Escassez global de chips de computador 'atinge o ponto de crise'

Os preços ao consumidor aumentam, enquanto a escassez de semicondutores diminui a produção da Samsung para a Ford

A Ford cancelou recentemente turnos em duas fábricas de automóveis e disse que os lucros podem ser atingidos em US $ 1 bilhão a US $ 2,5 bilhões devido à escassez de chips. Fotografia: Krystian Nawrocki / Getty Images

Os consumidores estão enfrentando aumentos de preços e escassez de produtos de TVs e telefones celulares a carros e consoles de jogos, à medida que cresce a escassez global de semicondutores.
A escassez de chips, o “cérebro” dentro de todos os dispositivos eletrônicos do mundo, vem piorando continuamente desde o ano passado.

Inicialmente, o problema era apenas um atraso temporário nos suprimentos, já que as fábricas fechavam quando a pandemia do coronavírus apareceu pela primeira vez.

No entanto, embora a produção tenha voltado ao normal, um novo aumento na demanda impulsionada pela mudança de hábitos alimentada pela pandemia significa que agora ela está chegando ao ponto de crise.

Os fabricantes de automóveis que investem em veículos elétricos com alta tecnologia, o boom nas vendas de TVs e computadores domésticos e o lançamento de novos consoles de jogos e telefones celulares habilitados para 5G impulsionaram a demanda.

Até mesmo a poderosa Apple, uma empresa de US $ 2 trilhões e a maior compradora mundial de semicondutores, gastando US $ 58 bilhões anualmente, foi forçada a atrasar o lançamento do muito elogiado iPhone 12 em dois meses no ano passado devido à escassez.

“Chips são tudo”, diz Neil Campling, analista de mídia e tecnologia da Mirabaud. “Há uma tempestade perfeita de fatores de oferta e demanda acontecendo aqui. Mas, basicamente, há um novo nível de demanda que não pode ser atendido, todo mundo está em crise e está piorando”.

A Ford cancelou recentemente turnos em duas fábricas de automóveis e disse que os lucros podem ser atingidos em até US $ 2,5 bilhões este ano devido à escassez de chips, enquanto a Nissan está paralisando a produção em fábricas no México e nos EUA. A General Motors disse que pode enfrentar uma diminuição de US $ 2 bilhões no lucro.

No mês passado, a Sony, que junto com outros fabricantes de consoles lutou com a falta de estoque no ano passado, disse que poderia não atingir as metas de vendas do novo PS5 neste ano por causa do problema com o fornecimento de semicondutores. O Xbox da Microsoft disse que prevê que os problemas de abastecimento continuem pelo menos até o segundo semestre do ano.

No entanto, o exemplo mais revelador da crise dos semicondutores veio da Samsung, o segundo maior comprador mundial de chips para seus produtos, depois da Apple. No início desta semana, a empresa disse que pode ter que adiar o lançamento de seu smartphone topo de linha devido à escassez, apesar de também ser o segundo maior produtor mundial de chips.

“É incrível que a Samsung venda US $ 56 bilhões de semicondutores para terceiros e consuma US $ 36 bilhões deles, podendo ter que atrasar o lançamento de um de seus próprios produtos”, diz Campling.

O co-presidente-executivo da Samsung, Koh Dong-jin, que também dirige sua unidade de negócios móveis, destacou uma questão significativa dizendo que há um “sério desequilíbrio” na hierarquia de quem está recebendo os suprimentos limitados de chips.

Os fabricantes de automóveis, que cortaram os pedidos de chips enquanto as vendas de veículos caíram no ano passado, se viram no final da fila quando tentaram fazer novos pedidos, quando o mercado se recuperou. Toda a indústria automotiva global compra cerca de US $ 37 bilhões em chips, com os maiores participantes, como Toyota e Volkswagen, gastando mais de US $ 4 bilhões cada, o que os torna relativamente pequenos para fornecedores de semicondutores.

“Os mais afetados foram os automóveis porque foram os últimos a chegar à festa; se a Apple está gastando US $ 56 bilhões por ano e crescendo, para quem você vai manter os suprimentos indo primeiro? ” diz Campling.

A escassez de chips parece que vai persistir por algum tempo. Pode levar até dois anos para colocar fábricas de produção de semicondutores em funcionamento e os fabricantes estão no processo de aumentar significativamente os preços pela segunda vez em menos de um ano.

“Não há sinal de que a oferta está aumentando ou diminuindo a demanda, enquanto os preços estão subindo em toda a cadeia”, disse Campling. “Isso vai passar para as pessoas na rua. Espere que os carros custem mais e os telefones custem mais. O iPhone deste ano não será mais barato do que no ano passado. ”

8 curtidas

Eis aí um motivo não-declarado para completar as alegações da Ford e da Volkswagen.

2 curtidas

Algumas montadoras de automóveis estão paralisando aqui no Brasil justamente pela falta de componentes.

Li que ano passado o aumento em equipamentos eletrônicos foi em média de 30%, mas, só o Nintendo Switch teve uma acréscimo no preço de 211%!

3 curtidas
4 curtidas

Previsão esta indo bem mais além dos 2 anos para se estabilizar a produção de chips, imagina o atraso tecnológico que isso vai causar.

Pior e a falta até mesmo de equipamentos usados como computadores, servidores Dell, HP, IBM entre outras marcas estão nas alturas, pelo visto as empresas que de tempos em tempos substituem sua infra para equipamentos mais novos e modernos ( geralmente 4 anos ) não estão fazendo a troca.

3 curtidas

E tem gente ainda dizendo que isso não é uma crise de hardware também!

A produção de hardware deveria ser pauta de geopolítica. Que nem as culturas e subculturas das redes sociais, as fintechs e as criptomoedas. Diplomatas e governantes cochilaram na última década…

3 curtidas

E Assim o preços dos hardwares irão subir cada vez mais e será preciso cada vez mais pechinchar nas OLXs e Mercado Livre da vida

1 curtida

Salvo situações de vida ou morte, nem é recomendável adquirir componentes novos por um tempo.

4 curtidas

Montei meu PC +/- dia 10 Janeiro 2020, pensando em adicionar mais alguns componentes dentro de 6 meses ou 1 ano, e com a pandemia o jeito foi adiar aqueles planos.

Uma boa economia, já que o básico inicial já estava dimensionado com folga para vários anos. Escolhi um SSD de 480 GB, que é mais do que suficiente por enquanto. Se não fosse pela pandemia, eu talvez já tivesse acrescentado um segundo SSD de 480 GB. Mas a verdade é que não está fazendo falta.

Escolhi 1 pente de Memória de 16 GB, para poder acrescentar +3 no futuro. Também não vai fazer falta tão cedo.

4 curtidas

E o preço já não estava um pouco mais elevado que o habitual por conta do dólar?

1 curtida

@TiagoCardoso Infelizmente, eu não vinha acompanhando a evolução anterior dos preços.

Só acompanho a evolução do dólar, pelo quadro do Banco Central:

 8 Janeiro 2019    3,7202
 8 Janeiro 2020    4,0666  --- véspera da compra
 8 Janeiro 2021    5,3677
 5 Maio    2021    5,3866
1 curtida

Em entrevista para o 60 minutes, CEO da Intel analisa a escassez de chips e a dependência global da Ásia

O CEO da Intel expõe o quão frágil uma cadeia de suprimentos pode ser.

O que você precisa saber

  • O CEO da Intel, Pat Gelsinger, foi recentemente ao programa 60 Minutes da CBS.
  • Durante a entrevista do programa, ele afirmou que os EUA viram uma queda drástica na produção de semicondutores.
  • É reiterado que a Intel é a última linha de defesa doméstica para as necessidades de semicondutores com base nos Estados Unidos.

Embora houvesse muitos comentários do CEO da Intel, Pat Gelsinger, no 60 Minutes, incluindo o anúncio de que a Intel gastará muito dinheiro em atualizações das fábricas de Rio Rancho, além de seu plano de US $ 20 bilhões para fazer novas fábricas no Arizona, o maior pode ser as palavras moderadas que Gelsinger compartilhou sobre o estado da dependência de semicondutores nos Estados Unidos.

Depois que os telespectadores foram informados de que costumava haver vinte e cinco fabricantes de chips em todo o mundo e agora existem apenas três, sendo a Intel a única com sede nos Estados Unidos, Gelsinger deu uma estatística que explica muito por que o país está com escassez rotina em que está.

“25 anos atrás, os Estados Unidos produziam 37% da fabricação mundial de semicondutores nos Estados Unidos”, disse Gelsinger. “Hoje, esse número caiu para apenas 12%.”

Para efeito de comparação, 75% da fabricação de semicondutores ocorre atualmente na Ásia.

Gelsinger prosseguiu dizendo que depender de qualquer região, especialmente uma como a sempre imprevisível Ásia, é uma estratégia arriscada. Ele acrescentou que o objetivo da Intel é trazer um pouco dessa dependência de volta para casa, para que a produção doméstica de chips seja mais bem equipada para atender às necessidades dos cidadãos americanos, além de benefícios como a criação de empregos nos EUA. Ao trazer a produção para casa, os EUA estarão no controle de seu futuro tecnológico.

Quando a TSMC ultrapassou a Intel no setor de manufatura, Gelsinger teve uma visão otimista: “Acreditamos que isso nos levará alguns anos e nos recuperaremos.”

O tempo dirá se a Intel pode cumprir essa meta, alcançar a TSMC e ajudar a proteger os EUA de uma futura escassez de chips tão terrível quanto a atual.

https://www.windowscentral.com/60-minutes-intel-ceo-interview-breaks-down-chip-shortage-and-global-dependency-asia

3 curtidas

Problemas na produção de chips da Realtek também podem afetar o mercado de PCs

Fabricantes de notebooks estão pressionando a empresa para atender a demanda

A DigiTimes publicou uma matéria na última segunda-feira (12) afirmando que a Realtek também entrou na lista de fabricantes que passam por problemas na sua linha de produção de chips, não conseguindo atender a alta demanda atual. Os chips de áudio e LAN da fabricante estão presentes em diversos dispositivos como notebooks, automóveis e mais .

Assim como já foi noticiado com diversas outras fabricantes de silício, a principal causa desse problema é a alta demanda pelos componentes que equipam dispositivos eletrônicos hoje, acompanhado de alguns desafios na logística de produção causados pela pandemia do novo coronavírus.

A DigiTimes afirmou que a Realtek já estendeu o seu prazo de entrega dos componentes em 32 semanas , já que as fábricas estão operando com toda a sua capacidade e também enfrentam problemas de reposição da matéria prima para a produção dos chips .

A Realtek está com dificuldades de atender sua demanda por chips de rede com e sem fio, como Ethernet e Bluetoth e, apesar de existirem outras fabricantes desses componentes, os chips da Realtek de audio e LAN ocupam 70% do mercado global atualmente . Esse cenário torna muito difícil a simples substituição dessa marca por outra equivalente.

Isso significa que esse é mais um dos fatores que pode contribuir com o aumento de preços de computadores pessoais, e várias fabricantes estão sofrendo do mesmo problema da Realtek no mundo inteiro. De acordo com a DigiTimes, só o problema de produção da Realtek já foi o suficiente para atrasar a fabricação de notebooks e automóveis, além de outros setores da indústria.

Além disso, algumas fabricantes de notebooks como a Dell e a HP teriam pressionado a Realtek para aumentar a sua capacidade de fabricação de chips para atender a demanda . No entanto, como já comentamos, todo mercado está passando por problemas de reposição da matéria prima para a fabricação desses componentes.

Por enquanto, a indústria ainda vai ter que lidar com atrasos nas linhas de produção e, graças a crescente demanda, os consumidores provavelmente vão continuar lidando com a crescente inflação dos preços de PCs.

1 curtida

Intel, Nvidia e TSMC alertam: escassez de chips não acabará tão cedo
Escassez global de chips virou problema crônico: Intel, Nvidia e TSMC sugerem normalização em 2022 ou, ainda, 2023

Uma pergunta incômoda tem pairado sobre o setor de tecnologia: quando a atual escassez de chips chegará ao fim? As respostas dos principais nomes do segmento não são animadoras. A TSMC , que fabrica processadores para a Apple e outras companhias, sinalizou que a solução não aparecerá antes de 2022. Intel e Nvidia deram previsões parecidas.

O problema é consequência, em grande parte, da pandemia de COVID-19. Com muita gente passando mais tempo em casa, a procura por notebooks, smartphones, tablets e TVs, por exemplo, aumento consideravelmente em 2020.

Quase que ao mesmo tempo, a indústria automotiva, que tinha paralisado linhas de montagem em várias partes do mundo nos primeiros meses da pandemia, teve uma retomada de produção com demanda muito acima do esperado.

A combinação desses e de outros problemas fez o setor de semicondutores enfrentar uma crise que afeta praticamente todos os ramos da indústria: falta chip para celulares, PCs, carros, máquinas de lavar e assim por diante.

Recentemente, a TSMC anunciou um investimento de US$ 100 bilhões para a construção de mais fábricas. Mas esse é um plano de longo prazo: o montante vai ser investido durante três anos.

Para um futuro próximo, a companhia avisou que a escassez global de chips perdurará, podendo chegar a 2022 ou 2023. O problema é tão grave que afeta até a Apple: a companhia tem certa prioridade na encomenda de chips, pois possui recursos financeiros para encomendar grandes volumes e negociar preços. Mesmo assim, o problema já dificulta a produção de iPads e MacBooks.

Não vai ser surpresa se a próxima geração de iPhones também for prejudicada.

Sobre a Nvidia, a companhia tem sido questionada sobretudo pela falta de placas de vídeo da atual série GeForce RTX 3000. Com algum esforço, é possível encontrar modelos dessa linha no varejo, mas a procura é tão alta que os preços dispararam.

De novo, não há sinal de melhora da situação no curto prazo. A Nvidia alertou que a demanda continuará maior do que a oferta durante todo o ano de 2021. Há boas chances de que o problema continue existindo no começo de 2022.

Em entrevista recente, Pat Gelsinger, CEO da Intel, declarou que o problema pode durar “alguns anos”, dando a entender que a normalização pode acontecer apenas em 2023.

Mas, para a Intel, esse cenário tende a ter um efeito positivo. A companhia planeja investir US$ 20 bilhões na construção de duas fábricas nos Estados Unidos para fabricação de chips sob encomenda. A alta demanda pode levar a empresa a obter clientes dentro desse modelo de negócio com relativa facilidade.

Enquanto isso, é bom manter a atenção: como o exemplo da Nvidia deixa claro, enquanto a demanda não corresponder à oferta, os preços de equipamentos deverão seguir aumentando.

1 curtida

A escassez global de chips está começando a ter grandes consequências no mundo real

PONTOS CHAVE

  • Com o avanço da tecnologia, os chips semicondutores se espalharam de computadores e carros para escovas de dente e secadoras - eles agora se escondem sob o capô de um número surpreendente de produtos.
  • Mas a demanda por chips continua superando a oferta, e as montadoras não são mais as únicas empresas a sentir o aperto.
  • Muitas empresas - principalmente aquelas na China que foram atingidas por sanções - estão aumentando seus estoques de chips em demanda para tentar sobreviver à tempestade, mas isso está tornando os chips ainda mais difíceis de conseguir para outras empresas.

O chip Epyc de 2ª geração, fabricado pela Advanced Micro Devices Inc. (AMD), está preparado para uma fotografia durante um evento de lançamento em San Francisco, Califórnia, EUA, na quarta-feira, 7 de agosto de 2019.

A gravidade da escassez global de chips aumentou um pouco nas últimas semanas e agora parece que milhões de pessoas serão afetadas.
Com o avanço da tecnologia, os chips semicondutores se espalharam de computadores e carros para escovas de dente e secadoras - eles agora se escondem sob o capô de um número surpreendente de produtos.

Mas a demanda por chips continua superando a oferta, e as montadoras não são mais as únicas empresas a sentir o aperto.

A gigante sul-coreana da tecnologia Samsung disse na semana passada que a escassez de chips está atingindo a produção de aparelhos de televisão e aparelhos, enquanto a LG admitiu que a escassez é um risco.

“Devido à escassez global de semicondutores, também estamos experimentando alguns efeitos, especialmente em torno de certos conjuntos de produtos e produção de telas”, disse Ben Suh, chefe de relações com investidores da Samsung, em uma ligação com analistas.

“Estamos discutindo com varejistas e grandes canais sobre planos de abastecimento para que possamos alocar os componentes aos produtos que têm mais urgência ou maior prioridade em termos de abastecimento.”

O co-presidente-executivo e chefe móvel da Samsung, Koh Dong-jin, disse em uma reunião de acionistas em março que há um sério desequilíbrio na oferta e demanda de chips no setor de TI. Na época, a empresa disse que poderia pular o lançamento do próximo smartphone Galaxy Note.

A LG disse que está “monitorando de perto a situação, já que nenhum fabricante pode ficar livre do problema se ele se prolongar”, de acordo com o The Financial Times. A LG não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da CNBC.

Aparelhos de uso diário em risco

A produção de processadores de margem baixa, como os usados para pesar roupas em uma máquina de lavar ou torrar pão em uma torradeira inteligente, também foi atingida. Embora a maioria dos varejistas ainda consiga colocar as mãos nesses produtos no momento, eles podem enfrentar problemas nos próximos meses.

Até mesmo as empresas de lavagem de cães estão sofrendo, de acordo com o The Washington Post. A CCSI, que fabrica cabines de lavagem eletrônica de cães no vilarejo de Garden Prairie, em Illinois, foi informada recentemente por seu fornecedor de placas de circuito que os chips usuais não estavam disponíveis, de acordo com o relatório.

A empresa, que não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da CNBC, teria recebido um chip diferente, mas isso exigia que a empresa ajustasse suas placas de circuito, aumentando os custos no processo.

“Este problema específico afeta todos os aspectos da manufatura, desde pequenas pessoas até grandes conglomerados”, disse o presidente Russell Caldwell.

“Literalmente, temos campos de milho ao nosso redor … não há muitos aqui.”

Muitas empresas - principalmente aquelas na China que foram atingidas por sanções - estão aumentando seus estoques de chips em demanda para tentar sobreviver à tempestade, mas isso está tornando os chips ainda mais difíceis de conseguir para outras empresas.

Indústria automobilística segue pior atingida

O setor automotivo, que conta com chips para tudo, desde o gerenciamento de motores por computador até sistemas de assistência ao motorista, ainda é o mais atingido. Empresas como Ford, Volkswagen e Jaguar Land Rover fecharam fábricas, demitiram trabalhadores e reduziram a produção de veículos.

Stellantis, a quarta maior fabricante de automóveis do mundo, disse na quarta-feira que a falta de chips piorou no último trimestre. Richard Palmer, o diretor financeiro da empresa criada por meio da fusão da Fiat Chrysler com a PSA, fabricante da Peugeot, alertou que a ruptura pode durar até 2022.

Algumas montadoras estão deixando de fora os recursos de ponta por causa da escassez de chips, de acordo com um relatório da Bloomberg na quinta-feira.

A Nissan está deixando de fora os sistemas de navegação dos carros que normalmente os teriam, enquanto a Ram Trucks parou de equipar suas 1500 pickups com um espelho retrovisor “inteligente” padrão que monitora os pontos cegos.

“A Ram parou de incluir a opção em todos os modelos Tradesman, Bighorn, Rebel e Laramie no momento devido ao fornecimento limitado de componentes eletrônicos usados nesta opção”, disse um porta-voz da Ram à CNBC, acrescentando que a empresa planeja retomar a oferta da opção ainda este ano.

Em outros lugares, a Renault não está mais colocando uma tela digital de grandes dimensões atrás do volante de certos modelos. A Nissan e a Renault não responderam imediatamente a um pedido de comentários da CNBC.

As locadoras de veículos também estão sentindo os efeitos, já que não podem comprar os veículos novos que desejam, de acordo com um relatório da Bloomberg na terça-feira. A Hertz e a Enterprise, que tradicionalmente lucram com a compra de veículos novos a granel e alugando-os, teriam recorrido à compra de carros usados em leilão.

“A escassez global de microchip afetou a capacidade de toda a indústria de aluguel de automóveis de receber novos pedidos de veículos tão rapidamente quanto gostaríamos”, disse um porta-voz da Hertz à CNBC.

A Hertz disse que está “complementando” sua frota “comprando veículos usados de baixa quilometragem” de leilões e concessionárias.

Um porta-voz da Enterprise disse que a escassez global de chips “impactou a disponibilidade de novos veículos e as entregas em toda a indústria em um momento em que a demanda já é alta”.

Problema complexo envolvendo muitos componentes móveis

A maior fabricante de chips do mundo, a TSMC (Taiwan Semiconductor Manufacturing Company), disse no domingo que acha que será capaz de atender à demanda automotiva até junho.

Mas Patrick Armstrong, CIO da Plurimi Investment Managers, disse à CNBC “Street Signs Europe” na terça-feira, que o cronograma é altamente ambicioso.

“Se você ouvir Ford, BMW, Volkswagen, todos eles destacaram que há gargalos de capacidade e eles não podem obter os chips de que precisam para fabricar os novos carros”, disse ele, acrescentando que acha que vai durar 18 meses.

O presidente-executivo da fabricante alemã de chips Infineon disse na terça-feira que a indústria de semicondutores está em território desconhecido.

“A situação atual, onde todas as verticais estão crescendo, eu nunca vi antes”, disse Reinhard Ploss ao canal “Street Signs Europe” da CNBC.

Ploss disse que está “muito claro que levará algum tempo” até que a oferta e a demanda sejam reequilibradas. “Acho que dois anos é muito tempo, mas com certeza veremos chegando a 2022”, disse ele. “Acho que capacidade adicional virá … Espero uma situação mais equilibrada no próximo ano civil.”

Soberania de tecnologia

As nações agora estão sendo forçadas a pensar em como podem aumentar o número de chips que produzem. A grande maioria dos chips do mundo é feita na China, enquanto os Estados Unidos são o segundo maior produtor.

A Comissão Europeia, braço executivo da UE, disse que deseja aumentar a capacidade de fabricação de chips na Europa como parte de um esforço para se tornar mais autossuficiente do que considera uma tecnologia crítica.

A Europa atualmente é responsável por menos de 10% da produção global de chips, embora seja 6% maior que há cinco anos. Ela quer aumentar esse número para 20% e está estudando investir de 20 a 30 bilhões de euros (US $ 24 a 36 bilhões) para que isso aconteça.

A gigante americana de tecnologia Intel ofereceu ajuda, mas supostamente quer 8 bilhões de euros em subsídios públicos para construir uma fábrica de semicondutores na Europa.

Pat Gelsinger, CEO da Intel, se reuniu com dois comissários da UE em Bruxelas, incluindo Thierry Breton, na sexta-feira passada, após se reunir com ministros alemães no dia anterior.

“O que estamos pedindo dos governos dos Estados Unidos e da Europa é que seja competitivo para nós fazê-lo aqui em comparação com a Ásia”, disse Gelsinger em entrevista ao Politico Europe, onde foi citado dizendo que estava procurando cerca de 8 bilhões de euros em subsídios.

1 curtida

A coisa está tão grave que vários modelos de notebooks já estão fora de estoque, não porque saíram de linha, mas, porque os fabricantes não conseguem peças para montá-los… Vi umas workstations móveis por exemplo, que o pedido de reserva demanda pelo menos 6 semanas para o envio do equipamento.

Nova análise da situação: