A melhor forma de particionar o meu Linux?

Tenho um hd de 500gb(Não é novo) e toda vez que faço particionamento é dessa forma:

0,500 gb (Não utilizar)
/ - 200 gb
Home - 200 gb
Usr - 30 gb
Opt - 30 gb
Var - 30 gb
Uefi - 0,500 gb
Bios - 0,500 gb
Swap - 8 gb
0,500 (não utilizar)

Existe algum problema em particionar dessa forma? Ou uma forma melhor?

Oi, tudo bem?

Apesar de ser possível, há algum motivo para você criar partições separadas para tudo?

Nas minhas máquinas eu costumo usar de duas formas apenas:

1 - A primeira seria assim

/BOOT

600MB a 1GB, dependendo se o sistema tem dual boot ou não;

/

Geralmente coloco uns 60GB pelo menos, mas como tenho usado em um computador em particular duas unidades de disco, acaba ficando com 120 mesmo.

/HOME

Com o que restar no espaço, ou com outra unidade de disco, no caso 1TB.

2 - A segunda forma é ainda mais simples

Simplesmente formato direto, deixando o instalador fazer as partições, geralmente ele cria um
“/boot” e “/” somente, sendo o “/boot” em torno de 500MB ou 600MB, algo assim.

A Home fica, dessa forma, dentro da própria raiz do sistema.

Em relação a swap, geralmente uso swapfile, então ela fica dentro da raiz também. O tamanho da SWAP depende um pouco a sua intenção com ela, geralmente o sistemas criam uma swap com o tamanho da RAM para permitir que você hiberne o computador sem problemas, mas se você não faz isso, dá para usar menos, sem muito stress.

Minha workstation tem 32GB de RAM e 2GB de SWAP que quase nunca são usados.

A necessidade de múltiplas partições

A clara vantagem de manter os diretórios em partições diferentes é poder montar eles com permissões diferentes (algo especialmente útil em servidores) do que outras partes do sistema, além de poder formatar ou instalar o sistema base, sem necessariamente apagar algum dos diretórios, como o /home, o que de uma forma ou de outra, facilita no backup dos dados.

Não me parece existir uma forma certa e uma errada necessariamente de fazer essas coisas, mas eu gosto de manter simples.

Diretórios como o /var tendem a crescer com o tempo, e se eu tiver separado esse diretório em uma partição com o que parecia ser um bom espaço, mas ele crescer ao longo do tempo e ela lotar, vai dar mais dor de cabeça ter que redimensionar essa partição, do que seria problema deixar ela como parte integrante da raiz.

As pastas com maiores arquivos do sistema

Claro que isso varia de usuário para usuário, e também depende da finalidade do sistema (desktop ou servidor, para que é usado o desktop e para que é usado o servidor). Mas em geral, especialmente em desktop, o diretório com mais arquivos (e arquivos maiores) do sistema, tende a ser o /home, então não é má ideia ser generoso na quantidade GB que você colocar aqui.

Em se tratando da raiz do sistema, no meu caso, os quatro diretórios mais usados são:

/usr
/opt
/var
/boot

Dentro de /usr, eu tenho ainda muitos módulos de kernels antigos. Uso o Pop!_OS desde que o Kernel dele era o 5.4, agora ele está com o 5.15, e tem módulos para todos eles. Se eu precisar de espaço, provavelmente posso apagar esses arquivos, mas até agora não fez falta.

Outra pasta dentro de /usr que ocupa um certo espaço, é a pasta de libs, já que ao longo de praticamente 3 anos eu instalei muitos softwares diferentes nessa máquina. Para se ter uma ideia, só a pasta do wine e suas “fake dlls” tem praticamente 500MB de arquivos ali.

Já em /opt, eu só tenho uma quantidade considerável de dados ali, porque uso softwares que se instalam nesse diretório, como o google chrome. Ainda assim, o que mais ocupa espaço nesse diretório é o davinci resolve.

Dentro de /var, a pasta que ocupa maior espaço é a dos snaps, que tem pouco mais de 4GB, caso você não use tais pacotes, essa pasta nem vai aparecer ali.

A pasta /var também armazena logs do sistema, algo que em um servidor pode ocupar bastante espaço também, dependendo do que ocorra.

Meu /boot tem entradas do kernel, desde a versão 5.4, como comentei antes, é uma pasta com o tamanho considerável, se formos considerar a sua finalidade, hoje ela tem 1,2GB, o que me diz que se eu tivesse feito uma partição à parte, mesmo que fosse de 1GB, teria tido problemas e precisaria ter apagado versões antigas do kernel para poder fazer atualizações mais recentes.

Mesmo assim, se somar todas as pastas da raiz do meu pc, juntas elas ocupam 37GB apenas, incluindo todas as demais contidas na raiz do sistema, sendo eu um heavy user de flatpaks e snaps.

Como você pode ver, depende muito do seu uso e da longevidade também, por quanto tempo você tem o sistema e quantas coisas acumularam, claro, dá pra limpar vários arquivos desnecessários dessas pastas para ganhar espaço, mas até o momento não me foi necessário.

Sugestão para 500GB

Como eu disse, depende da necessidade, mas eu faria simplesmente uma instalação direta, deixando o sistema escolher tudo, ou apenas colocaria o /home separado, juntamente com o /boot

Com bastante folga, daria pra ter

/boot (1GB)
/ (80GB)
/home (O RESTO)

Você pode querer usar SWAP também, podendo colocar ela do tamanho da sua memória, ou até menos, dependendo do seu uso.

Espero que essas observações tenham te ajudado a tomar uma decisão, abraços! :slight_smile:

8 curtidas

Você dá uma partição gigante para o /, mas as subpastas do / que tendem a ocupar mais espaço recebem partições separadas, o que faz os 200GB dedicados à / ficarem subutilizados. Essas pastas que receberam partições separadas são também os pontos de instalação de programas, o que vai limitar a quantidade de pacotes que você pode instalar no sistema apesar do seu HD ter capacidade para muito mais.

Eu recomendaria o mesmo esquema do Dio – com uma boa higiene, 70-80 GB dá (até sobra!) para todo um / do Linux entupido de programas (incluindo /opt, /var, /usr, etc.) e dedicaria o resto à /home (permitindo formatação separada do / caso queira formatar o sistema sem perder arquivos).

3 curtidas

Obrigado Dio, acabei de fazer uma mudança na forma como faço as partições, já vi muito vídeos mas nunca decidi especificamente como fazer. Agora já tenho uma base

Foi o que imaginei, sempre que fazia dessa forma o sistema quebrava. Quando fazia mais simples tinha a impressão de que tinha feito errado. Agora vou testar outra forma mesmo

Num sistema base UEFI, eu sempre faço o seguinte e sempre deu certo aqui pra mim:

boot/EFI - 512 MiB a 1 GiB
/ - 60 a 70 GiB
/home - o resto do disco menos o espaço de swap
/swap - o mesmo que a RAM (ou o dobro caso queria hibernar, isso tendo até 16 GB, com mais acho que basta uma swap pequena, 2 GB, só pra aliviar as operações de cópia e descarte de páginas sujas)

Instalar o sistema no disco (sdX, não sdx2)

4 curtidas

Eu boto hibernar/suspensão híbrida frequentemente então o swap é útil, como o meu também é base uefi já fiz a partição necessária

3 curtidas

(Para acrescentar) Como eu particiono:
260~500mb → partição EFI
4GB → Swap (possuo 8GB de memória RAM)
Restante → /

Partições como usr, opt e var não precisam ser criadas, pois ficam dentro do /
Se você usa UEFI, não precisa de uma partição BIOS

DICA: Em sistemas mais manuais (vulgo arch linux) ou comuns mesmo, se você montar a partição efi como “/boot/efi” há uma grande chance de a entrada não ser salva na NVRAM. Recomendo monta-la como “/boot” apenas.

3 curtidas

Não uso arch(já usei o gui), sou usuario de deb/ubuntu based

Este tópico foi fechado automaticamente 3 dias depois da última resposta. Novas respostas não são mais permitidas.