Linux para todos

Além disso, não sei se faz muito o seu feitio ou se é possível, mas um local bom para se atuar são escolas, especialmente as particulares, por se tornar mais fácil de entrar e ministrar palestras gratuitas, mostrando tecnologias novas, ajudando a promover “semanas de tecnologia” e coisas do tipo.

9 Curtidas

Faz totalmente sentido. Pois tbm sou professor. obrigado Dio.

4 Curtidas

Isso é perigoso kkkkkk

2 Curtidas

Já tive que explicar que Linux Educacional não reflete o Linux que eu uso no dia a dia e do por que os Drivers não são abandonados. informações em cima das desinformações deixada nas pessoas é importante.

4 Curtidas

Receita para desgraça! :rofl:

2 Curtidas

obrigado pela colaboração de todos.

1 Curtida

Como já foi dito, é fundamental que vc domine o serviço que pretende prestar. Vc disse que é uma cidade pequena e vc quer explorar/ criar um nicho de mercado… Um mercado onde ninguém atua e vc seria a única referência, por isso vc realmente precisa dominar as demandas de seus clientes. Caso contrário, além se se queimar, vc pode queimar a imagem do Linux! Acho que muitos aqui já viram esse filme em maior ou menor escala… Empresas, escolas, pessoas que topam implantar o Linux, mas que, por culpa de um suporte precário e/ou incompetente, abandonam a iniciativa e ainda culpam o Linux pelo fracasso, taxando-o de sistema complicado, limitado ou ineficiente. Por isso é preciso estar bem preparado! deixo algumas sugestões:
1- crie uma rede de network que possa te assessorar.
2- use uma única distribuição (ao menos no início) que tenha amplo suporte, estabilidade, compatibilidade com vários hardwares e que seja intuitivo. Iniciaria com uma distro Ubuntu ou baseada nele. Xubuntu, Kubuntu, Mint Cinnamon, XFCE, etc.
3- viabilize a possibilidade de testarem o sistema antes da instalação, pode ser com pendrives ou live dvds. Depois passe para o dualboot.
E, como já foi dito, separe a home, faça cópias de segurança, se possível viabilize backups em outros dispositivos através de softwares de backup, etc.
Acredito que este fórum estará disponível para te ajudar no que for possível. Pode ser o início de seu network.

Te desejo sorte

6 Curtidas

Obrigado. Atualmente estou com Kubuntu e mint. Mais ainda estou analisando outras propostas de Distros. Ainda preciso muito aprender tudo. Vamos que vamos.

1 Curtida

Uma distro que vc pode testar é a Q4OS.

tem vários vídeo sobre ela no canal do confrade @anon49887285

https://www.youtube.com/user/leandroembu1980/search?query=q4os

Veja a review.

Veja também o recente vídeo sobre o Q4OS em máquinas fracas.

1 Curtida

Estava justamente verificando esses vídeos hj a tarde.

Acho que o ponto mais crítico em se fazer esse tipo de migração é o Office. Por melhor que o Libre/OpenOffice seja, o MS Office ainda é o mais popular e o mais familiar para as pessoas. Explicar bem essa questão e mostrar soluções viáveis é essencial para que a pessoa passe a usar apenas o Linux. Essas soluções incluem mostrar o quanto o LibreOffice é bom, citar que existe o Office online, que o GDrive também já trabalha com .docx, e por fim verificar a possibilidade de instalar via WINE. Recomendo você testar essas últimas soluções por um tempo para se acostumar e verificar as falhas.

Fora isso, eu recomendo escolher distros mais estáveis, evitar ao máximo o uso de PPAs de terceiros, não fazer customizações muito radicais, e seguir um bom protocolo de instalação (separar o /home do /, usar um drive para backup se possível, fazer dual-boot quando possível/necessário, verificar a instalação do driver de vídeo). Explicar a fazer as coisas básicas no sistema também é crucial, ex.: instalar/desinstalar programas pela loja de aplicativos, conectar a rede Wifi, Bluetooth, acessar os arquivos, instalar e usar impressoras, …

Uma boa ideia que citaram é usar pendrives/cartões SDs com algumas distros pré-instaladas para que os usuários possam fazer um “test-drive” antes de instalar. E você pode citar que caso o usuário não se acostume com certa interface é possível instalar outra distro sem mexer no /home. Eu não recomendo focar muito na otimização do sistema pensando na velocidade e sim na estabilidade e na facilidade de uso. Não é a toa, por exemplo, que em praticamente todas as distros vêm ativados por padrão um monte de serviços que muitas vezes são desnecessários. Pode perder um pouco de RAM mas quando o usuário tentar usar e não conseguir porque está desativado será menos um usuário.

Boa sorte na sua empreitada!

2 Curtidas

Boa noite,

Desculpe uma resposta tardia e talvez um pouco “impopular” mas quero te dizer algumas coisas com a óptica de alguém que já fez esse trabalho (de indicar distros de linux para pessoas completamente leigas).

1 - Liberdade não é vantagem para o leigo:
Não “venda” a liberdade como vantagem para um leigo. Se essa pessoa for realmente leiga ela terá tanta liberdade no linux quanto no windows. A liberdade do linux vem com conhecimento e estudo e nem todos possuem conhecimento ou vontade de estudar tópicos relacionados à informática.

Alguns exemplos disso:

  • Liberdade de escolher a distro: Todos sabemos que você tem liberdade para escolher qualquer distro mas imagine um leigo que acabou de assistir “Mr Robot”, vê que eles usam linux na série e resolve instalar a distro que “tem o dragãozinho de fundo” (Kali). Essa pessoa é leiga no assunto e acabou de fazer uma escolha que a fará odiar o linux pelo resto da vida (em casos excepcionais ela pode se maravilhar mas esse tipo de gente é minoria).

  • Liberdade de rodar aplicativos de qualquer distro: Para isso a pessoa inicialmente terá que dominar o gerenciador de pacotes de sua distro, depois disso ela terá que dominar Flatpaks/Spanps, e essa linha vai rodando até que ela tenha conhecimento para dominar a compilação dos programas. Então, para um leigo, ter a liberdade de rodar softwares de qualquer distro é irrisório a menos que essa pessoa tenha/adquira conhecimento.

  • Liberdade para rodar softwares via wine: “Pelo amor de deus” nunca use o wine como vantagem do linux para algum leigo. Wine é uma ferramenta para entusiasta ou para quem já tem algum conhecimento do assunto. Certamente um leigo terá a doce ilusão de rodar qualquer programa do windows em um sistema operacional gratuito e vai quebrar a cara na primeira incompatibilidade que depender de configurações mais profundas do wine ou em qualquer software incompatível com o wine. Tenha certeza que esse usuário nunca mais vai querer ver linux pela frente por causa da decepção.

  • Liberdade de modificar o sistema: Seja sincero comigo, você conhece alguma modificação que possa ser feita no linux e que não possa ser feita no windows que um usuário leigo consiga fazer sem estudar nada de linux antes ? Pois é, tem gente que não sabe nem trocar o papel de parede no windows, que esfrega na tua cara como fazer isso, imagina usar esse argumento de customização para pessoas com esse nível de conhecimento. Você terá mais um frustrado que não vai querer ver linux nunca mais na frente.

2 - Segurança:
Muito cuidado com esse argumento. A segurança no windows, em nível de usuário doméstico, hoje não está tão diferente assim do linux, mesmo sem anti-virus nenhum, para uma pessoa se ferrar no windows com algum vírus ela tem que se esforçar bastante. O principal meio de ataque na atualidade é o phishing e esse meio de ataque independe do sistema operacional.
Se você usar a segurança como bandeira do linux para um usuário leigo, você vai passar para ele a impressão de que o linux é inviolável e que ele não precisa mais se preocupar com isso sendo que não é uma realidade.
O que você pode usar como bandeira a favor do linux é que Ramsonwares dificilmente afetam o linux, nesse caso você estará pegando um dos poucos tipos de malware que realmente afetam o windows atual e que ficou famoso por ter causado sérios problemas pouco tempo atrás (WannaCry).

3 - Office:
Atualmente a maior parte dos usuários domésticos usam google docs ou office 365 online e esses serviços só dependem de um navegador e uma conexão com a internet. Utilize isso a seu favor, fale para as pessoas que elas poderão usar o office online e mostre isso para elas. Para aqueles que realmente quiserem uma versão em programa, somente então apresente soluções inicialmente como o WPS office (que possui muita compatibilidade com o MS Office) e somente caso a pessoa realmente queira outra opção apresente Open/Libre Office. Essas suítes office apresentam problemas para quem depende de funções específicas do MS Office como suporte a macros ou planilhas de cálculo muito complexas, portanto tome cuidado ao apresentar tais opções.

4 - Jogos:
Cuidado nesta questão pois existem jogos populares online que não possuem versão nativa de linux e que possuem DRM/Anti-cheat que impossibilitam de executar de forma satisfatória no linux (não sei em que pé está hoje mas o LoL é um exemplo de jogo que dá bastante dor de cabeça para quem quer rodá-lo no linux, porém, até onde lembro, nenhum jogo que utiliza o Denuvo anti tamper executa em wine e não possuem versão nativa de linux). Caso a pessoa não jogue esses jogos “problemático” você pode argumentar sobre a biblioteca da steam (isso por conta do projeto Proton).

Uma atenção especial nesse caso é que você terá que garantir para essa pessoa o drive da GPU dela instalado para que essa possa usufruir do seu hardware sem maiores problemas, então cuidado com a distro escolhida.

5 - Softwares específicos:
Se a pessoa usa Photoshop, AutoCad, OrCad, Multisim, Proteus ou qualquer software de produção sem versão nativa do linux, converse com a pessoa antes. Nem todos querem abandonar sua ferramenta de produção por alguma “alternativa” e esses softwares raramente rodam direito em wine. Se você forçar o linux “goela abaixo” de alguém que não quer abandonar esses softwares (veja que eu só citei alguns exemplos, existem muitos outros), essa pessoa não vai querer ver nem o linux nem você pelo resto da vida.

6 - Lembre-se que uma pessoa satisfeita recomenda para 1 amigo e uma pessoa insatisfeita reclama para 1000 conhecidos:
Respeite a decisão do cliente e seja transparente no que a pessoa vai usar. Qualquer decepção que ela tenha (e eu listei algumas das mais comuns, dentro das experiências que tive, acima) fará com que menos gente ainda queira aderir ao linux. Particularmente com quem utiliza softwares de produção, não faça a pessoa acreditar que softwares “equivalentes” fornecerão a ela todas as possibilidades do comercialmente mais comum. Mesmo sendo verdade algumas das vezes, para que essa compatibilidade exista, a pessoa deverá reaprender a usar a ferramenta e isso trará uma grande insatisfação com você e levará para longe muita gente.

2 Curtidas