É possível usar uma segunda partição EFI como principal em dual boot com windows 10, no caso pra manter a do windows 10 intacta?

Explico a pergunta estranha, pois foi o melhor que consegui pensar pra minha pergunta. Quero fazer um dual boot novamente com o windows 10, mas não quero mexer em nada na partição EFI dele. Estava querendo instalar o Arch com o plasma 5.16, mas como ele costuma atualizar bastante, fico com receio de usar a partição EFI do windows 10, que por sinal é muito pequena.

No caso, eu faria assim: separo uns 100gb pro arch, vamos dizer que o hd tenha 500gb, o windows ficaria com os 400gb restantes. Não toco na partição EFI dele, mas na partição de 100gb reservada ao arch, criaria 3 partições: uma EFI de no mínimo 512mb, uma swap e o espaço restante deixaria para raiz/home. Ao instalar o grub na partição efi nova, ele vai reconhecer o windows 10? Se não, o que preciso configurar pra ele reconhecer a instalação do windows 10? Agradeço pessoal se vcs puderem me ajudar, pois seria uma mão na roda não mexer na EFI do windows, pois assim facilitaria demais minha vida, daria pra testar qualquer distribuição linux de boas, manteria o win10 seguro.

1 Curtida

Eu acredito que o Grub irá reconhecer a partição com o Windows, no entanto é bem provável que vc seja obrigado a fazer uma mudança na BIOS para o boot do linux, caso o linux não encontre o Windows, você pode tentar forçar esse detecção usando o “update-grub” ou mesmo editando manualmente a entrada o que é um pouco mais difícil, mais nada muito cabuloso https://www.vivaolinux.com.br/dica/GRUB-2-Ubuntu-1404-Editando-nome-sistema-default-e-tempo-de-boot

2 Curtidas

É possivel sim, so utilizo assim porem tem que alterar na bios para iniciar pelo uefi da distro linux e nao peli window boot manager.

2 Curtidas

Entendi, agradeço pelas dicas @ving2004 e @Diegolivsg, ajudaram demais. Vendo uns tutoriais de instalação do arch, vi que rodando o comando os-prober antes do grub-mkconfig resolve o problema, pois o comando os-prober informa ao grub onde tá a partição do windows, assim o grub-mkconfig detecta automaticamente. Daqui a pouco farei a instalação e posto aqui se deu certo. Pra aproveitar meu próprio tópico, vou usar o plasma no arch, adorei as mudanças no plasma 5.16. Os pacotes mínimos necessários para ele basta apenas o plasma/konsole e dolphin?

E finalizando as perguntas, qual o melhor pra usar: partição swap ou o arquivo /swapfile? Pergunto isso pois ontem vi um vídeo no yt de um camarada usando o swapfile na instalação do arch no lugar da partição swap em si, nunca tinha visto isso, pra falar a verdade nem sabia desse arquivo swapfile. O que vcs acham que vale mais a pena?

1 Curtida

Eu prefiro partição de swap mas como tenho 8gb de ram praticamente nunca uso. A vantagem do swapfile voce pode alterar tamanho quando quiser e se houver necessidade.

1 Curtida

Bom dia @StrikerFX,t udo bem?

No meu computador de trabalho eu utilizo uma configuração muito similar a esta que você quer fazer (Window 10 e Elementary) e o que eu observei é o seguinte:

  • Se você está com o Windows instalado e vai instalar uma distribuição, basta criar suas partições e seja feliz. O instalador da maior parte das distribuições atuais (Ubuntu, Elementary, Mint, Debian, Pop!) faz uma busca por partições com as “flags” de inicialização ao instalar o gerenciador de boot e tenta adicionar as entradas correspondentes na lista dele.
  • Se você já está com uma distribuição e pretende instalar o W10, saiba que ele não te permite escolher a partição onde os arquivos de boot serão instalados - o setup vai te obrigar a criar uma partição nova através do instalador do Windows e assim ele fará a cópia dos arquivos necessários. Possivelmente existe alguma forma de forçar a escolha de uma partição, mas não é uma opção visível no instalador padrão.
2 Curtidas

Verdade @eddiecsilva, mesmo usando o arch, bastou instalar os pacotes os-prober, ntfs-3g que o comando mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg reconheceu a partição do windows 10 sem problemas. Meu sistema nativo é o windows 10, já está instalado na máquina, estou cogitando até em manter um triple boot, deixando o windows 10 e alguma outra distro como principais, a terceira será pra testes, como o arch e suas variantes.

O que pude conferir é que em caso de dualboot, ficou bem melhor criar uma partição EFI dedicada do que usar a do windows, pois no caso de problemas, resolver se torna bem simples. Fica a dica ai para quem estiver em dúvidas se vale a pena ou não criar uma partição efi extra para o dual boot, pra mim valeu muito a pena. Problema resolvido com sucesso!

2 Curtidas

Sugiro que para fazer testes simples você use uma máquina virtual ao invés de fazer uma instalação real, somente instale quando for necessário testar algo específico como um driver / periféricos ou quando você realmente quer testar como a distribuição se comporta no uso real e diário.

Testar na máquina virtual te poupa de muitos inconvenientes como por exemplo: apagar o disco errado, corromper o bootloader, instalar a distro na partição errada e afins.

1 Curtida

Algo que eu esqueci de perguntar, era pra ter feito essa pergunta bem antes. Quais drivers são necessários pra quem usa onboard da intel, que é o meu caso, a hd4600 do 4770k? Até hoje não sei quais drivers devem ser instalados pra funcionar corretamente, além dos drivers que habilitam a aceleração de vídeo. Agradeço quem puder me informar, acho que da pra remover o windows 10 e deixar o dual entre o arch e fedora tranquilamente agora.

Geralmente não precisa instalar nada kra ainda mais drivers intel, so precisa instalar para placas de video off nvdia e tals. e bom conferir se tem o intel microcode instalado só.

1 Curtida

Entendi, costumo apenas instalar o libva-intel-driver, pra habilitar o vaapi no mpv, pois fica muito melhor ver vídeos com o vaapi ativado.

1 Curtida