Gnome, Manjaro e um iniciante perdido

Olá, boa tarde!
Tem tempo q estou “planejando” minha migração pro Linux, e até tenho tido muita ajuda do pessoal por aqui. Tinha já decidido pelo Linux Mint por eu ser iniciante, e por ser estável.
Porém, hoje instalei o Manjaro Gnome numa VM pra “testar” e acho q apaixonei no Gnome. Já tinha testado o Pop_OS, mas achei o Gnome do Manjaro muito polido e bonito.

Algumas dúvidas, sendo algumas técnicas e algumas mais pessoais:

  1. Sou iniciante no Linux, mas considero ter certa aptidão tecnológica, e msm sabendo q posso ter dificuldade com o Manjaro por ser novo, acho q daria conta. Seria recomendável começar de cara por ele ou é melhor pegar algo mais fácil?
  2. Tem como iniciar algum app da barra de apps igual ao Windows (Cinnamon tb é assim), apertando Super + “número da barra” que não envolva mexer com script? (Ex: primeiro app da barra, apertar Super + 1). Eu sinto muita falta desse atalho no Gnome, e um dos motivos de ir de Mint foi essa função.
  3. No Manjaro quando abro algum app, a barra de apps “some”, e só aparece se eu voltar pro desktop, clicar em atividades ou apertar Super. Tem como fazer ela “subir” com algum programa aberto, para abrir por cima por exemplo? Não acho tão prático toda vez apertado Super e ter q usar o mouse pra clicar no programa q quero…

É isso. Desculpem as postagens frequentes, mas sou detalhista, e queria uma transição mais “segura”, porque meu computador acaba sendo minha fonte de trabalho e lazer muitas vezes, e quanto menos problema, melhor kkkkkkk

Se o Manjaro te “pegou”, vá de Manjaro sem medo. Se joga!

É um sistema com comunidades ativas e amigáveis. Inclusive brasileiras.

Uma referência é o:

4 curtidas

Manjaro é um sistema fácil. Geralmente iniciantes vão para o caminho do Linux Mint ou do ZorinOS, por exemplo, mas nada te impede de começar pelo Manjaro, ainda mais tendo aptidão tecnológica.

Acho que o mais importante, independentemente da distro, é sempre pesquisar e perguntar caso tenha alguma dúvida. :wink:

Não sei te ajudar a configurar isso no GNOME, mas certamente há como estabelecer tais atalhos. Por curiosidade, apertei e segurei a tecla super aqui no meu Manjaro KDE com Latte Dock e percebi que o Latte parece já ter alguns atalhos pré-configurados.

Isso não é característica do Manjaro, é característica padrão do GNOME. O Manjaro já tem múltiplas configurações disponíveis para o leiaute - e o comportamento - do GNOME (há um app específico para isso). Recomendo que dê uma olhada. Basta selecionar o o modelo desejado.

1 curtida

Eu acho que não, já que você gosta de conhecer tecnologias, e se for curioso vai longe! Ainda mais que a base Arch e Manjaro são bem grandes, qualquer problema não será difícil de resolver.

Sim! Existe uma extensão para o gnome chamado Dash-To-Panel, que faz exatamente isso e é extremamente personalizável, então com isso não terá problemas.

Acredito eu que a dash to panel tenha como fazer isso!

E já que gostou do gnome recomendo ver esse video do Dio que fala sobre como usar o gnome, para ter uma noção do porquê das coisas.

2 curtidas

kkkkkkkk obrigado!
Vai ser muito útil esse material!

Entendi! Queria o Mint pela estabilidade, mas sinceramente, o Manjaro Gnome me pegou kkkkkkkk
Valeu a dica!

Saquei! Valeu!

1 curtida

Agora a parte mais técnica:

Entendi! Vou pesquisar como criar de forma simples. Tem algum guia pra isso? tipo, qual comando faz o que?

Show! Já usei ela num VM de Ubuntu que eu tinha, e era muito útil!

Vi esse vídeo hoje a tarde, antes de postar aqui!
E dps fiquei mais animado ainda! Vi um Gnome q nunca tinha percebido!

Uma outra dúvida:
No caso do Manjaro, é uma distro Rolling Release, certo?
Eu queria algo mais estável possível, mas, sinceramente, parece que o Manjaro mesmo atualizando não “quebra” facilmente.
É isso mesmo? Apesar de atualizar com frequência, são poucos os problemas?

Pra mim LTS não tem feito muito sentido. Pq se vc tiver q formatar pra instalar uma LTS nova (recomendação do pessoal costuma ser essa), não vejo sentido pra mim em colocar LTS (no meu uso, pq n vou curtir ter q ficar formatando sempre…)

O jeito e vc engatar no Debian Stable então, E talvez a unica LTS que não e necessario formatar pra trocar de versão.

Na base Arch sim, vc atualiza muito mas a probabilidade de ter problemas e pouca(volta de 15% de chance kkkk)

Pensei no Debian, mas não sei, não preciso de taaaanta estabilidade mesmo kkkkkk

Ah, 15% é considerável mas não é muito ruim não. Que frequência mais ou menos? Mensal?

Até que não, e uma distro de poucos problemas (15% e baixo comparado com o Windows por exemplo)
Bem dizer semanalmente, mas o manjaro pode variar mas tbm e semanalmente

Pra mim, isso é tudo exagerado, fiquei em base DEB por anos com receio de ir para outras bases (apenas testava, mas nunca passava de 1 semana) pois ouvia dizer que as eram instáveis por usar pacotes mais recentes e, bem, estou usando o Arch (kernel stable) já faz um pouco mais de 6 meses e não tive problemas! Talvez a única recomendação, se você quer um pouco mais de estabilidade, seja usar o kernel LTS, e só.

2 curtidas

O Manjaro não quebra mais é bugado, eu usei por vários meses, nunca quebrou mais era bugado.

Não tenho um guia para isso… Talvez as próprias extensões já venham configuradas.

Outra coisa: hoje em dia, não precisa ficar pensando em comandos ao usar distros Linux… A maioria esmagadora das coisas pode ser feita por ferramentas GUI, assim como no Windows. :slight_smile:

Como comentei anteriormente, acredito que o Manjaro GNOME já vem com essas extensões instaladas, bastando ativá-las. Há um app de customização pré-instalado, você só precisa usá-lo.

Sim, Manjaro é rolling release. E, sim, distros rolling release são naturalmente menos estáveis (nos dois sentidos da expressão, ou seja, atualizam com frequência e podem ter maior incidência de bugs) que distros LTS. Contudo, de forma alguma isso quer dizer que uma distro rolling release será “desleixada” ou “quebradiça”.

Pessoalmente, uso Manjaro KDE há meses e não tive qualquer quebra. E sempre atualizo todos os dias (inclusive quando sai alguma versão de kernel).

Por sinal, o Manjaro segura os pacotes para fazer testes. Nem todas as distros rolling release são iguais. A diferença entre ele e o Arch tende a ser de duas semanas, a depender de cada pacote. Isso já é uma diferença significativa.

Eu entendo que o pessoal geralmente recomenda isso porque há pessoas que inserem elementos como pacotes externos (PPAs, no caso do Ubuntu e derivados) que podem causar problemas durante atualizações.

Contudo, se você não faz isso e não for realizar saltos “pulando versões” (ou seja, atualizar, por exemplo, de um 20.10 para um 21.10) ou se mantiver apenas entre versões LTS (por exemplo, de 20.04 LTS para 22.04 LTS), eu diria que a chance de problemas é mínima.

Usei muitas distros ao longo do tempo, e sempre atualizei entre versões em distros LTS. Nunca vi ocorrer quebras. Por sinal, cheguei a questionar alguns professores em um curso de I4.0 que fiz, que tratava também de sistemas Linux, e eles confirmaram que não é necessário formatar (sendo as recomendações estas que fiz acima).

Pessoalmente, eu não formataria em cada troca de versão. Inclusive eu também considero isso um contrassenso, dado que a ideia de um sistema LTS é não depender de manutenção constante.

2 curtidas

Ou mesmo a Dash to dock se ele quiser algo mais parecido com uma dock do MacOS. Quanto a questão de abrir programas pelos atalhos de teclas, com certeza deve ter alguma extensão do Gnome q faça isso.

Por padrão e desde sempre o GNOME Shell abre os programas na sequência que foram favoritados no dash, SUPER+número, Não há necessidade de extensão para esse comportamento se o cinnamon tem esse recurso é porque é um fork do gnome-shell e teve como herança.
#fuiii

2 curtidas

Entendi!
Bom saber!

Usei por umas 2 horas e vi uma ou outra coisa. Mas nada que não consiga viver ou não tenha correção, por enquanto…

1 curtida

Ontem mexi mais a noite e vi que o Manjaro já vem com o Gnome Tweaks e algumas extensões a mais também. Algumas coisas desativadas, mas estão lá.

Entendi!
Acho que vale o teste e o risco.

De acordo, se tivesse que formatar a cada LTS, não faria sentido… Mas de qualquer forma, acho que ainda vou te Manjaro, trocando o Kernel para LTS (essa parte vou aprender, mas pelo que vi não é difícil não)

1 curtida

Sim sim!
Até coloquei em outra resposta, que parece que vem junto, e consegui mudar algumas coisas por lá.

Sim, mas ontem a noite eu achei a opção no menu de layout do Manjaro e estava desativado, por isso não funcionou antes. Pode ser ativado por padrão no Gnome Shell, mas no Manjaro veio desativada por algum motivo ¯_(ツ)_/¯

2 curtidas

Uso o Arch há meses e não tive também nenhum problema com a distribuição como o @kevinlucasilva . Instalei o sistema usando o script “archinstall” da ISO disponibilizada no site da distribuição. Uma recomendação que faço antes de atualizar o sistema é conferir se existe algum aviso de intervenção manual na página oficial da distribuição (https://archlinux.org/) e nas mensagens fixadas do grupo do Telegram “Arch Linux Group” (Telegram: Contact @archlinuxgroup). Instalei a extensão RSS Feed Reader no navegador e o app dessa extensão no celular para acompanhar os avisos de intervenção manual (que não são frequentes) do site oficial. Realizo atualizações diárias, prefiro usar aplicativos no formato flatpak ou appimage e se não houver opção nesses formatos instalo os pacotes dos repositórios oficiais (core, extra, community e multilib). Instalei pouquíssimos aplicativos do repositório mantido pela comunidade - AUR (Google Chrome, Heroic Game Launcher, p. ex.). Uso o GNOME com poucas extensões (preferência pessoal) e ao atualizar a versão do GNOME (versão 41.5 para 42, quando for disponibilizada, p. ex.) desabilito todas as extensões. Após atualizado o GNOME volto a habilitá-las. São coisas que parecem simples, mas imagino que garantem um bom funcionamento do sistema. Recomendo também ter mais de um kernel instalado. Uso o zen kernel (o funcionamento do sistema na minha máquina ficou melhor) e mantenho o stable e o LTS instalados. Não seria necessário manter o stable, mas gosto de testá-lo às vezes. Se usar o kernel stable mantenha o LTS instalado e se usar o LTS deixe o stable como salvaguarda. Até o momento eu não tive nenhum problema relacionado ao funcionamento do kernel no sistema. Sempre consulto a Arch Wiki (https://wiki.archlinux.org/) antes de instalar algo ou para realizar modificações no sistema. Uso os seguintes mirrors brasileiros:

Server = http://archlinux.c3sl.ufpr.br/$repo/os/$arch
Server = http://mirror.ufscar.br/archlinux/$repo/os/$arch
Server = http://br.mirror.archlinux-br.org/$repo/os/$arch

Os mirrors da Unicamp e da USP não funcionam bem. Ao menos essa foi a experiência que eu tive.

1 curtida

Ah então é isso, o manjaro tem alguns layouts pré definidos que modificam o comportamento do shell, não fazia ideia que esses atalhos eram desativados em um deles por padrão, pois é uma característica do gnome-shell.