Atalhos para o Arch

E aí, pessoal, blz?
Pra estreiar a categoria, vamos de polêmicaaaaa

Vale usar atalhos para instalar Arch, como Anarchy, scripts do Git ou o famigerado/glorioso Calam-Arch?
Haters, posicionem-se!

1 Curtida

Em 2017, eu instalei o Arch numa partição usando o Revenge Installer (agora chamado Zen); e também instalei em outra partição, usando o Arch Anywhere. ─ No final das contas, fiquei só com a primeira e removi a outra.

Quase 2 anos depois, já me sentia à vontade com o Arch, fiz minha primeira instalação “na unha”.

2 Curtidas

Bom, eu não sou um hater qualificado para isso haha, mas acho que é válido, parte da sua liberdade de escolher montar como quiser o sistema, isso é o Arch.

Mas dá pra fazer uma observação, se a ideia é aprender por exemplo, ou entender como customizar, cada processo da instalação pode ser um aprendizado (não quer dizer que vá, seguir a Arch Wiki e conseguir instalar o Arch não quer dizer que a pessoa realmente entendeu alguma coisa, mas melhor que nada), acho uma opção super válida. Qualquer um que curta Linux, e é meio nerd tipo eu, provavelmente iria gostar de fazer isso, pelo menos uma vez na vida.

E essa é a real única vantagem que eu vejo em fazer esse processo manualmente. O que um usuário Linux avançado faz para automatizar suas tarefas no dia a dia? Shell scrips provavelmente. A função delas é cortar tempo em tarefas repetitivas e que não agregam, e se você já manja de arch, já sabe como customizar o sistema, é exatamente essa a função que um script de instalação cumpre, poupar a sua vida, e usar esses minutos para fazer algo realmente útil.

Se desse pra instalar um sistema com um só clique, pra mim hoje seria melhor ainda. As customizações eu posso fazer depois se realmente for necessário.

Se o lema do Arch é meio “do it yourself”, é exatamente o que você está fazendo, ainda que tenha gente que goste de “c**ar” regra.

6 Curtidas

Não chega a ser um só clique, mas instalar pelo Calamares e escolher a DE antes de instalar é bem prático, não?

1 Curtida

Prático, sem dúvida, educacional nem tanto. Mas a questão é, o usuário em questão vai querer aprender algo no processo ou simplesmente usar? Tem gente dos dois lados e nenhum está errado. :slight_smile:

4 Curtidas

Se eu fosse instalar um “Arch puro” ( não sua derivações) eu instalaria assim mesmo, porque nem tenho tempo, nem me sinto competente o suficiente para fazer uma instalação tradicional do Arch. Essa instalação do Arch tradicional é para profissionais de T.I., entusiastas, hobbistas ou pessoas que estão dispostas a aprender Linux muito a fundo personalizando-o nos mínimos detalhes (algo muito além de questões visuais, mais para funcionalidades).

2 Curtidas

Se tá no jogo, é pra usar.

2 Curtidas

Gentoo deveria ter algo semelhante também.

1 Curtida

Na verdade, qualquer distro poderia ter algo mais customizado e simples. Mesmo o Manjaro Architect já dá uma espantada por ser em CLI

2 Curtidas

Esses scripts de instalação são uma mão na roda pra quem não tem paciência ou tem preguiça de instalar o Arch (tipo eu) :joy:

1 Curtida

Nisso o netinstaller do OpenSUSE dá um show. É pequeno (menos de 400 MB) e é arrumadinho. Claro que depende de conexão estável, mas a experiência, mesmo longa, recompensa. Sai um sistema todo coeso, como se espera da SUSE.
O Calam-Arch (assim como o ArcoLinux) é bastante configurável mas tem um jeitão meio cru - claro que, perto do método tradicional, esses atalhos são mamão com açúcar

1 Curtida

Pra quem nunca viu o Calam Arch, tem vídeo dele:

2 Curtidas

Para além do segmento profissional, o mundo da informática caminha para a simplificação, só se pode ter usuários “gerais” tendo sistemas e ferramentas amigáveis. É claro que uma coisa não invalida a outra e isso é o legal do Linux, pode-se ter tanto um sistema para quem quer praticidade, quanto para aquele que quer um domínio pleno da máquina e isso sem hierarquias. O computador é “apenas” um instrumento para se chegar a certos fins e desde que o sistema te atenda de forma satisfatória está tudo perfeito, o que importa no final é ser feliz.

1 Curtida

Tem esse em nosso idioma também:

1 Curtida

Gentoo tem, só que eles preferem mudar o nome da distro (assim como o Endeavour OS). Sabayon/Calculate são exemplos. Tem até binhost (pacotes binários no ponto) pra quem abomina compilar (apesar de que, nesse nível, porque não Manjaro ou um instalador do Arch?)


Se usou instalador, só merece a dor.

Falando sério, pra quem quiser um sistema pronto com base Arch, não vejo problema, mas pra realmente aproveitar o Arch vale a pena a instalação na mão pelo menos uma vez. Isso faz você apreciar as possibilidades de customização mais profundamente, e abre as portas para usar o Arch, ainda que ele venha de instalador pronto, com mais ideia do que você está fazendo.

Eu mesmo durante muito tempo usei basicamente um EndeavourOS secreto (instalei e deletei o repo do EndeavourOS :shushing_face:). Mesmo esse Arch aqui não instalei completamente na mão, usei o Gparted para particionar o disco antes.

1 Curtida

Mas no caso como do Sabayon não seria uma distro completa? Algo mais que um instalador?

1 Curtida

Isso eu já não sei responder bem, ping @Deleterium

1 Curtida

Não sei como anda o Sabayon atualmente, porque testei ele tem muito tempo (uns anos já).

Exato. O Sabayon é uma distro completa. Tem gerenciador de pacotes próprio, chamado Entropy, e trabalha com binários. Mas, se quiser, obviamente, você pode compilar tudo (com o Portage). Embora, a proposta da distro, seja exatamente o contrário disso. É mais ser um gentoo-based mais rápido de instalar e usar. Cheguei a testar por um tempo. É uma distro muito boa. Porém tem bastante atualização. Em outras palavras, se você baixar uma iso com KDE, por exemplo, ao iniciar o sistema no pós instalação você terá praticamente tudo pronto. Como qualquer outra distro, tipo o Ubuntu, Debian, Fedora etc.

É uma distro bem bacana. Quem quiser testar alguma coisa diferente, eu testaria ela. Por dois motivos, você tem instalador simples de usar (acho que usam o Calamares hoje em dia) e tem um gerenciador de pacotes fácil de entender. É interessante e divertido usar distros “fora do padrão” do que a gente costuma usar sempre aqui no Brasil (basicamente distros .deb).

3 Curtidas

Tem aquela Redcore também não é?

Olha vcs atiçando minha SDA!

1 Curtida