Possíveis problemas com dbase

No emprego atual que eu exerço eles usam um tal de success sistemas, esse programa emite nota fiscal, cupom fiscal e gerencia estoque.

E esse programa está muito lento, ao abrir uma tela simples pra poder inserir cupons, por exemplo, tem uma certa demora, demora essa que está incomodando os funcionários.

Esse programa usa um tal de xbase (parece ser baseado no dbase) que era uma sgdb de 1990 ou algo por ai que hoje não é usado mais, e eu suspeito que seja ele.

Procurei no google até cansar pra saber se o dbase era é “ruim pros dias atuais”, “se ele não aguenta muita coisa” e coisa do tipo, mas não acho pesquisa, resultado, benchmark… nada sobre esse tipo de banco de dados. Queria um benchmark, um stress test, qualquer coisa que me ajudasse a provar que minha suspeita estava certa (ou que ela estava errada).

Alguém já usou esse sucess sistemas? ou já usou esse xbase? já viveu a época? sabe me dizer se esse é um forte candidato pra ser o problema? ou se tem alguma outra suspeita?

Meu patrão disse que esse programa tá em uso tem quase 2 anos e nos últimos dias as vendas simplesmente dobraram e consequentemente se dobrou esses dados.

Eu vi que um arquivo .dbf dentro do servidor samba que o programa usa chegou a 300 megas.

XBase é uma tecnologia antiga, acho muito estranho uma empresa ainda trabalhar com este padrão hoje em dia.
Trabalhei com DBF em sistemas feitos em Clipper e Foxpro no passado mas tudo isso foi migrada para SGDB’s. Uma empresa mudou para Oracle e a outra usa MySQL.
Como vc ai deve usar em rede dê uma olhada nesse link.
http://www.pctoledo.com.br/forum/viewtopic.php?f=43&t=19512

2 Curtidas

Eu trabalhei com dBase II (anos 80, Apple II plus, 8 bit, com CP/M) e dBase III (anos 90, PC-XT), cuja empresa não conseguiu migrá-lo para o Windows (dizem que a M$ dificultou, talvez para impingir seu Access). Parece que o xBase é um nome genérico para aplicativos baseados nele.

Portanto, a tecnologia é muito antiga. Não sei se os xBase atualizaram alguma coisa.

Imagino que rode dentro de algum “DOS-Box”, que emula o antigo MS-DOS. Eu usei assim, quando o Windows deixou de rodar “em cima” do MS-DOS. Mais tarde, cheguei a rodar também no Linux, dentro de um “DOS-Box”, só para ver se funcionava.

Um dos motivos da lentidão, talvez seja do programa que simula o ambiente MS-DOS. Ou os computadores e discos estão no limite.

Outro motivo, talvez possa ser por crescimento excessivo das bases de dados, e / ou dos arquivos de indexação. Talvez houvesse limites (que a gente nunca alcançava em empresas pequenas dos anos 90), por ser coisa de 16bit… (hoje, sistemas de 32bit estão ficando obsoletos).

Infelizmente, faz muitos anos que não lido com isso, e não lembro se existe algum modo de otimizar as bases de dados e os arquivos de indexação.

Também deve ser difícil encontrar quem ainda dê manutenção num sistema tão antigo assim. Se encontrar, peça primeiro para criar cópias dos bancos de dados (.dbf) e arquivos de indexação (.ndx, acho), pois se for migrar para outro sistema mais atual ficará mais fácil importar os dados acumulados.

2 Curtidas

Parece ser bem comum aqui em Minas ainda usar isso, o programa usado é esse.

Navegando pelos arquivos de instalação do programa existem instruções de como instalá-lo no Windows 95 e no Windows XP!
O negócio é arcaico!

Acho que não existe emulação não, eu vi algumas libs de php e python que gerenciam esse tipo de db e nos computadores da empresa tem um programa bem simples (esse) que lê essas dbs tranquilamente, não existe qualquer programa que pareça ser um emulador de DOS nesses computadores (já explorei muito o computador que eu to usando lá)

A db com o maior tamanho em megas que eu vi no meio dos arquivos é uma de 300 megas, tem outras duas que passam de 100 megas fácil.

Imagino que a própria empresa que criou o produto consiga fazer o serviço de migração, estou pensando em contactar eles inclusive, só caçando coragem kk

Prometer, eles prometem:

Com uma visão de atendimento presencial, primando pela proximidade com o cliente