"Não existe plataforma Linux" pt1

https://blogs.gnome.org/tbernard/2019/12/04/there-is-no-linux-platform-1/

Em nossa comunidade, existe a ideia de que “Linux” é a terceira plataforma ao lado do Windows e macOS. Está intimamente ligado a coisas como o “ano da área de trabalho do Linux” e pode ser visto na linguagem de coisas como o Flatpak, que se autodenomina como “O futuro dos aplicativos no Linux” e o Linux App Summit, que é "projetado para acelerar o crescimento do ecossistema de aplicativos Linux ” .

Mas o que isso realmente significa? Como é um ecossistema de aplicativos saudável? E por que não temos um?..

quem quiser traduzir fique a vontade

2 Curtidas

Significa que o pessoal do GNOME vê mais futuro na area de desenvolvimento do que no desktop
Esse ecosistema deveria ser um unico…(por exemplo o apt ou um gerenciador de pacotes fixo, mas isso e efeito da fragmentação de gestores de pacotes), isso a gente não tem, graças a filosofia fictícia kkkkkkkkk

1 Curtida

Lendo o texto completo, fica bem claro o argumento e eu realmente concordo.
A introdução do texto é meio “dura” e certamente haverão muitos comentários destilando opiniões sem ter realmente lido o conteúdo, o que é uma pena.

P.s.: complementando, acredito que a System76 está caminhando para algo bem interessante no futuro, ao fornecer hardware e software planejados para funcionarem em conjunto.

:vulcan_salute:

5 Curtidas

Acho que estão querendo que um método que funciona nos softwares proprietários seja utilizado no software livre.

Na minha visão o projeto bem sucedido no linux é código aberto e colaborativo. A partir daí pessoas se voluntariam para ser mantenedores dos pacote nas distribuição e pronto.

Vejo que a plataforma linux esperada por algumas pessoas é uma facilidade para projetos pequenos, que não são colaborativos e com foco no retorno financeiro. É como funcionam as app store da apple e android e os vários softwares para windows no “baixaqui”. Nada contra essa motivação, mas ela é incompatível com a extrema diversidade dos sistemas linux. Um grupo pequeno de desenvolvedores não vai conseguir ser programador, designer e principalmente mantenedor de um programa na infinidade de distribuições. Além do mais, a partir do momento que seus códigos forem fechados, eles também não terão apoio das distribuições para seus pacotes.

A incompatibilidade conceitual dificulta o trabalho conjunto dessas filosofias diferentes. As empresas também não vão gastar muito dinheiro para fazer pacotes específicos para distribuições que são pouco usadas. Novamente uma incompatiblidade…

Nessa ideia que flathub e snap surgiram, pelo menos assim quem quer distribuir programas pode ser seu próprio programador, empacotador e distribuidor, sem se preocupar com as distribuições. São modelos de negócio diferentes.

Enfim e resumindo: não existe plataforma linux de codigo proprietário porque é um mercado muito pequeno (2 a 4% dos desktops) e na análise de risco não vale a pena investir em um projeto tão extenso para ter um retorno pequeno. Não existe plataforma linux de código aberto porque não é necessário.

2 Curtidas

não entendi, o que você quis dizer com isso?

Creio que é necessário ter plataformas, porém não creio que é necessário todas serem uma plataforma completa no mundo linux…