O futuro não é open source (ano do linux)

Quantas vezes vocês viram algo realmente inovador no mundo linux quando se trata do usuário final? Quando se trata de games, design, aplicativos básicos e por ai vai? Nunca se incomodaram de por exemplo, Linux até o momento não ter uma Cortana ou Siri? ou de aplicativos de Design serem comprovadamente mais fracos em relação aos de código fechado? Quais inovações e vantagens, por exemplo o gimp tem em relação ao photoshop? Levando esses argumentos em conta, o que vocês pensam sobre o “Ano do linux”? O que falta para chegar? Ou Já chegou? Se já chegou, oq esses problemas interferem para o linux crescer ainda mais

3 Curtidas

Isso do ano do linux é muito relativo quem deve medir quando é o ano do linux ?
para mim todo ano é o ano do linux, sempre tem novidades, atualizações correções do bug. Novidades a todo momento, e através do Kernel Linux, surgiu várias outras tecnologia.

2 Curtidas

Linux não é uma coisa, é uma rede decentralizada de esforços e soluções, coisas especificas melhoram e outras não.

o linux vai ir melhorando de acordo seu uso valer mais a pena que as outras alternativas, não tem magica pra explodir o uso, aos poucos vai gerando soluções mais baratas para problemas comuns e assim se tornar mais popular e usual.

2 Curtidas

Olá @Savunma, recomendo assistir estes vídeos.

:vulcan_salute:

2 Curtidas

(respostas abandonadas pelo autor, serão removidas automaticamente em 24 horas a exceto se forem sinalizadas)

5 Curtidas

Não vejo necessidade em uma “Cortana” Ou “Siri”, acho que essas assistentes são inúteis para mim. O próprio Dio fez vídeos de designers fazendo seus trabalhos em apps de código aberto, o que mostra é que é a ferramenta onde o designer se sente mais à vontade para trabalhar.

Sobre os games, tem bastante jogos que não rodam em Linux, ou tem desempenho um pouco aquém. Mas isso também depende da máquina da pessoa, já que um hardware fraco não irá rodar jogos pesados, mesmo no Windows.

Design, tem apps que podem suprir as necessidades de alguém, ninguém utiliza com frequência TODAS as ferramentas que o programa pode oferecer, então pode ter um programa, que no seu ponto de vista é “mais fraco” que pode atender uma pessoa perfeitamente.

Gimp e Photoshop são dois apps que necessitam um aprendizado e prática para desenvolver trabalhos interessantes, como qualquer outra coisa na vida. O “ano do Linux” nunca irá chegar, pelo simples motivo de estar sempre em desenvolvimento, nunca terá uma versão final.

1 Curtida

@tnsampa gostaria de pedir para NÃO fechar esse tópico a principio, pode surgir uma discussão bem interessante aqui, apesar do assunto ser um tanto polêmico

1 Curtida

Para mim, o ano do Linux é o quando ele bater o Windows e o macOS em número de pessoas ultilizando.
Veja bem, não estou falando que nenhum SO é melhor que outro, mas na hora de comprar um computador ou instalar/formatar o SO, claramente Windows e macOS têm preferência.
Também tem outro problema: Divulgação. O Windows tem muito mais divulgação do que Linux. Quer ver? Saia vagando pelo fórum e veja as propagandas: Windows 10! Teste agora!
Pra falar a verdade, o problema mesmo é que muita gente acha que “Linux” é sinônimo de “Terminal” e “Linha de comando”.
E muitos dos sites que falam sobre, em seus tutoriais, por exemplo, usam apenas comandos no Terminal, de forma a entender que esta é a única maneira de fazer as coisas. E isso muitas vezes acaba “espantando” usuários domésticos e sem experiência.
Se as mídias que eventualmente vêm a falar sobre apresentarem e falarem que o Terminal não é a única opção, aumentaria bastante a popularidade das distros Linux.

Até porque, se os usuários de Windows e macOS vissem que tem outra forma de fazer as coisas, em SO’s gratuitos e que têm muitas opções de personalização, interfaces e mais, e que o Terminal não é necessário, atrairia muito mais usuários de outros sistemas.

Sobre a “inovação no mundo Linux em relação aos outros”, por exemplo, cada atualização do Windows 10 traz um recurso vindo do Plasma. Em 2015, foi lançado o Windows 10, com suporte a múltiplas áreas de trabalho, que já existiam em vários ambientes gráficos há anos.
Sobre GIMP e Photoshop, os dois sem nenhuma modificação lado a lado, o Photoshop tem muitos travamentos, e tem algumas ferramentas do GIMP que nunca consegui achar equivalente no Photoshop (e olha que usei o Photoshop por cerca de 4 anos).

2 Curtidas

Não!

5 Curtidas

KDE é massa, sempre a frente, não lembrava do layout do KDE 3.5

Bom, sobre a cortana ou siri eu realmente não vejo necessidade mas se caso vier alguma coisas do tipo eu apoiaria com toda certeza, em questão de aplicativos eu concordo em parte principalmente na parte do Office que até o momento não existe nada que faça um trabalho que pode esta concorrendo no mercado então infelizmente nessa parte o Office da MS ganha disparadamente, mas em outros casos como em players de música tem o VLC por exemplo que é open source e faz mais de anos que eles ganha disparamente em ser o melhor player gratuito e podendo ganha até de muitos que são pagos. Já em relação ao Gimp / Photoshop isso vai de cada pessoa eu mesmo acho as duas ferramentas muito poderosas eu uso o Photogimp já minha namorada não se adapto ao Gimp / Photogimp e usa o Photoshop, mas isso depende de cada pessoa eu mesmo nunca tinha usado antes qualquer tipo de programa para edição já minha namorada veio do Photoshop e isso entra em outro aspecto que é a curva de aprendizagem.
Tirando esses casos que você cito eu sinto falta do Visual Studio da MS pro Linux, de certo modo o Linux ta muito abandonado e falta muitos programas e as vezes pode até ter algum programa pra substituir mas como muitos já falo aqui a maior parte deles não compensa a curva de aprendizagem é muito grande. Falando isso tudo já podemos saber o motivo do Linux ter ou está com o menor publico pra desktop.

Discordo, pois como não uso o MS Office desde 2007, não vejo nenhuma limitação ao Libre, pois o que 1 faz, o outro também faz. Real problema está com relação a compatibilidade, pois o MS dá 1 jeito de os arquivos gerados por 1 saiam desconfigurados no outro.

O Deepin 20 terá uma coisa nesse estilo.

https://olhardigital.com.br/noticia/2019-definitivamente-o-ano-do-linux-e-do-codigo-aberto/94897

1. IBM compra a Red Hat por R$ 136 bilhões

O primeiro ponto a se observar é que a IBM adquiriu a Red Hat na maior aquisição de empresas de software de todos os tempos. É verdade que a empresa foi um dos primeiros apoiadores do Linux. Porém, o ponto principal é que a líder mundial do setor agora é uma propriedade da gigante IBM.

2. Nuvens rodam em código aberto

Há dez anos, as nuvens não eram tão usadas quanto hoje. Porém, mais de um terço de todos os gastos com TI no mundo está em nuvens, segundo a IDC. Além disso, é esperado que metade das empresas globais tenha apostado na tecnologia até 2021.

E sabe onde a nuvem roda? Sim, em Linux. Até o Microsoft Azure admitiu que mais da metade da sua carga roda na concorrente. Outro ponto é que a maioria dos serviços de nuvem são também programas de código aberto.

3. Nuvem x código aberto

A Amazon Web Services domina o mundo dos bancos de dados de nuvem de código aberto. Segundo o CEO da MariaDB, Michael Howard, as grandes empresas do setor eram “empresas e tecnologias de código aberto de mineração”, já que elas buscavam se aperfeiçoar baseada em seus concorrentes. A Open Source Initiative acrescenta ainda “grandes e pequenas empresas, seu melhor amigo e pessoas que você odeia, todos podem usar seu código-fonte aberto”.

Porém, esse conflito não acontece entre pequenas empresas de código aberto e grandes companhias de nuvem. É entre as próprias grande empresas, os softwares de código aberto apenas estão no meio disso tudo.

4. Nuvens, Kubernetes e contêineres

Não importa qual programa se use em uma nuvem, é muito provável que ele esteja em um contêiner. A tecnologia domina a TI. Entre os líderes nesse segmento, o destaque está para o Kubernetes, programa que orquestra contêineres. Todos os principais fornecedores de nuvem e de TI tem sua versão do programa. Além disso, o Kubernetes é um programa de código aberto.

5. A Microsoft é uma empresa de código aberto

O que já foi considerado, e ainda é por muitos, o Império do Mal do setor tecnológico pode não ser mais tão mal assim. A Microsoft se tornou uma empresa de código aberto. O seu navegador Edge, baseado no Chromium, foi lançado com uma versão de código aberto. A empresa também está prestes a lançar seu programa Teams para o Linux, e sugeriu que o restante do Office também vai aparecer no concorrente. A Microsoft também possui sua própria distribuição Linux, o Windows SubSystem for Linux 2.0, que roda em conjunto com o Windows 10.

Linus Torvalds, criador do Linux, afirmou na Linux Plumbers Conference, no início de 2019, que a Microsoft se tornou muito mais amigável, o que o levou a “acabar completamente com todas as coisas anti-Microsoft”. Além disso, segundo Torvalds, “se a Microsoft faz aplicativos para o Linux, significa que eu venci”. E, como todos sabemos, o Linux é uma empresa de código aberto.

Via: ZDNet - Olhar Digital

1 Curtida

Então tem uma limitação, não da pra obriga a MS a libera o formato deles pra ajuda o Libre Office e como a MS domina o mercado isso se torna uma dor de cabeça infelizmente. Eu mesmo trabalhei em um lugar especifico que usava LibreOffice como suíte principal e no segundo mês que eu estava lá me pediram pra migra todo o LibreOffice para o Office da MS que era o 2016 o mais recente pois muitos estavam tendo esse mesmo problema que você disse. Mesmo que não seja culpa do LibreOffice/WPS e outros isso acaba sendo um problema muito grande e com toda certeza é o principal motivo das empresas não usa, eles iriam perde mais dinheiro do que paga uma licença do Office se usa o Libre office ou algo do tipo e falo isso com base no meu último emprego que eu disse que migrei todo o pacote office da empresa.

Nossa nem sabia disso, com toda certeza vou usa pra vê como que vai ser :open_mouth:

Boa tarde @Natanael.755 não entendi seu comentário.

Então rapaz, o OpenXML já é aberto, pois se não fosse, não poderia se tornar padrão ISO.
O problema não está no formato, mas na ferramentas, que de uma forma que não faço ideia de como explicar, gera os problemas

A falta de uma assistente pessoal (o que pode ser dispensável para muita gente) me parece que no futuro será um diferencial e acho que a comunidade está vacilando em não criar nada (mas, espero que o Deepin o faça). Tenho um tópico aqui sobre especificamente isso.

Sobre provar que aplicativos de design abertos são inferiores ao fechado não é complicado, apenas alguns testes A/B já comprovariam, mas alguns pontos eu posso adicionar, vou usar o gimp vs PS como exemplo… Todo aplicativo tem sua funcionalidade Core e funcionalidades extras, digamos que a grande proposta e uso do photoshop seja, edição de imagem, criação de peças de design e apresentações. Não nego que a primeira proposta o gimp cobre relativamente bem, porém para apresentações e criação ai falta muitas coisas, para criar tais coisas é necessário a ferramenta de formas, alinhamento, fonte e edição de imagem, bom… não existem formas no gimp, oq tu pode fazer é criar uma seleção, pintar e recortar, sendo necessário vários passos ao invés de só criar uma forma, a ferramenta de alinhamento não é boa, isso porque distribuir camadas não é intuitivo e também a ferramenta num geral é limitada, isso são alguns exemplos de funcionalidades core que faltam… Isso sem contar um editor de texto mais intuitivo,canvas e por ai vai

Mas o ano do linux não é quando ele ficaria “pronto”, mas quando fosse tão bom que o usuário final abandonaria o windows para ir pro linux, simplesmente pq o sistema é melhor, pensando nisso em massa, onde a porcentagem de usuários pelo mundo subisse drasticamente, algo que até hoje não aconteceu

Já usei esse argumento, porém sinceramente… Aplicativos de design estão para facilitar o trabalho do profissional, e eu utilizo os de código aberto diversas, porém como UX designer tenho ciência de que eles não são superiores, nem equivalentes ao de código fechado, óbvio, há pessoas que usam, amam os aplicativos, porém o resultado é esse, algumas pessoas… Para o grande público de profissionais esses apps são não profissionais, ou a versão piorada do aplicativo da adobe

Mas por que não foi criada até agora? Algo “besta” ou “dispensável” muitas vezes tem várias utilidades, por exemplo, com o google assistente, ao vc usar “lumos” para ascender a lanterna, como referencia de harry potter, ou as piadas que o aplicativo faz, a principio besta, mas tem uma utilidade gigante como marketing para fidelização de clientes, experiencias boas num sistema assim, faz com que o usuário pense 2 vezes ao trocar para o iOS por exemplo