Como vocês migraram para o Linux? Porquê?

Eu achei mais parecido com aqueles testemunhos de ex dependentes, “sair da vida do crime e afins”, meu irmão (apesar de não ser um dependente) falou bem parecido rsrsrs

4 curtidas

Rapaz, durante muito tempo, trampei com o windows no caso, 7,8.1, 10, só que eu recomendava para quem queria formatar ou atualizar pra um novo windows, avaliava as config do computador da pessoa e dizia o que poderia rodar de boas, e aquilo que nao ia ficar tao bem mas com uns ajustes rodaria, mas caia sempre no problema de consumo de memoria e de lentidão, foi a e que eu também me vi nesse dilema, quando estava instalando 10 de RAM do meu notebook e 1tb, ele e meio antigo, um i5 da terceira geração, mas mesmo assim, ele travava muito no win 10, e pra essas config não era para estar, consumia de inicio 3 a 4 de RAM só pra iniciar mesmo tirando varias firulas, a e me embocetei, e resolvi testar varias distros, na raça, Ubuntu, Mint, pop!_Os, e agora estou de boas no Manjaro KDE, que se quer consome 600mb, e já instalei o pop no pc do meu irmão com 4 de RAM e caiu como uma luva e olha que e um celeron lazarento, e esta minha historia, e esperando chegar meu sugador e meu ferro e umas pilhas de litio pra concertar o PC de minha mãe, e largar um xfce no pc de minha mãe com 2gb de RAM e uns 120 de ssd, e isto senhores

4 curtidas

Ah comecei a usar por indicação, Windows sempre funcionou muito bem e talz so que tava meio enjoado ate pq tudo funcionava bem e vivia quase atoa navegando kkkkkkkk, dps que eu comecei a trabalhar com informatica ai acabei deixando em dualboot e to tocando ate hj kkkkkkkkk mas a unica coisa que me deixa chatiado e essa bosta de filosofia GNU, tirando isso o negocio e bom de usar

1 curtida

01 - por curiosidade.
Comecei na computação com o MS-DOS 6.22. Então linha de comando já era natural para mim.

02 - por que a estrutura de diretórios e funcionamento do Linux me instigaram na primeira vez que vi… (como assim não tem “C:”?? - eu tinha que aprender como tudo aquilo funcionava rs)

03 - Porque com Linux, eu mando no Sistema e não o contrário…

04 - Por que achei a GPL muito interessante… muito mais gente boa do que os EULAs…

05 - Por que te faz pensar (não tem Next, Next, Finish)

6 curtidas

Eu comecei a usar de curioso, mesmo sabendo que não tinha jogo na época, apenas o Dofus que era um dos jogos que jogava e tinha para Linux, comecei a usar e me apaixonei pelo sistema, morria de medo do terminal, quebrei muitos sistemas ( e ainda quebro) tentando aprender mais sobre o mesmo.

Ainda não sei nem 5% do universo Linux, mas tô caminhando e conhecendo alguma novidade do sistema dia após dia.

Meu objetivo ao usar Linux é ter 100% de domínio com o sistema

2 curtidas
  • Windows na ápoca em que eu usava ficava lento depois de um tempo.
  • Gastava muito disco por não ter biblioteca compartilhada.
  • É um saco ter antivirus comecei a não usar e depois de um tempo mudei para dualboot com Linux.
  • Fragmentação de disco é um saco em qualquer sistema o Linux me liberto disso.
  • Arquivo de paginação é lento o Linux me liberto disso.
  • Muito gasto de RAM e CPU e DISCO o Lubuntu é muito mais leve.
    Depois de ter passado por isso tudo com o Windows resolve trocar de sistema.
    Estou feliz por não ter esses problemas no meu Lubuntu.
4 curtidas

Comecei a usar distribuições Linux quando tentei atualizar minha versão do windows 8 para a 8.1 e descobri que era uma cópia pirata. Depois de um tempo buscando uma solução, descobri o mundo Linux e desde então migrei definitivamente. Comecei com o Ubuntu 14.04, testei o Deepin por um tempo e atualmente utilizo o Linux Mint, sendo esta a distro que melhor supriu minhas necessidades.

3 curtidas

Não lembro se já deixei minha contribuição para esse post, então aqui vai:

Eu migrei para Linux… por causa da minha irmã.
Tá certo que eu já estava um pouco insatisfeito com a forma que o Windows 10 funcionava no computador e Linux já foi apresentado a mim desde bem cedo. A primeira distro que usei foi o Kurumin mas a que eu pude testar de verdade, não lembro exatamente o nome mas lembro que usava GNOME 2. Creio que era ubuntu, mas também pode não ter sido, afinal não lembro de nenhum ubuntu usando esse papel de parede aqui por padrão e na instalação. Se alguém lembrar qual distro usava esse papel de parede por padrão, me avisa aí


Enfim, depois dessa apresentação bem cedo ao universo Linux, quando eu era criança basicamente, eu resolvi voltar vários anos depois, por curiosidade mesmo. Mas nunca havia feito a migração de fato. Foi só quando eu tinha começado o curso de manutenção e suporte em informatica na IFB que voltei a ter gosto por Linux.
A transição foi gradual. Eu havia deixado Ubuntu Studio, e depois o Ubuntu GNOME como dualboot com Windows, afinal eu ainda não tinha migrado por completo e eu não era o único usando o Desktop. Então deixei lá. Havia dias que eu usava Windows, e outros que eu resolvia selecionar a outra opção no GRUB. Acabou que eu usava mais o Ubuntu GNOME do que Windows 10, porque eu tinha prazer em usar ubuntu. O sistema parecia mais leve e pouco a pouco eu encontrava alternativas aos softwares que eu usava. Só faltava os jogos, mas acabou que o Wine supria tudo. Eu não gostava de usar PlayOnLinux ou Lutris porque parecia mais um obstáculo do que algo que realmente facilitava, então eu acabava configurando o Wine eu mesmo.
Depois de um tempo, o Proton foi lançado e eu pude jogar outra vez diversos jogos que estavam na minha biblioteca da Steam mas não possuiam ports para Linux. Até então eu usava um Wrapper para Steam que automaticamente abria a Steam em um wineprefix próprio, então era a versão de Windows da Steam.
Mas… eu disse que foi por causa da minha irmã, certo? Bem, ela não tem cautela nenhuma quando navega na internet. O computador estava se enchendo de malwares e já era praticamente a quinta vez que isso acontecia. Então resolvi permanecer no Ubuntu GNOME enquanto ela usava o sistema que já estava ficando quebrado. Quando eu percebi que ninguém mais estava usando o Desktop, mesmo com a manutenção que eu fazia no Windows 10 para continuar rodando liso, aí chutei o balde e tirei o Windows. Fiquei só no Ubuntu. Depois foi acontecendo um pouco de distro hopping. Saí do Ubuntu para Archlinux, fiquei por algumas semanas e estava um pouco insatisfeito com a instabilidade do sistema. Migrei para Manjaro, que permaneci por vários meses por causa da estabilidade. Hoje uso openSUSE Tumbleweed e não tenho planos de migrar para outra distro. Talvez se o Manjaro ficar ainda melhor do que já é, mas aí são outros 500.

4 curtidas

Particularmente eu me cansei do visual feio que ele tem, além de que a microsoft coloca um monte de coisas nos menus e um clique errado você instala um monte de coisas que não precisa e nem sabe usar, os softwares todos são pagos é desconfortável ter que usar vários programas caros pra poder fazer edições.
Instalei o linux a 3 meses o desempenho não é la essas coisas mais a liberdade de ter o que quiser e mudar qualquer coisa é uma experiência libertadora, sempre que posso faço doações no site dos desenvolvedores pra eles continuarem a atualizarem os produtos e deixar as coisas mais interessante. Outra coisa que notei é que já apanhei muito tanto pra instalar pacotes ou configurar, acho que usar linux e fazer as coisas de forma mais difíceis te deixam mais aguçado então antes era pra ter liberdade agora é pelo desafio mesmo. kkkkk

1 curtida

Vírus, lentidão, cracks, atualização é uma encheção de saco !
Lentidão porque na época eu tinha um computador muito limitado então eu gastava muito recurso com o Windows eu ficava imaginando que um Linux eu poderia ter mais memoria e processador livre para minhas tarefas.
Pode ver que ate hoje eu uso Lubuntu mesmo com uma maquina muito melhor que naquela época.
Eu não tinha nenhum pendrive descontaminado e os antivírus não pegavam já que antivírus contam com banco de dados de assinatura de vírus e os vírus recente não são detectados por não estarem em assinaturas.
Agora imagina eu com pouco recurso e gastando eles com antivírus inúteis.
Eu odeio cracks pelo motivo de mim desconfiar dos crackers.
Eu me lembro ate hoje de quando eu ia desligar ou reiniciar a maquina e as atualização do Windows não deixava devo estar traumatizado.

1 curtida

Conheci Linux quando HD do meu notebook deu pau! Usei o Ubuntu 16.04 pelo pendrive, achei legal na época, ouvia falar pela internet! Depois de 1 ano usando windows e esquecido da existência do Linux, meu ex professor de estatística recomendou usar, pelo fato de ser leve, principalmente. Ele indicou o mint(onde estudo, o mint faz a festa kkkk), botei e senti a diferença, comecei com o mint 19.1 Mate, depois disso, usei KDE Neon, depois voltei pro mint, agora usando XFCE, 1 dia de manjaro KDE, e dnv mint, agora com cinnamon! Aprendi muita coisa nesse tempo, isso foi apenas em um ano, e sei que o mint é a melhor distro pra mim! Mas, kkk tenho vontade de usar o KDE Plasma dnv, gosto muito dessa interface!

1 curtida

Na real nem eu sei kkkk tanto Linux como Windows pra mim não faz diferença nenhuma tanto nos programas que uso tanto no desempenho já que tenho um PC que me atende bem, então sei lá kkk não tem nenhum programa/funcionalidade que me mantém no Linux só to nele porque instalei e não tenho mais saco pra fica formatando e fica pulando de um sistema pra outro igual eu fazia antes kkkk a verdade é essa, basicamente eu instalei o sistema por curiosidade e acabei ficando nele por preguiça mas não quero sair pois pro meu uso o Windows ou Linux vai ser a mesma coisa.

2 curtidas

A 2 anos vi que alguns PCs da minha faculdade estavam usando o ubuntu, isso me deu curiosidade e me deparei com o canal do Dio, a partir dai maratonei vários videos e acabei instalando um dual boot com o Linux Mint, depois sai testando um monte de distro e acabei ficando com o Xubuntu devido a sua leveza, assim como @llofyy eu acabei percebendo que o linux bem configurado economizaria recursos do PC para outras coisas e como @Capezotte, @Lciarallo e muitos outros disseram o linux possui menos bug ou problemas com atualizações e mais segurança e leveza. :slight_smile:

1 curtida

Quando muito jovem,quando ainda não entendia bem de computação me deparei com um notebook com uma versão muito dinossáurica do ubuntu e detestei porque tudo era ao averso, lembro que à época achei leve, mas eu não tinha curtido e deixei isso de lado. Por volta de 2013 eu já estava louco da vida com os bugs do Windows, procurei por outras alternativas de SO, lembrei do Linux e decidi testar por curiosidade… Achei fascinante, pq tudo já estava muito bem evoluído, instalei software minimalista em PCs fracos, e fui testando… Fiquei usando Ubuntu por dual bootaté se acostumar… até que migrei em 100% e hoje não ultilizo o Windows pra nada, a não quando preciso de um software específico do tipo AudioChequer, aí eu rodo via Wine.

Eu resolvi testar por causa da lerdeza do Windows 10 e para aprender mais sobre outro sistema.
Sempre gostei de fuçar em coisas novas, descobrir como funciona, etc.
Comecei pelo Ubuntu em dual boot com o Windows e hoje tenho um “quadri boot”:
Windows 10, Manjaro KDE, Fedora 32 e Pop!OS (o qual considero minha distro principal).
Assim posso ter uma experiência dos diversos mundos das distros Linux! :blush: :innocent:

1 curtida

Com uma experiencia rapida antes do formatarem o primeiro pc aqui de casa q veio com linux, e uma aventura de algumas horas numa vm do ubuntu 12.04( ou 14) fiquei um tempo sem nenhuma experiencia, achei o canal do dio e fiquei um bom tempo acompanhando mas sem coragem de fazer um dualboot, ate q criei e fiz, ubuntu 16.04, me achava um hackerman atualizando os programas pelo terminal, pulei varias distros, até um arch da vida, mas o mint se tornou meu SO principal, o windows ainda temos por problemas de hardware amd antigo e anticheats…

1 curtida

Nunca gostei muito da M$… Por exemplo, o DR-DOS da Digital Research era muito melhor do que o MS-DOS, no início dos anos 90. Mas enquanto a DR investia em desenvolver e melhorar, a M$ investia na conquista de mercado. Por um contrato com a IBM, o MS-DOS vinha em todos os computadores, aí todos tinham de aprender a usá-lo, publicaram-se mil livros, surgiram mil cursos etc.

Quando o Windows apareceu, no começo você carregava o DOS e depois carregava o Windows. Ele funcionava muito melhor com o DR-DOS, mas logo a M$ introduziu nele umas mensagens para aterrorizar o usuário, quando detectava o DR-DOS. Guerra suja. A DR acabou sendo derrotada.

Uma pena. A DR tinha uma bela folha de serviços. Criou o CP/M, por exemplo, que “unificou” o OS na época em que mil marcas de computadores 8 bits, cada um tinha seu OS, todos fracos, nos anos 80. Então, bastava comprar uma “placa CP/M”, e todos puderam usar um OS unificado ─ que se tornou “padrão” geral, com muitos softwares, muitos livros, cursos etc. No mundo “PC-IBM”, continuou na frente, com o DR-DOS, muito superior. O MS-DOS só prevaleceu por esperteza, agressividade comercial, golpes baixos etc., pois era muito inferior.

Com o Windows tornado “autônomo” (sem DOS separado), a M$ finalmente podia correr sozinha, sem concorrentes, pois a Apple se tornou uma griffe fechada ─ só rodava no hardware Apple, sempre absurdamente caro, para a maioria dos usuários. A Apple apostou na lucratividade, a M$ investiu na monopolização total. ─ As empresas de software, agora, dependiam da M$ para migrarem do DOS para o Windows. Algumas não conseguiram migrar, ou a M$ resolveu ela mesma lançar seus próprios softwares, e nesse caso as concorrentes / dependentes não recebiam suporte suficiente, talvez até fossem sabotadas.

Daí por diante, tive de ficar dependente da M$, pois o MAC estava fora do meu orçamento, e eu não tinha tempo livre para encarar as primeiras distros Linux em linha de comando. Nem sei se seriam úteis, pois eu dependia de softwares que só existiam para Windows e MAC.

Eu lia sobre Linux, e quando começaram a vir CDs nas revistas, tentei vários, sem muito sucesso. O primeiro que conseguir rodar foi o Kurumin em Live CD. Não lembro a versão mais antiga que consegui carregar, talvez o 3. Dava boot, olhava, via os softwares incluídos, mas não saía disso. Só no final de 2007 instalei o Kurumin 5 e tentei me obrigar a aprender, durante uns meses (sem Windows). Depois, fiz o mesmo com o Kurumin 7.

Mas tive de reinstalar o Windows, pois meu trabalho foi muito afetado, começou a ficar acumulado, atrasou demais. Continuei com os 2 em dualboot, mas não aprendia nem avançava no Linux, por falta de tempo (e de decisão, talvez). No Windows eu trabalhava, no Linux eu me enrolava.

Com o fim do Kurumin, passei para o Kubuntu, me adaptei bem, e fui avançando aos poucos na “substituição” dos softwares do Windows. Mas muita coisa, acabei optando por alterar meu “modo de trabalhar” ─ que afinal, não era “meu”, mas “o que o mundo Windows me permitia”. ─ Então, por que não criar novos hábitos de trabalho, com as ferramentas que o mundo Linux oferecia?

Só em 2016, deletei o Windows, e nunca mais voltei a usar.

Depois, para não cair em nova dependência (da Canonical), comecei a instalar várias outras distros em dualboot. Ano passado, eliminei o Kubuntu (ainda uso KDE Neon e Mint + KDE).

Ainda gosto muito do openSUSE e do Fedora, por exemplo, mas por precaução também uso Debian, Arch, PCLinuxOS, Mageia…

1 curtida

Sofrível, eu sei como é. O meu após a atualização forçada, diga-se de passagem, deu ruim em todo os meus arquivos. Mas após eu ver o vídeo do Baboo, sobre arquivos crackeados, o quão vulnerável estamos com o Windows, então de imediato eu formatei e voltei após anos para o Linux. E sem dualboot, estou forçando a substituição de Sistema Operacional. E estou feliz, mudei a pouco mais de 3 meses.

1 curtida

eu nao; devido a descontinuação do win 7 tive que achar alternativas, pois desteto o win 10 desde o seu lançamento, e atravez do Youtube conheci o Dio e depois dele o Mint, hoje estou com o Kubuntu, mas a minha intenção e o Opensuse, esperando conseguir instala-lo com ssd e hd e home separada.

2 curtidas

Como que vc abandonou o uso de contas da google como YouTube ?