessário que ocorra todo um processo de adaptação e transição.

4 Curtidas

Já tem um tempinho que o bug foi reportado por mais de uma pessoa (eu mesmo um deles) na página do Gnome-Extensions… mas acho que não atualizaram ainda (deviam estar esperando pelo 3.38, que estava em alfa na época), pelo que vi… vamos esperar

1 Curtida

Prioridades, querendo ou não, Dash to Dock, ainda que muito querida, não faz parte de nenhuma interface oficialmente.

2 Curtidas

Está longe de ser abandonware, pricipalmente porque distros ainda consideram o Xorg mais “estável” por estar aí a mais tempo.

Outro ponto é conseguir desenvolvedores e tempo pra portar toda uma interface do Xorg para Wayland e manter as duas paralelamente. Distros como o Mint, não tem interesse no momento em usar Wayland, justamente por custo/beneficio, imagina portar o Cinnamon: é muito trabalho para poucos desenvolvedores.

Por isso os desenvolvedores que optarem pelo Wayland nesse momento precisam estar dispostos a lidar com muitos bugs, problemas e instabilidades…

3 Curtidas

É extensão instalada de fábrica no Manjaro Gnome, @Dio

É um trabalho monstruoso, mas será um trabalho que os desenvolvedores do Cinnamon terão que realizar mais cedo ou mais tarde, caso contrário eles estarão utilizando uma interface baseada em um servidor gráfico abandonado. O desenvolvimento do Xorg está estagnando mais e mais e daqui para frente só vai piorar.

Vejo o XFCE conseguindo fazer a transição de forma tranquila devido a simplicidade da interface, tanto que eles já portaram o app Catfish (buscador de arquivos) para o Wayland. Já o Clem vai ter que se virar para transicionar o Cinnamon. Vai ser uma loucura.

2 Curtidas

Sim, no Ubuntu também tem um fork, mas não é parte do GNOME, é uma extensão justamente. Nesse caso seria trabalho de quem desenvolve a extensão ou quem envia ela com o sistema de compatibilizar se querem que seja usada com o Wayland.

4 Curtidas

Também considero, como a maioria aqui até agora, um exagero dizer que se trata de abandonware. Até porque o linux ainda é usado em muito hardware antigo que provavelmente não está nos planos do wayland suportar. E até porque tem outros SOs, como BSD que ainda usam (nesses não sei se vão migrar para wayland agora ou no futuro).

2 Curtidas

O uníco detalhe é que “Issues” são problemas e não necessáriamente bugs, podem ser falhas na documentação e não no software, bugs de uma parte muito específica, em partes que não são usadas a anos até bugs relacionados ao Wayland, é necessário fazer um bom filtro aí, porque é muito comum ter bugs duplicados, eu já trabalhei em um projeto com 350 issues abertas sendo que mais de 100 eram duplicatas de um mesmo bug… assim, contar com o número de Issues abertas não é um bom parâmetro

Que o Wayland substituirá o Xorg é quase certo, mas não vai ser tão próximo, como o Wayland tem diversas limitações, elas precisam ser contornadas pelo compositor e fazer isso sem alguém por trás incentivando ($)

Na verdade, tá bem complicada a situação

Na verdade, eles portaram pro GTK 3 que tem suporte “automático” ao Wayland, mas isso não funciona em dois apps em particular que são o core pra um port do Wayland: XFWM e XFPanel, nas palavras do mantenedor:

Improvável que tenhamos mão-de-obra para fazer do XFWM4 um compositor wayland,
é claramente muito trabalho…
Mas se estivéssemos, ou usaríamos Mutter ou libweston.
O primeiro significa
que mataríamos xfwm4 inteiramente e transformaríamos o painel xfce4 em um shell como gnome-shell -
Não tenho certeza se é isso que eu gostaria…
Olivier.

3 Curtidas

Definitivamente e eu compreendo isso, mas pode muito bem servir como alerta, porque ter mais de 2300 issues abertos em um projeto não é um bom sinal. Os issues não estão sendo monitorados? Por que tantos estão abertos?

Mas entendo o ponto, alterei a postagem para ficar mais coerente.

Com certeza, por isso que eu disse que só o tempo dirá, mas de qualquer forma, um dia que se passa é um dia mais perto :wink:

Então é mais um projeto que vai sofrer com a transição :confused:

2 Curtidas

Uma colocação sobre o Xorg que eu acho tipo quase uma martelada, quando acabar o suporte no RHEL8 o X vai perder importantes desenvolvedores para o wayland, para RH/Fedora Xorg já está em modo de manutenção difícil, kkkk é a culpada como sempre é?
Acertou, NVIDIA.

Finally there is the NVidia binary driver support question. So you can run a native Wayland session on top of the binary driver and you had that ability for a very long time. Unfortunately there has been no support for the binary driver in XWayland and thus and X applications (which there are a lot of) would not be getting any HW accelerated 3D graphics support. Adam Jackson has worked on letting XWaylands load the binary NVidia x.org driver and we are now waiting on NVidia to review that work and hopefully be able to update their driver to support it.

Once we are done with this we expect X.org to go into hard maintenance mode fairly quickly. The reality is that X.org is basically maintained by us and thus once we stop paying attention to it there is unlikely to be any major new releases coming out and there might even be some bitrot setting in over time. We will keep an eye on it as we will want to ensure X.org stays supportable until the end of the RHEL8 lifecycle at a minimum, but let this be a friendly notice for everyone who rely the work we do maintaining the Linux graphics stack, get onto Wayland, that is where the future is.

The Fedora Workstation project is something we made using those tools and it has been tested and developed as an integrated whole, not as a collection of interchangeable components. The Fedora Workstation project might of course over time replace certain parts with other parts over time, like how we are migrating from X.org to Wayland. But at some point we are going to drop standalone X.org support and only support X applications through XWayland. But that is not the same as if each of our users individually did the same. And while it might be technically possible for a skilled users to still get things moved back onto X for some time after we make the formal deprecation, the fact is that you would no longer be using ‘Fedora Workstation’. You be using a homebrew OS that contains parts taken from Fedora Workstation.

4 Curtidas

A partir de qual processador Intel esta o presente o suporte para Wayland?

1 Curtida

Usei wayland a primeira vez em 2012 em um Pentium E5700 com placa nvidia on board, nessa época mesmo utilizando o driver gallium (renderização por software) rodava tranquilamente, fedora 20 e Debian 7 se me lembro.

2 Curtidas

“X is abandonware because every developer who worked on it for long enough to understand and maintain the overall beast has run away screaming.”

Daniel Vetter

4 Curtidas

Acho que praticamente todos. O OpenGL ES 2.0 e um driver no kernel é o requisito mínimo para a maioria dos compositores Wayland usarem a placa gráfica, e todas as GPUs Intel integradas de 2008 em diante têm os dois no Linux.

Pra GPUs sem um dos dois, ainda dá para usar o Wayland, mas rodando direto na CPU, sem ajuda da placa gráfica.

1 Curtida

Tinha uma distro BSD que queria utilizar o wayland, acho que o projeto foi pelo ralo mesmo