Luana VS elementary OS - Eles não estavam preparados pra isso!

:white_check_mark: MeuPC.NET - Monte o seu PC aqui: MEUPC.NET - O melhor site para montar seu PC Gamer

O elementary OS 6 chegou, e hoje vamos colocar uma usuária, que nunca tinha usa o sistema, para tentar fazer tarefas básicas nessa nova edição. Quem será que leva a melhor?

:crown: Seja membro do canal: https://diolinux.com.br/play

:envelope_with_arrow: Receba novidades no seu Email: http://bit.ly/diolinuxnews

:1st_place_medal: Agradecimento especial a todos os nossos membros, em especial aos da categoria “Diolinux GO” por nos ajudarem a continuar criando conteúdo:

‣ Samuel Novaes
‣ Felipe Duarte Ferreira
‣ kraudio vfd62
‣ sagara_BR

:star: Conheça o nosso trabalho: Links - Diolinux
:microphone: Nosso PodCast: DioCast - O seu podcast sobre Linux e tecnologia - Diolinux
:video_game: Nosso canal de Lives de games: https://diolinux.com.br/live
:shopping_cart: Nossa loja (na Lolja): diostore.com.br

:mailbox_with_mail: Contato comercial: [email protected]

:paperclip: 𝗙𝗼𝗻𝘁𝗲𝘀 𝗲 𝗟𝗶𝗻𝗸𝘀:
‣ Saiba mais sobre o elementary OS 6: elementary OS NÃO está fazendo um sistema operacional - YouTube
‣ Primeiras impressões, elementary OS 6: elementary OS 6 - A melhor distro em... NADA? - YouTube

Confira o vídeo:

12 curtidas

De fato, faltou um pouco de “carinho” com os iniciantes e usuários comuns por parte dos desenvolvedores. Instalei a distro em uma VM e realmente tem que meter a mão na massa para acertar algumas coisas, o bug do ícone acontece nas versões anteriores até hoje.

3 curtidas

O bom desses vídeos é que dão a perspectiva do usuário geral e não penas aquele esteriótipo de usuário de TI ou de especialista em tecnologia.
O usuário geral médio quer as comodidades e praticidades (facilidade, intuitividade, etc.) dos sistemas modernos, infelizmente, nem sempre se tem isso em conta no Linux (exceções são as distros propositalmente “user-friendly”), e nesse ponto para uma distribuição que se inspira e procura replicar a experiência do MacOS adaptada ao mundo Linux, o Elementary ainda falha em pontos importantes.

3 curtidas

Como estudante de UX eu acho que posso fazer alguns comentários sobre os dois primeiros desafios

Desafio 1 - Selfie com a webcam

Note o que ela fala em alguns momentos:

Eu tirei aqui ou coloquei pra gravar?

Isso acontece porque o HIG do elementaryOS faz um péssimo uso dos switches:

1

Em praticamente todos os outros HIGs ele serve para ativar e desativar uma função, por exemplo gravação de vídeo, porém ele é usado como alternador de modos, o problema é que assim você precisa analisar o switch pra saber qual modo, o ideal seria algo assim:

1

Eu tirei ou eu não tirei a foto, porque tem um botão fazendo isso aqui (feedback tátil do botão)

Isso é outra falha na UX, no geral interfaces provém dois feedbacks em apps de câmera quando tira uma foto (o segundo eu falo na próxima), a primeira é na imagem, ela pisca, fica branca, preta, aparece uma borda e some, enfim, toda a área da imagem se altera e volta ao normal, isso simula o efeito lente fechando das câmeras analógicas e não é nostalgia, serve justamente pra informar que a foto foi gravada no filme (nesse caso no HD)

Será que precisa salvar ou já salvou?

Essa é uma falha complexa de analisar, primeiro porque ela não tem uma solução ideal que funciona em todos os casos e segundo que ela só é percebida se a anterior estiver presente, os apps mobile geralmente tem uma miniatura que atualiza a cada foto tirada, outra abordagem eficiente é mostrar uma label flutuante com um texto indicativo (por exemplo “Salvo!”)

Será que consigo fazer daqui ou eu preciso ir lá nas configurações do usuário?

Não é bem uma falha de UX, mas de não seguir tendências, no mondo mobile você realmente abre o app de fotos e lá tem as opções para definir a imagem como n coisas

Desafio 2 - Manejo de apps

Eles estava escrito gratuito não estava escrito baixar

Isso é um dos pontos do livro “Don’t make me think” que é um livro mostrando problemas do gênero, o cerebro humano gosta de formular hipóteses e embora isso seja extremamente importante, isso atrasa nossas decisões das pessoas e tem inclusive um estudo (que eu não to afim de perder tempo pesquisando) apontando que isso tem o potencial de fazer o potencial cliente desistir, praticamente todas as lojas tratam “gratuito” como uma categoria ou Tag nunca como um botão, os botões são “Comprar” e “Instalar”, ou seja: são verbos, indicam a ação… a própria Luana diz isso inclusive

Desistalar: Eu iria pelos mesmos passos

Isso funciona mas exige organizar um plano de ataque, existem duas coisas que o elementary pode fazer e não são excludentes:

  1. Dar um destaque para “Meus apps e jogos”
    como faz as lojinhas mobile

  2. Permitir desinstalar a partir do menu, o XDG tem uma especificação só pra isso que também poderia ser usada para afixar os itens na dock

Essa solução também serve pro problema de fixar apps na dock

[Dificuldade em instalar apps de fora da plataforma]

Esse é talvez a falha mais grave e que sinceramente, torna o elementaryOS inviável pra praticamente todos os públicos alvo que não seja os remarcadores. A loja é full flatpak, não suporta .deb, se a pessoa tenta imstalar um Chrome da vida (que nunca vai aparecer como app curado), da num WinRAR like, não tem indicação nenhuma de meios alternativos, Flathub é outra coisa que eu não entendo: você baixa um .flatpakref e ele adiciona todos os apps da Flathub, mas a Flathub não vem por padrão… Não faz sentido, se a ideia é manter os apps não curados fora da loja, faz muito mais sentido adicionar uma categoria “Flathub” assim os usuários não ficam na mão e não “contaminaria” a loja

4 curtidas

Grande @Natanael.755 curti as suas observações

A sua abordagem de, simplesmente remover o ícone já ajuda bastante, incrível como algo tão simples (menos é mais) pode fazer diferença.

Curiosamente, o Cheese, aplicativo do GNOME para webcams, apesar de não ter um visual super moderno, resolve algumas dessas questões de forma relativamente simples, mesmo sem a “fancy UI”.

Um botão escrito foto, um botão escrito vídeo, e um botão ao centro para a ação, ao mudar para o modo vídeo, ele exibe um timestamp na parte inferior, indicando o tempo de gravação.

Ao tirar uma foto ou gravar um vídeo, ele exibe num painel inferior o arquivo, permitindo que o usuário veja como ficou, ou interaja com ele diretamente pelo mesmo app.

Além disso, ao tirar uma foto ele exibe um contador regressivo na tela (3,2.1…) a tela pisca e um som de alerta é tocado, indicando que a captura foi feita.

Confesso que eu nunca tinha visto isso como um problema até ela fazer esse comentário, mais uma prova que é sempre bom consultar o seu público alvo quando ele não tem nenhuma opinião ou relação com o projeto.

É tipo quando o GNOME fala que fez pesquisas e “ninguém” reclamou de algo que foi removido. Eles simplesmente não estão perguntando para as pessoas que deixaram de usar o GNOME por causa disso, estão perguntando para quem se acostumou a usar assim.

Realmente, visto que é virtualmente possível usar o elementary OS sem o flathub, afinal, provavelmente o Firefox pelo menos as pessoas vão querer instalar e isso já adiciona o flathub completamente na loja, porque não trazer ativo de uma vez? Ou permitir que seja ativado por um clique simples?

Uma forma interessante de fazer isso acontecer é, listar os apps na loja, permitir que o usuário pesquise, e ao clicar para fazer o download, informar que é preciso adicionar o flathub.

Há outro softwares extremamente populares e importantes que não aparecem no repositório, não por serem pouco confiáveis, mas porque simplesmente não estão no flathub.

Eu ainda posso baixar um DaVinci Resolve no elementary OS, que é um arquivo .run e instala dando dois cliques, mas não posso fazer o mesmo com o Chrome, que é um .deb.

Se não beneficia o usuário, por que fazer, certo?

Abraços!

2 curtidas