O futuro dos dispositivos "smarts" e seus sistemas operacionais

A cada dia o número e a diversidade de eletrônicos e eletrodomésticos “inteligentes” aumenta, a tendência disso é apenas aumentar com a “internet das coisas” a tal ponto que parte do enfoque de desenvolvimento de tecnologia tem migrado do setor de computadores propriamente ditos para gadgets nessa dita era pós-PC.
Diante disso, quais as tendência nesse campo em relação a sistemas operacionais? Como devem ser esses sistemas em um futuro próximo? Novos sistemas são promissores ou teremos ainda um predomínio de Android, algum tipo de IOS, Tizen e webOS?

1 Curtida

Na verdade, a maioria desses dispositivos roda Linux mesmo, tanto por ser mais leve e simples, quanto pelo fato de permitir que as empresas customizem a seu prazer.

Já temos algumas distros focadas nisso:

Debian Tinker
OpenWrt
Raspbian
Tizen
Ubuntu Core
Yocto

1 Curtida

Eu sou super reticente com dispositivos “inteligentes” que não deixam claras as políticas de governança e suporte do fabricante (temos vários smartphones com Android que ficam vulneráveis rapidamente graças a isso). Não quero pensar numa casa maravilhosa com vários dispositivos do tipo, mas cheia de vulnerabilidades e possibilidades de ataques.

Acho que o mercado está fragmentado e numa fase de aprendizado (nós pagamos duplamente pelo aprendizado, pois provavelmente arcaremos com os prejuízos) ainda. Existem sistemas operacionais muito sólidos para embarcados, incluindo o Linux em alguma medida e outros mais específicos, como QNX, não sei se veremos novos players, acho que não… se surgirem, vão ficar muito verticalizados, presos aos produtos do fabricante responsável (é o que aconteceu com Tizen e webOS).

1 Curtida