Convergência tecnológica e o mundo na próxima década

Desculpe-me pela tag “Notícia”, que não é exatamente o ponto deste tópico – é discussão –, mas vocês dão poucas opções…

Sou uma pessoa que curte ler, de vez em quando, matérias a respeito de futurismo. Recentemente teve o lançamento do GPT-3 e fui dar uma olhada nessa tecnologia de GPT.

O GPT-3 é a versão mais recente do algoritmo de inteligência artificial da OpenAI, e pode criar desde páginas da internet até contos de ficção.
O GPT-3 é um sistema baseado em aprendizado de máquina desenvolvido para escrever textos de forma automatizada. Esta versão mais recente foi alimentada com um pacote de dados de 45 TB de texto — uma quantidade de informações muito maior do que qualquer outra IA já foi sujeitada. Isto permite que o GPT-3 consiga escrever praticamente qualquer conteúdo baseado em texto, incluindo histórias de ficção, linhas de código de programação, e até mesmo textos jurídicos que utilizam de jargão legal.
showmetech

Essa é uma tecnologia muito poderosa, uma forma de testá-la diretamente é através do jogo AI Dungeon. É de cair o queixo! É claro que tem problemas (especialmente do fato da IA não se lembrar de coisas que ela mesmo definiu numa jogada anterior…), a versão gratuita usa uma versão menos avançada do GPT-3 e embora o GPT-3 em si, atualmente, seja a mais avançada no seu ramo, ainda tem muito chão pra caminhar. Os empregos dos programadores continuarão seguros se dependerem da GPT-3, mas me pergunto se, com o GPT-5/GPT-6 ou equivalentes, algumas tarefas relativamente simples não poderão ser feitas confiável e inteiramente por inteligências artificiais, o que diminuiria a demanda por programadores.

Isso me incentivou a pesquisar mais sobre o estado da evolução das tecnologias e olha, estou muito contente com o que vi e estou muito ansioso para ver como será o mundo daqui a apenas 10 anos, 2030 promete ser um ano bem interessante.

Não sei vocês, mas achei essa década de 2010 meio sem sal. Calma, calma, não estou dizendo que não houve avanços e que essa foi uma década de trevas, a área da medicina teve seus avanços, a velocidade da internet aumentou, computadores ficaram mais poderosos, etc, mas foram melhoramentos “lineares”, não houve nenhuma grande quebra de paradigma. As únicas exceções que me lembro agora foram o surgimento de serviços de streaming como NetFlix e uma leve mudança no transporte “público” através de serviços a la Uber, mas essencialmente (ignorando esse contexto de pandemia) vivemos hoje, em 2020, do mesmo jeito que em 2010.

Mas essa década de 2010 ajudou a amadurecer muitas tecnologias que trarão a próxima convergência tecnológica. Um exemplo de convergência tecnológica do passado é dada no livro “Rethinking Humanity” de James Arbib & Tony Seba (que, inclusive, está disponível gratuitamente pra download de forma legal)

“As inovações vieram rapidamente na segunda metade do século 19 e o custo das tecnologias-chave caiu drasticamente. Os trilhos de aço produzidos com o processo Bessemer custavam US$ 170 por tonelada em 1867, mas em 1898 o custo havia caído para apenas US$ 15 por tonelada. O motor de combustão Otto foi desenvolvido em 1876 enquanto as primeiras descobertas de petróleo nos EUA e os desenvolvimentos no refino levaram a um suprimento abundante de combustível de baixo custo. A vulcanização da borracha (1844) e o desenvolvimento do pneu pneumático (1887) substituíram as rodas de ferro e de madeira que não resistiam às forças do ICE.”
Todas essas tecnologias criaram a possibilidade de uma nova forma de transporte, com os primeiros carros a gasolina aparecendo na Alemanha em 1887, seguidos de perto por seus equivalentes norte-americanos em 1893.

Que “peças” temos agora para a próxima grande convergência tecnológica? De cabeça, me lembro dessas aqui:

  • Internet 5G (já viram a velocidade que isso dá? Será um salto imenso!)
  • Blockchain (há muito mais utilidades pra isso do que Bitcoin)
  • Inteligências Artificiais Gerais muito melhores
  • Computação quântica (creio que vá demorar um pouquinho mais pra se popularizar, mas tá caminhando)
  • Impressoras 3D mais poderosas e mais acessíveis (lembrando que isso tem aplicação também para impressão de órgãos)
  • Alimentos criados em laboratório

Mas é claro que depende de como tudo será conduzido, pode ser que em vez de alcançarmos uma quase utopia nos próximos 30 anos, podemos ter o contrário e um possível colapso da civilização. Por exemplo, se os alimentos criados em laboratório (que prometem ser mais baratos e saudáveis), tiverem seus preços artificialmente elevados (como ocorre com medicamentos nos EUA), não adianta nada o produto ter o custo baixo de produção, os problemas sociais permanecerão, isso se não piorarem.




Dicas de leitura

  • Rethinking Humanity - James Arbib & Tony Seba (2020)
  • The Future Is Faster Than You Think: How Converging Technologies Are Transforming Business, Industries, and Our Lives-Simon Schuster - Peter H. Diamandis & Steven Kotler (2020)
  • O subReddit Futurism: r/Futurism/

Eu, assim como você, gosto de matérias deste tipo. Convivo com tecnologia há mais de 35 anos e ainda me apaixono com algumas coisas.
Mas algumas coisas sempre me deixaram muito triste e desiludido neste mundo.
Uma delas, a “obsolescência programada”. A Apple, por exemplo, confessou que as versões recentes do iOS eram programadas para funcionarem de forma ruim em iPhones mais antigos, propositalmente.
Outra coisa é o atraso nas implementações tecnológicas. Por exemplo, o Ford Model A, de 1928, fazia 12 km/l. Quantos km/l faz seu carro, 100 anos depois? tudo bem, tem muito mais tecnologia embarcada, mas NADA justifica um consumo desses a não ser o interesse econômico da indústria petrolífera.

Já temos tecnologia para enviar robôs à Marte, mas não conseguimos fazer uma simples bateria de celular durar 48 horas, por exemplo.

A resposta? dinheiro. A coisa tem que “valer a pena”, financeiramente falando. Pouco importa o benefício que trará à humanidade. Se não der MUITO dinheiro aos poucos que detêm os recursos de produção, toda a humanidade terá que esperar.

Não sou “anti-capitalista”, pelo contrário. Acho que o dinheiro deveria servir para o bem estar de todos, principalmente dos que produzem o capital.
Não creio que em 2030 estaremos TÃO diferentes de como estamos hoje.

2 Curtidas

Já o meu medo para as novas tecnologias, além da obsolescência programada, é a falta de acesso e a super centralização. Sei que há interesses capitalistas por trás do investimento dessas tecnologias, mas tenho medo da ganância desses bilionários f*der tudo.

O primeiro exemplo é o que citei no finalzinho do meu post de abertura: sermos capazes de criar alimento saudável a um custo quase zero, mas a ganância falar mais alto e serem cobrados valores demasiadamente altos por esses produtos. É por isso que o open source é tão importante e tem que englobar tudo o que for possível!

Outro problema é a questão de patentes e direitos autorais. Imagine que uma empresa crie uma inteligência artificial que gera bilhões e bilhões de melodias, para que ela possa processar qualquer um que crie música, pois o artista acabará criando um som parecido com o que a empresa tem no seu banco de dados. É preciso haver regulação para evitar esse tipo de trolagem, se já não houver.

Gosto de ver ricaços investindo no desenvolvimento tecnológico (embora não devamos nos esquecer que o Estado é responsável por uma parte crucial, aqui um exemplo interessante), mas não gosto dessas personalidades, muitos deles têm um perfil bem filho da p*uta (dois exemplos só do Elon Musk: aqui e aqui), por isso que fico meio com o pé atrás quando se trata dessa gente.


A boa notícia é que há muito incentivo político e financeiro para o desenvolvimento das inteligências artificiais e computação quântica (vide a “guerra” entre Estados Unidos e China). É como foi a corrida espacial, mas dessa vez não acredito que o desenvolvimento pare assim que um dos lados conseguir “pisar na lua” primeiro.


Não é que teremos uma vida a la Jetsons, mas o desempenho das inteligências artificiais em 2020 me deixaram com uma grande impressão. Eu vi o que o pessoal da Open AI vem fazendo e fiquei bastante impressionado.

Sei que não é saudável manter as expectativas lá em cima, mas eu ficaria muito desapontado se 2030 for mais do mesmo de 2020 da mesma forma que 2020 foi mais do mesmo de 2010. Minha esperança é que essas inteligências artificiais cada vez mais avançadas deem um impulso ainda maior na pesquisa de outras áreas. Já pensou se essas inteligências artificiais conseguirem nos entregar a produção de grafeno completamente viável em 2025 e termos boa parte das coisas convertidas para esse material em 2030? Ou sejá que esse espaço de tempo está muito apertado :sweat_smile:?





Temos que apoiar é a DESCENTRALIZAÇÃO! Cidades ou pequenas regiões que sejam autônomas, capazes de suportar sua própria energia, manutenção, expansão e nutrição dos seus habitantes, isso nos levaria para o caminho da maior sustentabilidade e nos afastaria cada vez mais de qualquer possível crise de ordem financeira, social ou ambiental.
Não quero ser mal interpretado, de forma alguma defendo o isolacionismo, o que eu quis dizer é que centralização não é uma coisa boa

1 Curtida

Cara eu acho que vai demorar pra ter uma GPT-5, se pá só na década de 30 (se tiver), ao contrário do que possa parecer, não basta aumentar o número de parâmetros (que é o que torna a GPT tão versátil) tem um limite matemático, e é uma curva em S, pelo que li ela tá bem perto de atingir o limite de eficiência

O problema é que são tecnologias diferentes, é possível fazer uma bateria durar dias a fio… mas é difícil reunir uma quantidade decente do material que proporciona isso, outro problema com as baterias são apps e sistemas operacionais, quando o recurso a nível hardware aumenta o software aumenta a demanda,quando os HDs tinham capacidade de 80-120 GBs em média e a Internet andava a passos de tartaruga, o modo de distribuição de software por dependências era visto como a solução do futuro muitos softwares (inclusive pra Windows) imitavam os APT like e ostree (embora esse seja mais recente) baixando os “pacotes” que mudaram, enquanto imagens (como .dmg da Apple) eram vistas como coisa fora da realidade, hoje em dia com HDs maiores e internet cada vez mais rápida isso tem se invertido e os .dmg like hoje são motivo de elogios e são adotados em tudo que é sistema por parte dos devs pra distribuir softwares e recursos

Pra uma tecnologia massificar, em média 2-3 outras tecnologias relacionadas precisam também e quando massificam geralmente começam os “abusos” como o crescimento do poder de processamento ter levado ao desleixo dos devs levando apps a serem 5-6x mais lentos e pesados que o necessário

Isso foi um banho de água fria :cry:. Mas obrigado por compartilhar a informação, pesquisarei mais sobre esse limite :+1:.

Não sei qual a média de idade do pessoal aqui, mas vejo todos bem interessados em tecnologia.
Já passei dos 50 há alguns anos e a minha geração foi bombardeada com os “yuppies”, gente jovem BIOLIONÁRIA (Bill Gates, Jobs, o cara do Napster, do Yahoo, Eike Batista, etc). Eram os anos 1980/1990, comandados pelo ultraliberalismo de Reagan e Tatcher, “tornar-se milionário antes dos 30”
Acho que vemos o reflexo daqueles tempos se mostrando agora. Muitos daqueles jovens comandam o mundo hoje. E a prioridade deles não mudou.
Nunca tivemos uma concentração de renda tão grande na história da humanidade.

Entende o que estou querendo dizer? Se temos tecnologia pra colocar um robô em Marte, não teríamos para fazer uma bateria durar 1 semana (independentemente do material utilizado, não quero entrar neste mérito)? mas não há interesse nisso.
A tecnologia precisa ser COMPLETAMENTE esgotada (ou seja, deve dar o maior retorno possível pelo maior tempo possível), antes de ser descartada ou substituída. E isso é atraso.

Faz algum sentido termos motores a combustão ainda?
Faz sentido seu carro ser roubado e não ser localizado em menos de 10 min? não poderiam sair de fábrica já com chips interligados aos sistemas de segurança pública? mas não há interesse. Cada carro roubado estimula a indústria do seguro e as próprias montadoras, porque certamente você comprará outro (com dinheiro do seguro, ou não).

A Fundação Gates fez um estudo certa vez e mostrou que seria preciso investir $7 BI anuais para acabar com a fome NO MUNDO. O que são 7 bi de dólares para o mundo? Os EUA gastaram 7 TRILHÕES em 10 anos de guerra no Iraque/Afeganistão e na crise de 2008.
O orçamento militar americano é de $700 BI/ano. 700 bi prá matar gente!!!

Enfim, o que quero realmente dizer é que nada mudará se não mudarmos em nós mesmos. O motor principal da tecnologia deveria ser o de tornar a vida das pessoas mais fácil, mais confortável, mais digna. Mas não é isso que vemos.

2 Curtidas