Boas práticas para facilitar uma eventual reinstalação do Linux evitando perda de arquivos

Olá,

Estou experimentando o Debian, por enquanto só em VM, e gostaria de sugestões sobre boas práticas a serem adotadas desde o começo para facilitar uma eventual reinstalação, evitando perda de dados.

Por exemplo: no Windows, simplesmente armazeno meus dados pessoais em partições separadas do sistema e, se precisar reinstalar, sei que posso em último caso apagar completamente aquela partição sem perder nada importante e recomeçar do zero. É bem simples.

No Linux, especialmente no Debian, isso funciona da mesma forma? Colocar o diretório /home em partição separada seria análogo a colocar dados pessoais do Windows em outra partição que não a do sistema?

Usar LVM dificulta ou impede uma eventual reinstalação sem perda de dados? Aquela encriptação transparente das partições com senha no boot também pode ser mais um fator dificultador durante a reinstalação?

Obrigado desde já!

Abs.

3 Curtidas

Acho que esta é a melhor opção. Eu uso o Pop!_Os (que é derivado do Debian) com as pastas root ( / ) e /boot no SSD e a /home no HD.

Quanto às outras dúvidas não tenho certeza. Também sou iniciante neste mundo!

2 Curtidas

Sim. Exatamente o mesmo princípio. Funciona bem desde que vc tenha backup no caso de alterar a tabela de partição do disco e seja extremamente cuidadoso na hora de instalar/reinstalar sistemas operacionais.

LVM dificulta bastante qualquer tipo de operação pro usuário de desktop. Eu não sei como funciona e é mais uma camada pra dificultar a instalação. Porém se o usuário se dedicar e entender o funicionamento pode até facilitar expansão de sistemas de arquivos. Por isso que é bastante usado em servidores.

Na verdade não atrapalha tanto, pois a partição encriptada continua como uma partição. Se quiser formatar e/ou reinstalar não é necessário alterar a tabela de partição do disco. A princípio não dificulta na hora da instalação, mas pode dificultar no momento que vc precisar dar manutenção pro sistema, pois é mais uma camada de configuração.


Agora a minha dica é fazer a instalação em sistema de arquivos BTRFS e usar um gerenciador de instantâneos (snapshots). Isso é uma mão na roda quando aparece algum problema, pois é só reverter pra um dia ou dois atrás e tudo funciona novamente. Claro que é um fator complicador pois tem que aprender bastante coisa nova, mas eu vou te falar, já me salvou de muitas! O Linux mint tem instalado por padrão o Timeshift. Bem fácil de usar uma vez que tenha escolhido formatar o sistema em btrfs na hora da isntalação. Já o OpenSUSE usa o snapper para a mesma função. Vale fazer um teste na VM pra destruir o sistema e depois recuperar como se nada tivesse acontecido!

2 Curtidas

Estou testando esse sistema de arquivos e tive a impressão dele ser bem mais lento que o EXT4. Até a instalação do Debian com esse sistema de arquivos está demorando muito mais. Dei uma procurada por aí e vi que ele é mesmo mais lento que o EXT4 em vários cenários, mas tão mais? A instalação demorou acho que três vezes mais que usando EXT4, embora eu não tenha cronometrado.

Se vc está usando arquivo qcow na instalação da máquina virtual, sim, é bem mais lento. Mas se vc usar na máquina real ou se usar método RAW direto numa partição para sua máquina virtual vai ficar 3x mais rapido.

1 Curtida